Compulsão por compras  
   

Compulsão por compras

Autor Valéria Centeville - valtvp@gmail.com

Compartilhe
   

F. chegou ao consultório dizendo que não sabia mais o que fazer, pois estava com dívidas acumuladas nos cartões de crédito e seu casamento estava em risco, pois o marido havia lhe dado um ultimato: ela deveria resolver sua compulsão por compras ou ele iria pedir a separação. F. me contou que não era “má pessoa”, mas tinha esse problema de gastar mais do que podia, principalmente quando estava se sentindo triste e solitária.
A sua diversão consistia em ir às compras e voltar para casa cheia de sacolas. Mas a felicidade do consumo durava pouco, pois no dia seguinte a tristeza, tédio e solidão já voltavam a dominar seu campo emocional. E as dívidas só aumentavam. Seu marido ganhava bem e a deixava gastar bastante, principalmente por causa de suas ausências constantes, pois viajava bastante. Mas agora F. havia passado dos limites das dívidas e da paciência do marido. Por isso, veio à Terapia Regressiva, para salvar seu casamento e sua vida financeira.
Pedi aos mentores espirituais para que mostrassem as origens desse problema. F. viu-se na em sua infância da vida atual sozinha, sendo cuidada pela babá, que não lhe dava carinho nem atenção. Havia sido uma criança triste e solitária, que não tinha amigos nem outras crianças pra brincar. Sua mãe trabalhava fora de casa e lhe dava muitos brinquedos para tentar compensar sua ausência. Nos finais de semana, a mãe de F. ia às compras com ela e lhe dava muitos brinquedos e roupas, principalmente. F. sentia-se feliz ganhando presentes, brinquedos novos e atenção das vendedoras.
Mas quando chegava na segunda-feira, a solidão e o vazio voltavam a reinar em sua vida. Sua mãe era uma pessoa boa, F. contava, mas não conseguia lhe dar carinho. A forma de demonstrar carinho da mãe eram os presentes materiais.
Na escola, também não tinha amigos e se sentia diferente dos demais colegas, pois seu pai havia morrido. Era uma criança muito bonita e não sabia como expressar afeto. Na sessão de terapia, a criança interior de F. recebeu amor e carinho das mentoras espirituais que estavam cuidando dela, o que preencheu sua infância e lhe trouxe uma sensação de felicidade e plenitude.
Suas mentoras espirituais também lhe ensinaram outras maneiras de demonstrar amor e carinho, tais como elogios e abraços. Ouvir as pessoas com atenção e sem julgamentos também era uma forma de dar carinho, F. aprendeu. Foram tratadas também outras encarnações em que o espírito de F. havia praticado o materialismo exagerado como única maneira de demonstrar apreciação afetiva. Assim, F. aprendeu como dar e receber amor, como se relacionar melhor com as pessoas. Sua vida afetiva melhorou e a financeira também. F. começou a trabalhar e fez novas amizades. As brigas e conflitos com o marido deram lugar à paz e à harmonia no seu lar.
F. aprendeu a ser feliz e se preencher com amor.

A Terapia de Regressão já ajudou muitas pessoas a tratarem e reintegrarem as partes feridas que existem em suas almas. Ela também pode ajudar você!!! Gostou do texto? Então curta e compartilhe! Outra pessoa também pode estar precisando dessas informações. Fazer o bem sempre faz bem!!! Valéria Centeville e Leonel Vicente -Terapeutas de Regressão Consultas presenciais e à distância, via Skype e telefone link link Whatsapps 11 9 8444 9975 e 11 9 4236 6486 valtvp@gmail.com

Texto Revisado



Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   
Avaliação:
Compulsão por compras
5 1

Compartilhe
   

Autor: Valéria Centeville   
Terapia de vidas passadas. Captação mediúnica. Terapia Reencarnacionista. Terapia Regressiva. Hipnoterapia (hipnose). Terapia Espiritual. Terapia Floral. Canalizações de mensagens dos mentores espirituais. Orientação espiritual. Tarô cigano.
E-mail: valtvp@gmail.com
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 07/01/2018
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2018 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.