Transcendendo o Medo – 2ª Parte

Autor Rex Thomas - rexthomas@nexusinstitute.com.br
Facebook   E-mail   Whatsapp


Desde a infância, a frase que eu mais escuto em minha volta, de parentes, amigos, na rua, TV, no rádio, enfim, em todo lugar, é: “eu estou com medo”. Raramente escuto pessoas expressando a frase “eu estou amando” ou “eu amo”. Parece que sempre estamos com medo de tudo e de todos.
É possível medir o medo? Eu diria que sim, já que o medo é emoção oposta a do amor, como o dia e a noite. Sabemos que é impossível estar na escuridão quando o sol começa a brilhar, assim como é impossível sentir medo de alguém ou algo e amá-lo ao mesmo tempo. Portanto, as pessoas que sentem muito medo precisam começar a buscar a única energia emocional que dissipa e equilibra o medo: a energia emocional do amor. Principalmente de amor próprio!

Muitos já me perguntaram: “qual é o propósito do medo?”. A resposta é que o medo existe para nos guiar e ensinar. O medo está a serviço do amor. O medo é o mecanismo cósmico que nos alerta quando estamos nos distanciando do amor. Tudo na vida começa a ficar mais escuro e confuso quando você se distancia da luz. Quando você começa a se distanciar do amor, você se aproxima do medo. O medo gera sofrimento e o sofrimento é a voz da sabedoria o chamando de volta para a luz.

A razão para tanto medo no mundo é que muitos esqueceram quem são e o que são. A experiência de ser humano está sendo difícil para todos porque, de fato, não somos seres humanos. Somos seres essencialmente espirituais e a experiência de ser temporariamente humano é estranha e confusa, como se fosse um imenso drama cósmico cujas regras são desconhecidas. E sempre temos medo do desconhecido.

Como escrito anteriormente (na primeira parte desta matéria), sempre achamos que temos medo de fantasma, mas, na realidade, nosso real medo é do que o fantasma pode fazer conosco. O instinto de autopreservação nos coloca sempre na defensiva. Estamos sempre tentando nos proteger da dor física e emocional. Sempre antecipando que seremos magoados, prejudicados ou machucados e, reativamente, fazendo o mesmo. Isto é o medo.
O medo, como todas as emoções em sua vida, tem exatamente o valor emocional que você atribui a ele. Então, comece a dar mais valor emocional ao amor e menos valor emocional ao medo!

Uma vez, entendendo que somos seres essencialmente espirituais, ou seja, que somos eternos, imortais e indestrutíveis, podemos transcender o medo, não nos permitindo mais sermos magoados, prejudicados ou machucados, já que na nossa essência somos Amor. Isto não significa que nunca iremos sentir as dores emocionais e físicas dos eventos da vida, mas a diferença é que ao invés de reagir com medo, podemos escolher agir com amor. A pergunta que devemos nos fazer em momentos de medo é: “O que amor faria nesta situação?”. A partir daí a sua resposta interna deve ser a sua ação externa!
Lembre-se: a sua vida não se trata do que está acontecendo ou o que você está sentindo, mas do que você está fazendo com o que você está sentindo em qualquer situação!

Muitas pessoas estão viciadas na emoção do medo e do sofrimento. Elas já leram, estudaram e fizeram muitos cursos, terapias e vivências, mas parece que nada resolve. Existem motivos para isto e um dos principais é o apego emocional e falta de compreensão do verdadeiro sentido da vida.
O meu conselho é que devemos sempre ser, viver e agir como um guardião, ao invés de ser, viver e agir como dono de qualquer coisa nesta vida.
Convido você para respirar fundo, ler com atenção, pensar, sentir e digerir estas próximas palavras: comece hoje a tratar tudo que você tem como presentes para serem agradecidos. Não se orgulhe dos seus bens materiais e posição social porque eles, na verdade, não lhe pertencem.

Veja, tudo que é físico é temporário e tudo que é espiritual é permanente! Seu único pertence verdadeiro e permanente é o seu espírito, vidas após vidas, para sempre seu. A sua existência neste plano é temporária e imensamente significativa, e uma das inúmeras maneiras para tornar a sua existência física mais feliz é se ver, não como um dono dos seus bens materiais, mas como um guardião!

A atitude de um guardião é de serviço, humildade, simplicidade e cuidado, já a atitude de um dono é de possessividade, MEDO e orgulho.
O guardião está sempre pronto para desapegar-se dos pertences em amor e gratidão pela oportunidade de servir. Um dono se agarra aos seus pertences por orgulho e medo de perder a ilusão de segurança. Todos nós viemos para este plano sem bens materiais, portanto, desapegue-se dos valores antigos e crie espaço para o novo.
Quando você começar a pensar e agir como um guardião, você começará a vivenciar e compartilhar compaixão, generosidade e um estado de liberdade física, espiritual e mental, necessário para focar na sua única, verdadeira e permanente possessão: o seu espírito, vidas após vidas, para sempre seu.
Então, lembre-se sempre de se perguntar nos momentos de medo: “o que o amor faria nesta situação?”. A partir daí a sua resposta interna deverá ser sempre a sua ação externa!

Muitos buscam paz na vida e no caminho para a paz existe um desafio chamado medo, mas em nossos corações e também em nossa mão existe a maior ferramenta para transcender todos os medos: o Amor, que é a verdadeira essência divina!

Com amor,

Parte 1

Texto revisado por: Cris

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 106

Compartilhe Facebook   E-mail   Whatsapp

foto-autor
Sobre o Autor: Rex Thomas   
Rex Thomas é Life Coach, criador da Terapia Nexus (alinhamento emocional em 21dias) e fundador da ONG Amigos do Espírito Humano. Contato: Telefone: (11) 3675 - 6880
Visite o Site e participe da Vivência Espiritual
E-mail: rexthomas@nexusinstitute.com.br
Visite o Site do autor e leia mais artigos.