O mito do amor romântico

O mito do amor romântico
Autor Mirtes Carneiro - [email protected]
Facebook   E-mail   Whatsapp



E por falar em amor, vamos conversar um pouco sobre o mito do amor romântico.
Homens e mulheres buscam, no correr de suas vidas, atingir a plenitude, completude, unidade, êxtase e sentido para suas vidas.
Jung enunciou que em nosso inconsciente existem todas as características humanas, que estão contidas em opostos complementares. O claro e o escuro, o bem e o mal, alegria e tristeza, o alto e o baixo etc.
Nossa consciência separa os opostos e escolhe vivenciar apenas um deles, estabelecendo uma espécie de rivalidade entre os opostos. A busca da completude é um chamado à integração do oposto rejeitado pela consciência.
Para nos tornarmos completos devemos desenvolver ambos os lados da psique. O Self de Jung é a soma desses lados, é a unidade equilibrada.
Uma das maneiras que os homens encontram para ir em busca desta plenitude ou unidade é o amor romântico, aquele encontro com a sua outra parte, seu complemento. O que buscamos na paixão é a parte que nos falta, para alcançar o êxtase e a transcendência.
Através do enamoramento buscamos nos completar através do outro, dando assim um sentido para nossas vidas. O amor romântico é a combinação de dois mundos, onde o masculino e o feminino se complementam.
Quando estamos apaixonados, nos sentimos em êxtase, nos sentimos preenchidos, plenos.
A paixão buscada no amor romântico é a trilha que poderá nos conduzir, é a escolha que pode se tornar nossa principal meta na vida.
Jean- Yves Leloup afirma que precisamos do outro, do sexo oposto para nos tornarmos inteiros. "Nossa identidade só poderá ser encontrada em um relacionamento". Apesar de o homem ser ao mesmo tempo macho e fêmea (anima e animus), ele não consegue se sentir completo sem o outro. Procurar pela metade que falta é procurar-se a si mesmo, sua inteireza, é completar-se através do outro, para se fazer o Self.
Leonardo Boff cita a experiência mais fundamental do ser humano, a do enamoramento. O sair de si e ir em direção ao outro, que produz uma experiência de êxtase. O amor como experiência de transcendência, o encontro entre duas pessoas que se amam. Existe uma fusão gratificante, onde é possível experimentar a unicidade e a completude.
Na busca da realização de sua mais elevada finalidade o homem busca no amor romântico a realização de seu ser integral.
Aquilo que desejamos, aquilo que necessitamos vivenciar, o outro lado da moeda, buscamos no outro. Assim, o outro se torna um espelho onde se reflete a minha própria imagem abandonada.
Tristão e Isolda representam o encontro do masculino e do feminino. Tristão é o herói que luta, desbrava, símbolo da ação e da agressividade; Isolda traduz o símbolo da beleza, do amor, da afeição, do relacionamento.
O idealismo romântico vivido em nossa fantasia pode fazer com que tenhamos algumas frustrações, pois enquanto fantasia, pertence ao mundo do imaginário, e ao tentarmos fazer se tornar real, em uma pessoa de carne e osso, muitas vezes descobrimos que não era aquilo que buscávamos- e acreditamos que seja possível encontrar- então procuramos outra pessoa que esperamos possa fazer o papel de que carecemos.
É bom termos ciência de que é muito bonito em filmes, mas na vida real é necessário que entendamos que este outro que buscamos para nos completar é também humano e possui também suas escolhas, suas limitações e desejos. Assim, uma pitada de senso de realidade pode ser muito útil em uma relação homem-mulher.
Robert Johnson, em seu livro We relata que o homem moderno acostuma-se a manifestar seu self não vivido através de outras pessoas e isto é relacionar-se com a própria projeção do seu arquétipo. Conscientizando-se de que existe uma parte de si mesmo que não pode ser vivida através de outrem, pela qual ele deve assumir responsabilidade é que ele desperta para a grandiosidade de seu self individual. A eterna busca do ideal feminino perfeito não será encontrado em uma mulher de carne e osso. Esta idealização só pode viver dentro das profundezas de sua psique.











Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 9



Compartilhe Facebook   E-mail   Whatsapp
foto-autor
Conteúdo desenvolvido por: Mirtes Carneiro   
Mirtes Carneiro CRP06/111130 Psicóloga e Psicanalista Rua Caetés, 646 - Perdizes - SP Tel: (11) 3865-0531 www.mirtescarneiro.com.br
E-mail: [email protected] | Mais artigos.

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Autoconhecimento clicando aqui.