A chave-mestra para a origem dos conflitos  
   

A chave-mestra para a origem dos conflitos

Autor Marco Moura - marcomoura@dao.com.br

Compartilhe
   

Cada fechadura tem a sua chave própria. Ao invés de procurarmos chaves para cada conflito, muito melhor é encontrar a chave-mestra que destrava a origem do conflito. Tratemos da natureza do conflito: não há nada de concreto nele. É uma ideia que paira por sobre uma sensação subjetiva de incômodo relacionado à situação atual ou a um pensamento. Ou seja, acontece alguma coisa ou imaginamos algo, surge uma sensação e nós reagimos a isso com rejeição. A partir daí, a mente assume o posto e gera o conflito.

A situação que aflige é, sem as lentes mentais, um fato puro. Diante da conscientização do fato, a mente entra em cena para que você invista em seu processo criativo, que depende de verbas. O recurso que ela precisa é a sua atenção, se possível, mobilizando o máximo de energia emocional. A atenção ao pensamento abre passagem para a energia mental - é o elo necessário para capturá-la. O pensamento é usado como um chamariz, tipo “hey!”. O mecanismo automático é sermos educados e coniventes com os nossos pensamentos, dizendo: “Pois não? O que você quer me mostrar?” Pronto, já está pego! Agora a mente vai abrir diante dos seus olhos a sua tela de formas distorcidas, conceitos, julgamentos e toda a sorte de confusão. Essa tela vai sobrepor a percepção do momento, pois confiamos naquilo que está diante de nós. O incômodo que você sentia agora tem um nome, uma forma e várias ideias associadas. Ele também tem um culpado e a mente vai apontar para ele sem dó, oferecendo um arsenal de termos pejorativos e chulos para se referir a ele. Você se sente bem ao utilizá-los, pois dá a sensação de ser superior a ele. Como o incômodo está associado a várias ideias negativas que você acredita que tenha que combater, a mente é muito perspicaz em te oferecer suporte, seja te preparando para o combate ou te desviando do confronto, de acordo com o que ela achar que é mais viável e interessante.

Internamente, surge esse conflito, que se exterioriza no corpo. O conflito é todo esse drama criado em cima de uma sensação de incômodo que é retroalimentada. Lembre-se: há uma tela aberta na qual você está se baseando. É ela que dá essa aparência de conflito ao fato que pode ser qualquer evento cotidiano. Você só deixa de estar preso a essa tela quando tem atenção plena ao momento. Essa é a chave-mestra! É a brecha que você encontra para presenciar o momento sem uma tela na sua frente.

Sé é tão simples, por que continuamos dando ouvido à mente? Porque é uma crença concretizada. Todos os sentidos, pensamentos e emoções confirmam essa crença. Torna-se um fato maior do que qualquer coisa. Nessa situação, estamos encarcerados por Maya, a mestra das ilusões, obedecendo às suas ordens. Ela jogou a isca artificial e você a mordeu. O que acontece se desobedecer? Parece que não faz sentido desobedecer, Maya é muito convincente. Ela manipula as suas ideias para você crer nela. Ao nos afastarmos dessa realidade, estamos tão identificados que perdemos o controle. Porém, o controle foi aprendido dentro dessa ilusão, ele não existe fora dela. Para sair, é preciso saber abandonar, desapegar e aceitar o fato de que não há controle. Experimente não dar ouvidos. É certo que Maya vai chacoalhar dentro do corpo e da mente, criando um monte de sintomas ruins. Experimente deixar isso de lado também. Maya se utilizará de muitas artimanhas para te fazer se sentir um lixo e achar que vai morrer. Experimente ignorar. Morra um pouquinho, sem dó. Não julgue a morte - para viver verdadeiramente, é preciso deixar-se morrer conscientemente. Ah, no fim continuamos vivos! Agora, atenção plena ao momento.

Marco Moura


Obrigado por votar

Gostou deste Artigo?   Sim   Não   
Avaliação:
A chave-mestra para a origem dos conflitos
5 5

Compartilhe
   

Autor: Marco Moura   
Marco Moura desenvolve no Centro Cultural do Templo Tzong Kwan (Vila Mariana, São Paulo) atividades para o desenvolvimento integral de corpo e mente através de terapias orientais, meditação e artes marciais. Fisioterapeuta, faz atendimentos de Acupuntura; ministra aulas de Tai Chi Chuan, Kung Fu e Meditação.
E-mail: marcomoura@dao.com.br
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Publicado em 28/11/2013
 

Deixe sua opinião sobre este artigo



Acessar seu Clube STUM
Faça
seu login


© Copyright 2000-2018 SOMOS TODOS UM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso STUM.