UMA ERA QUASE ESQUECIDA - PARTE 2

UMA ERA QUASE ESQUECIDA - PARTE 2

Autor Florencio Antonio Lopes - florencio.al@gmail.com

Este livro “O Sopro de Deus”, foi baseado nos meus estudos espirituais, onde recebi o apoio dos meus queridos “Irmãos Espirituais”, no qual tenho um grande amor a esta maravilhosa corrente espiritual que me acompanha e protege a mim, na minha vida material.

Agora, eu entrego ao público esta obra que eu tenho orgulho em poder passar neste estudo uma pequena parte do início do mundo, para que você leitor, tenha mais um conhecimento sobre a criação do nosso planeta Terra.

Tenho certeza que este livro irá trazer uma “grande abertura” e que será muito acrescido em seus conhecimentos. (Florêncio Antonio Lopes, pgs. 43 a 46)

A crosta terrestre, de fato, aparece a quem a observa em secção dividida em tantas camadas superpostas, cada uma correspondente a outra Era mais antiga quanto mais se desce para o centro.

Em cada uma destas camadas encontram-se os restos de animais que viveram na sua época correspondente, restos perfeitamente reconhecíveis, embora fossilizados. Podemos assim acompanhar passo a passo, as etapas de evolução destes seres dos mais simples aos mais complexos e constatar a perfeita longuíssima “sequência” de várias espécies.

Quanto a esta evolução, que tenha sido ponderada e progressiva, sem interrupções, sem saltos bruscos ou inexplicáveis, “a natureza não dá saltos”, dizem os estudiosos, nunca um provérbio esteve tão perto da verdade.

Procuramos agora com o auxílio de nossos fósseis encontrados e com aquele ainda mais válido, a da fantasia, transportar-nos a uma Era longínqua, há centenas de milhões de anos, naquela Era da Terra que os geólogos chamam “Permiana”, na localidade de Perm, na Rússia, onde foram encontrados os esqueletos.

A paisagem é vasta e repleta de vegetações semelhante a ervas gigantescas, lá encontram-se: fetos, araucárias, vegetais que se multiplicam num terreno mole e pantanoso, coalhado de lagos e cursos d’água. Como aquela enorme sombra que parece emergir de um pesadelo e que se arrasta ao longo das margens do pântano: é um Mastodonsaurus um gigantesco anfíbio semelhante ao crocodilo, de boca larga, munido de várias fileiras de dentes, pele de couraça e de dezenas de metros de comprimento.

E acolá, numa ilhota que surge no meio do nevoeiro, eis duas extraordinárias lagartixas de pescoço e cauda compridíssimas tais como serpentes, que brincam saltando rapidamente para fora e para dentro da água que são as Tanistrofeus, répteis que durante muito tempo adaptavam-se somente a vida do mar.

Sigamos para a frente mais alguns milhões de anos (uma ninharia para uma história como esta) e exploramos uma vasta zona da América Setentrional, podemos escolher o período Triássico (este período tem o seu nome, de uma cadeia de montanhas da Europa Central), em ambas as épocas, realmente, estas criaturas povoavam e dominavam a Terra.

Subitamente dois “lagartões” que caminham sobre as patas posteriores como cangurus pouco maiores que um cãozinho, são os “dinossauros”, aqueles seres fabulosos a quem se atribuem, dimensões enormes e que ao invés, contam em sua família com representantes bem pequenos, descendem em certo modo dos anfíbios a que nos referimos a pouco, pois todos de fato pertencem à classe dos “sáurios”, estes pequeninos chamam-se Compsognathus Longipes, são carnívoros e correm como avestruzes.

Os grandes dinossauros, aqueles que geralmente criaram as infinitas lendas em que falam de dragões e de monstros, são via de regra herbívoros.

Veja o Triceratops, de forma bizarra, chifrudo e encouraçado; olhe o “Brontossauro”, o colosso da natureza que chega a ter vinte metros de comprimento; o Stegosaurus de cabeça minúscula e enorme couraça eriçada de espinhos.

No céu esvoaçavam estranhos bichos, que não são pássaros, são os “Sáurios Volantes”, de asas em membranas e longa boca, munida de dentes, graças a Deus, extinguiram-se há milhões de anos.

Todos estes animais são parentes distantes de alguns seres ainda viventes: o “tatu”, este estranho e pequeno mamífero couraçado, que vive na América, deriva do gigantesco “Gliptodontes”, de mais de quatro metros de comprimento e dotado de uma cauda semelhante a um malho.

Assim, o “Varano Gigante”, uma lagartixa enorme que vive na Ilha de Konodo, no Pacífico, pode considerar-se o descendente direto dos enormes dinossauros pré-históricos (aos quais, de resto, se assemelham perfeitamente).

Alguns dos animais hodiernos, entretanto, derivam de algumas espécies de ancestrais recobertos de espessos casacos de peles e de apenas trinta centímetros de altura.

Outro salto no tempo afora, estamos em uma época bem mais próxima da nossa, isto é, quando o homem já aparecera, ou estava próximo de aparecer, um imenso animal sai da floresta, mais alto e mais imponente mesmo do que os “Brontossauros”, é o Baluchitherium o colossal ser peludo, o gigantesco progenitor dos nossos rinocerontes, da altura de uma casa de dois andares, tal como os seus descendentes, também é herbívoro.

Deveríamos falar ainda, de infinitos outros exemplares, estranhos e medonhos de outras eras, dos “Ursos das Cavernas”, do Mammuthus, o colossal elefante peludo; do “Protocerátopo” (um dinossauro encouraçado do qual foram encontrados ovos fósseis) e dos “Mastodontes” (Masto = mamas e odontos = dentes) pré-glaciais, mas, não terminaríamos, ao invés, um rápido relance de olhos pelo mundo ignoto de nossos progenitores, se tornaria um retrato da paleontologia.

Todavia, devemos recordar-nos de uma coisa, que a evolução tal qual a traçamos nestas linhas, parece um fenômeno simples e claríssimo, o que na realidade não o é.

Para explicar os muitos pontos obscuros existentes, devemos admitir que alguém tenha dado o maravilhoso desenvolvimento, alguém a quem os homens deram o nome de Deus. [continua]

Nosso endereço: Amor Entre os Povos, Rua São José, 247 – centro – Ribeirão Preto - SP, fone: 16 3625-0574.

Abraços

Florêncio Antonio Lopes
Mestre Espiritualista
Site: www.aep.org.br
florencio.al@gmail.com


Obrigado por votar

Gostou deste Artigo?   Sim   Não   
Avaliação: 5 | Votos: 1

Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp

Autor: Florencio Antonio Lopes   
FLORÊNCIO ANTONIO LOPES Terapeuta Espiritualista graduado "Senhor-Mestre" Ribeirão Preto - SP
E-mail: florencio.al@gmail.com
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Atualizado em 30/11/2019



© Copyright 2000-2019 ClubeSTUM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso.