Realizar-se é conhecer o Real

Realizar-se é conhecer o Real
Autor Paulo Tavarez - paulo.tavarez@cellena.com.br
Facebook   E-mail   Whatsapp


"Sabemos o que somos, mas não sabemos o que poderemos ser".                                                                                                                                 William Shakespeare

É realmente muito estranho o que sinto quando leio essa frase, pois entendo que é justamento o contrário, aquilo que ocorre conosco é o oposto do que preconiza Shakespeare. 

Acho que é mais fácil sabermos o que poderemos ser, do que sabermos o que somos, pois se soubéssemos o que, de fato, somos, não haveria necessidade de querer ser coisa alguma, pois a nossa Natureza é Divina e transcende quaisquer limites impostos pela mente humana. Não há nada que possa superar aquilo que é Eterno, Consciente e Feliz (Satchitananda). Esses são os nossos verdadeiros atributos, aquele que sofre não representa o nosso ser, mas personagens envolvidos em enredos mentais. 

Na verdade, somos profundos desconhecedores de nós mesmos, não temos a menor ideia do que somos, pois estamos em um envolvimento muito intenso com aquilo que criamos, estamos absolutamente identificados com esse falso eu e, com isso, perdemos totalmente a noção da realidade. 

Para a vida da grande maioria, viver resume-se em lutar por desejos, por isso, vivemos todos como aquele cavalo que se movimenta olhando para uma cenoura que está a sua frente: sempre no futuro, tentando alcançar o inalcançável, tentando realizar o irrealizável. 

Isso é compreensível, pois nesse estágio em que nos encontramos, a vida ainda se desenvolve sob a regência de um falso centro, um centro ilusório, conhecido como ego. O ego é um compêndio de desejos e necessidades, precisa do nosso apego, dos nossos sonhos, de toda a nossa atenção. Ele consome toda a nossa energia, no entanto, força intuitivas da alma, inspirações e pressentimentos sempre nos assaltam, avisando que existe algo maior. Nós estamos adormecidos e quando pensamos em libertação, as vozes em nossa cabeça nos afundam novamente nessa Matrix. São as forças das trevas e quando falo em trevas estou sendo científico, entendendo que trevas á apenas o sinônimo de ignorância.

Essa forças positivas, que trabalham a favor do nosso despertar, são os deuses que precisamos aprender a ouvir. São todos os mensageiros do Olimpo tentando nos mostrar a saída.  Claro que isso é um processo e todos nós - cada um a  seu tempo - iremos aflorar a nossa Natureza Divina, pois é como se estivéssemos diante de uma saga, voltada para o nosso crescimento interior, como Hérculos, Teseu, Perseu e tantos outros personagens mitológicos que representam o ser humano em busca de sua ascensão.

O processo de realização é muito simples: conhecer o real, nada mais do que isso. Infelizmente enxergamos o mundo através de uma lente distorcida por conceitos, certezas, tradições etc.. Pouco sabemos da realidade, pois o real não pode ser explicado com palavras, precisa ser vivido, como um estado de graça, como uma experiência mística, o realizar-se é conhecer o Real. 

Texto Revisado
 


Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1

Compartilhe Facebook   E-mail   Whatsapp

foto-autor
Sobre o Autor: Paulo Tavarez   
Conheça meu artigos: Terapeuta Holístico, Palestrante, Psicapômetra, Instrutor de Yoga, Pesquisador, escritor, nada disso me define. Eu sou o que Eu sou! Conheça mais sobre mim em: www.paulotavarez.com - Instagram: @paulo.tavarez
E-mail: paulo.tavarez@cellena.com.br
Visite o Site do autor e leia mais artigos.