Cartas de Cristo: o que Jesus diz sobre o que é relatado na Bíblia?

Cartas de Cristo: o que Jesus diz sobre o que é relatado na Bíblia?
Autor Wilson Francisco - wilson153@gmail.com
Facebook   E-mail   Whatsapp


Os Evangelhos, escritos entre 50 e 100 da era Cristã, e que são a principal sustentação do legado da nossa Fé, são obra de quatro de seus seguidores.

Vejamos algumas circunstâncias de suas obras: Mateus,  coletor de impostos, era um dos doze apóstolos; Marcos, ouviu o que narrou do apóstolo Pedro; Lucas, médico, se valeu de testemunhas oculares; e João, pescador, o mais jovem dos apóstolos.

Dois foram testemunhas oculares dos principais eventos da vida de Cristo.

Na Carta 1 das Cartas de Cristo, já mencionada, diz Jesus:
“Você, que foi doutrinado com ensinamentos religiosos, deve tentar compreender que meus discípulos evangelistas, ao relatarem a minha vida, descreveram somente aquilo de que se lembravam pessoalmente e apoiavam plenamente seus relatos de minhas atividades sobrenaturais. Eles incluíram também muitas coisas que outros disseram sobre mim durante os cerca de trinta anos que se seguiram à minha morte.

Depois de tamanho lapso de tempo e do inevitável embelezamento da verdade, como é possível que tenham escrito uma biografia fidedigna a meu respeito e de tudo que realmente aconteceu... ou explicar corretamente minhas percepções espirituais verdadeiras as quais deram origem às minhas palavras e meus “milagres”?

Além das dificuldades de registros escritos, das qualificações e limites intelectuais dos escritores, do peso da cultura judaica, dos ensinamentos do Velho Testamento, da própria percepção limitada diante da boa nova, do choque com as tradições religiosas, e até o marketing com o embelezamento da verdade na sua divulgação inicial, os textos dos Evangelhos chegaram até nossos dias por diversas traduções e interpretações que, de tempos em tempos, podem ter-lhe alterado o sentido.

Acrescentem-se a isto os nossos próprios limites, graus de conhecimento, de cultura e de propensão a uma versão pessoal.

Frequentemente há, na conversação diária, conflitos e entre o que nos é dito e aquilo que entendemos. E vice-versa.

Há a considerar ainda o estilo e a linguagem adotados por Cristo em sua pregação, procurando, por meio de parábolas, imagens, e figuras, que seus ensinamentos despertassem interesse e fossem mais facilmente gravados e assimilados pelos que o ouviam.

Com relação ao estilo, respondia muitas vezes por meio de perguntas que levassem seus interlocutores a refletir sobre seu próprio questionamento e encontrassem, com os dados que tinham, a resposta que procuravam.

O estilo da pregação provoca, assim, uma proposta de reflexão sobre as próprias dúvidas, de forma que possamos, com os dados e limites que temos, nos motivar aos estudos de seu legado, de forma que a Fé seja alimentada por nossas conclusões e convicções pessoais.

Não é outra, portanto, a razão pela qual o Evangelho segundo o Espiritismo propõe que o entendimento sobre os postulados que sustentam a nossa Fé “possam encarar a razão, face a face, em todas as épocas da humanidade".

De Tarso
Interpretação das palavras do Cristo



Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 2



Compartilhe Facebook   E-mail   Whatsapp
foto-autor
Conteúdo desenvolvido por: Wilson Francisco   
Terapeuta Holístico. Desenvolve processo que faz a Leitura da Alma; Toque Quântico para dar qualidade à circulação e aos campos vibracionais; Purificação do Tronco Familiar e Cura de Antepassados para Resgatar, Atualizar e Realizar o Ser Divino que há em você. Agendar pelo WhatsApp 011 - 959224182 ou pelo email wilson153@gmail.com
E-mail: wilson153@gmail.com | Mais artigos.

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Autoconhecimento clicando aqui.