Reflexões e lições da quarentena I

Reflexões e lições da quarentena I Autor Willes S. Geaquinto - [email protected]
Facebook   E-mail   Whatsapp   chat aura


Quarentena ou isolamento social? Independente da nomenclatura dada a esse período em que tenho ficado em casa para evitar o contágio do Convid 19, ele tem sido útil para refletir e buscar maior conhecimento de mim mesmo e das vivências que estamos experimentando, principalmente no Brasil. De antemão posso afirmar que essa tarefa não tem sido de toda fácil, já que são muitas as distrações que tenho evitado para não me perder em divagações infrutíferas. Aliás, se você que lê este texto estiver também imbuído de não perder esse tempo de solitude, recomendo manter a serenidade e a paz de espírito, evitando principalmente as notícias falsas (que são tantas, algumas “oficiais”) e os tais achismos de pseudos especialistas e assemelhados; estabeleça filtros para melhor distinguir as boas informações das inúteis ou prejudiciais ao seu equilíbrio.

         Para não submergir em divagações, a título de compartilhamento, vou listar e agrupar alguns temas a que tenho me dedicado a refletir; algumas deles nem são novos na minha lavra, mas os tenho revisitado para melhor fixar as minhas convicções. A ordem que lhes apresento segue a inspiração que me acolheu a cada momento:

– Para efeito didático ou pedagógico, vale esclarecer que: o termo espiritualista é mais abrangente já que é composto por todos aqueles indivíduos que acreditam na existência do espírito e em suas mais diversas manifestações. O espírita, também denominado espírita-cristão, por sua vez é aquele que se atém de maneira singular à doutrina espírita (e suas práticas) decodificada por Allan Kardec e associada ao Evangelho do Cristo (novo testamento). Princípios básicos do espiritismo: 1) a existência de Deus; 2) a imortalidade da alma; 3) a evolução do espírito através das reencarnações; e 4) a comunicação dos espíritos desencarnados com os encarnados...

– Historicamente temos deuses e Deus. A princípio Deus era inominado, depois variadas religiões e doutrinas espiritualistas acabaram por instituir, digamos assim, a figura de Deus. Deus também recebeu o nome de Pai, Ser Supremo e outras variações como o Alá dos muçulmanos. Alguns acreditam que a palavra Deus inclui um conceito, que aí pode variar de religião ou doutrina. Eu prefiro a explicação-síntese que dá a doutrina espírita: "Deus é a inteligência Suprema do Universo e causa primária de todas as coisas". Aliás, a própria ciência que, para muitos diverge da existência de Deus, corrobora com esta explicação quando afirma em um de seus pilares básico que “não há efeito sem causa”, ou, ainda, como entendia o célebre e respeitado pensador francês Voltaire, quando afirmava que “Deus é o princípio explicativo do universo”. Ocorre que independentemente do nome que se dê a Esse Ser que denominamos Deus, acreditar também é uma questão de conhecimento e fé. Confio também que a depender da dimensão evolutiva de cada ser o significado e a representação de Deus varia, ou seja, cada indivíduo pode ter uma visão particular de Deus. Porém, é certo que Deus em sua suprema essência está sempre vinculado à polaridade positiva da vida. Enquanto o homem transita pela dualidade do bem e do mal buscando a sua evolução, por exemplo, Deus na sua completude e onisciência está sempre na Unidade, na ordem cósmica perfeita que se delineia em toda a criação.   

– Embora na sua ignorância o homem sempre tenha tentado criar uma representação de Deus, isso já se demonstrou inútil, porque sempre que o fez ele incorreu em transferências absurdamente humanas, como o Deus que castiga e pune. O filósofo Xenófanes de Colofon disse em certa época na Grécia antiga que se fosse dado aos animais erigirem os seus deuses, por certo eles teriam as características deles próprios...

– Enfim, não há como negar que aquele que verdadeiramente crê em Deus e que se autodenomina cristão, independentemente da sua denominação religiosa, somente espelhará isso como verdade na medida em que consiga ter como guia em suas ações, condutas e convivência, o compromisso ético-moral provindo da mais elevada espiritualidade.

Continua...

junho/2020

   





Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 3

Compartilhe Facebook   E-mail   Whatsapp   chat aura

Autor: Willes S. Geaquinto   
Willes S. Geaquinto - Psicoterapeuta, Consultor Motivacional. Com método próprio trabalha com a Terapia do Renascimento promovendo o resgate da autoestima, o equilíbrio emocional e solução de transtornos e fobias. Palestras e Cursos Motivacionais(relação de palestras no site). Contato: (35) 99917-6943 site: www.viverconsciente.com.br
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.

Atualizado em 06/06/2020



© Copyright 2020 ClubeSTUM - O conteúdo desta página é de exclusiva responsabilidade do Participante do Clube. O site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços oferecidos pelos associados do Clube, conforme termo de uso.