Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade

O que gera espaço interior?

O que gera espaço interior?
Publicado dia 02/08/2018 10:49:18 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Lama Gangchen Rinpoche nos ensina que se substituirmos a palavra paciência por espaço, conseguiremos lidar melhor com as situações adversas. Em vez de dizer “Preciso ter paciência”, diga, “preciso de espaço”.

Uma mente com espaço é paciente, estável, disponível, aberta. Já uma mente sem espaço é instável e irritada. Vê em tudo um obstáculo.

Rinpoche comenta que a diferença entre os yogues e os meditadores comuns é que quando os yogues dizem a palavra “espaço”, imediatamente vivenciam o espaço-paz interno, como se tivessem apertado um botão de seu computador mental. As pessoas comuns, por sua vez, apenas tentam imaginar que isto acontece.

Qual é a primeira imagem que surge em sua mente quando você escuta a palavra espaço? Geralmente, pensamos no universo ou no espaço externo relativo ao que está à nossa volta. No entanto, o budismo nos inspira a entrar em contato com o nosso espaço interno. Lama Gangchen Rinpoche nos ensina em seu livro Ngel-So Autocura Tântrica III (Ed.Gaia): “Todos nós possuímos um espaço interno correspondente em nossos corpos grosseiro e sutil e em nossas mentes sutis e muito sutis. Na realidade, o espaço em nossa mente, em nosso mundo pessoal ou samsara pessoal, é maior que todo o espaço deste planeta. E, assim como o espaço do universo externo, ele parece ilimitado e vazio.
“Entretanto, nosso espaço interno pessoal tem mais qualidades que o espaço externo. O espaço externo tem a capacidade de sustentar os fenômenos, enquanto o espaço interno é a nossa ilimitada capacidade para desenvolver a mente e o potencial humano. O espaço interior é grande como o universo. Porém, a energia de nosso Mandala-Vajra do Espaço, nossa mente natural que é a essência da energia fenomênica, está bloqueada e poluída e, por isso, somos incapazes de reconhecer sua existência, relaxar (NgelSo) nela ou usá-la de forma positiva. O fato de esse espaço interior existir é maravilhoso e, se aceitarmos sua existência e relaxarmos a mente nele (NgelSo), os quatro elementos – o vento, o fogo, a terra e a água – começarão a dançar alegremente no Mandala-Vajra do Espaço puro. Todas as energias externas e internas fluirão espontaneamente, e nós perceberemos a contínua dança dos fenômenos tal como eles se manifestam e se absorvem a cada momento no espaço absoluto de Bem-aventurança e vacuidade”.

O que nos ajuda a aceitar o espaço interior? Abertura, receptividade, humildade e simplicidade.

Creio que ter abertura para si mesmo seja o primeiro passo para ampliarmos o espaço interior. Abertura significa reconhecermos a nós mesmos como base de autossustentação. Quando reconhecemos que temos algo em nós que nos acolhe, já não necessitamos tanto das atividades externas para aliviar nossa tensão interior. Não nos sentimos abandonados, simplesmente porque não nos abandonamos. Isso não invalida a importância de encontrarmos pessoas e lugares que gerem o estado de segurança necessário para nos autorregularmos. Por exemplo, quando estamos diante de situações hostis, adversas ou sob excesso de estímulos -como num local onde há muita gente, barulho e som alto - , temos mais dificuldade de mantermos nosso espaço interior. Saber se consultar para reconhecer quando é necessário sair de uma situação estressante também é um modo de nos autossustentarmos.

Se cultivarmos um estado de humildade para conosco mesmos, iremos reconhecer quando estivermos perdendo nosso espaço interior. Assim, poderemos fazer algo para recuperá-lo mesmo antes de perdê-lo totalmente. Mas se deixarmos nos sobrecarregar, como um copo cheio de água que transborda, teremos mais dificuldade de nos autorregularmos. Abertura para reconhecer nossos limites é um modo de nos autorrespeitarmos.

Outro passo importante para gerar espaço interior é o de deixar o contínuo estado de ação e tornar-se respectivo. Parar de super atuar! Diante de situações emperradas, a astróloga Marcia Mattos nos aconselha a ficar em silêncio, para que o vazio da intenção gere um novo acontecimento. Colocar-se em silêncio é decidir por uma escuta interna espontânea, um estado de não julgamento. Quando já pensamos, falamos e atuamos muito sobre um assunto, o melhor é fazer algo que nos ajude a espairecer, isto é, fazer algo que nos ajude a descansar mentalmente, como passear, lavar louça, cozinhar, pintar ou tricotar. A simplicidade nos ajuda a nos auto-organizarmos.

Escrever o que sentimos também gera espaço interior. Quando conseguimos pôr em palavras o que estamos sentindo, conseguimos ter a sensação de autocontrole. Quando detalhes sensoriais e sentimentos são expressos em palavras, presume-se que as lembranças ficam mais sob controle do neocórtex, uma região do cérebro onde as reações geram compreensão e lucidez. Pois o córtex pode aprimorar e frear o impulso desenfreado da amígdala, responsável pela emocionalidade excessiva.

Por fim, gostaria de citar a terapia das caixas que Lama Gangchen Rinpoche nos ensinou para ganharmos espaço interno: "Vocês devem usar diferentes caixas, uma para cada problema. Coloquem seus problemas nas caixas e, um dia, vocês podem fazer como com o balão: desfazer-se dessas caixas. Mas, se vocês quiserem manter seus problemas com vocês, deixem-nos dentro das caixas! Deixem os problemas em um espaço fora de vocês. Cada um tem de fazer sua experiência para entender o que estou falando. Se vocês ficarem com saudade de um problema, podem abrir a caixa e olhar para ele. Vocês logo vão sentir que não querem mais o problema, que não precisam mais dele. Temos de aprender a nos separar da negatividade, a ver os problemas com uma visão mais distante, mais ampla. Temos de nos distanciar deles, dentro e fora de nós, para saber o quanto eles são pesados e negativos. Na realidade, os problemas não fazem parte da natureza de nossa mente. A energia da mente deve ser sempre um espaço limpo e leve. Assim poderemos reconhecer o espaço de nossa mente como algo muito precioso. Algo tão precioso que queremos preservar acima de tudo. Então temos de considerar e respeitar a energia preciosa da mente”.


Participe do Lançamento do meu novo Livro em SP

por Bel Cesar

Consulte grátis
Mapa Astral   Tarot   horoscopo


Obrigado por votar

O artigo recebeu 69 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp

Sobre o autor
Bel Cesar é psicóloga, pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano desde 1990. Dedica-se ao tratamento do estresse traumático com os métodos de S.E.® - Somatic Experiencing (Experiência Somática) e de EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares). Desde 1991, dedica-se ao acompanhamento daqueles que enfrentam a morte. É também autora dos livros `Viagem Interior ao Tibete´ e `Morrer não se improvisa´, `O livro das Emoções´, `Mania de Sofrer´, `O sutil desequilíbrio do estresse´ em parceria com o psiquiatra Dr. Sergio Klepacz e `O Grande Amor - um objetivo de vida´ em parceria com Lama Michel Rinpoche. Todos editados pela Editora Gaia.
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor







Energia do Dia
Justiça. O dia pede bom julgamento e honestidade. Dê o máximo de si em qualquer situação, tome a direção dos negócios e proceda de maneira segura e eficiente.
Faça sua numerologia

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa