Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

Sem criatividade não há prazer

por Bel Cesar
Sem criatividade não há prazer
Publicado dia 05/08/2020 00:01:46 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Ao perguntarem a Bessel van der Kolk, renomado clínico e pesquisador do campo da Psicologia do Trauma, que cuidado deveria ter um cuidador para consigo mesmo, ele respondeu: "O mesmo que temos com as crianças: cuidar de sua alimentação, de seu sono e permitir que elas brinquem à vontade". Mas, o que é mesmo brincar e se divertir?

Uma brincadeira é divertida quando estamos totalmente entregues a ela: não há receios em se expressar, pois a imaginação está livre de críticas porque não necessita da realidade para que possa existir. Há prazer na autoexpressão quando não estamos sendo julgados, seja por nós mesmos quando estamos a sós, seja na presença de outros.

Quando nos divertimos, não nos desligamos de nossa realidade interna pois ela é a base de quem somos, mas a realidade externa torna-se flexível para adaptar-se à nossa imaginação. Podemos dialogar com ela sem nos preocuparmos com um resultado pré fixado. É como pintar, dançar, cantarolar, batucar ou assobiar espontaneamente: a criatividade surge sem esforço. Faço isso quando tricoto ou faço crochê. Não sei ainda no que vai dar, mas é divertido. Vou indo atrás das formas e dos pontos que surgem conforme a peça cresce. Depois vira um colete, um gorro ou uma bolsa. É um jeito para descansar a mente no momento presente com prazer. Enquanto nos deixamos ser levados pela sensação de prazer, há algo que permite que ele continue. Mas no momento em que passamos a avaliar o que estamos sentindo, ela some.

Sem prazer não há criatividade, assim como sem criatividade não há prazer. Apesar de estarmos há décadas contaminados por uma cultura que busca o prazer como meta de vida, ainda temos dificuldade de senti-lo. Há um feitiço contra o feiticeiro: precisamos produzir bens para então poder consumi-los com prazer. Se quero comprar algo que me dê prazer preciso primeiro efetivamente trabalhar, isto é, produzir.

Quando nosso trabalho permite certa criatividade, temos prazer em fazê-lo. Mas se estivermos preocupados em acertar o resultado final, teremos pouco ou nenhum prazer. Por isso é que cumprir metas é tão desgastante. Estamos condicionados a adiar o prazer em nome de um prazer maior no futuro. É bom saber tolerar frustrações. Mas, se vivermos apenas para suportar a vida, algo não vai bem. Se vivermos apenas para cumprir metas externas, quando o salário entrar na conta já estaremos envolvidos com a próxima meta a cumprir. Desta forma, estaremos sempre atrás de algo que nos promete, no futuro, dar-nos mais prazer.

Cabe ressaltar uma questão importante: não podemos confundir prazer com felicidade. O prazer é uma experiência sensorial de bem-estar; já a felicidade é o estado mental com que lidamos com esta sensação prazerosa. Por isso, o prazer não garante a felicidade, pois esta depende do significado e da função que atribuirmos a ele. Se atribuirmos ao prazer a meta de nossa felicidade não iremos nos dar bem, pois o prazer em si mesmo é passageiro e por isso não é capaz de sustentar nossa felicidade. Lama Michel Rinpoche esclarece: "A felicidade é um estado de verdadeiro bem-estar no qual a pessoa não deseja que nada seja diferente daquilo que ela está vivendo. É um sincero 'tudo bem', que sentimos quando paramos de lutar contra o mundo. Quando estou feliz tenho satisfação, sinto-me bem comigo mesmo e com o mundo à minha volta. A felicidade é um estado no qual você não está em conflito com absolutamente nada. Nesse sentido, é um verdadeiro bem-estar". Enquanto a natureza do prazer é a insatisfação, a natureza da felicidade é a satisfação.

Não há nada de errado em ter prazer se soubermos lidar com ele. É simples: basta senti-lo. Ponto. Como diz Lama Michel Rinpoche em nosso livro "O Grande Amor": "O bem-estar constante surge da capacidade de reconhecermos nossa satisfação interna. Em tibetano, a palavra para satisfação é tsog-schen. A ideia é não querer mais do que temos, pois já temos o suficiente. Podemos até obter mais; no entanto, não é preciso, já estamos satisfeitos".

Podemos unir o esforço à criatividade. Por exemplo, podemos seguir metas objetivas e nos relacionarmos de forma criativa com quem trabalhamos. Estar satisfeito com nossas metas e conquistas e ter prazer em criar por sermos quem somos: essa parece ser uma boa equação para lidarmos com o peso da vida.



estamos online

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

starstarstarstarstar
O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  



Sobre o autor
bel
Bel Cesar é psicóloga, pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano desde 1990. Dedica-se ao tratamento do estresse traumático com os métodos de S.E.® - Somatic Experiencing (Experiência Somática) e de EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares). Desde 1991, dedica-se ao acompanhamento daqueles que enfrentam a morte. É também autora dos livros `Viagem Interior ao Tibete´ e `Morrer não se improvisa´, `O livro das Emoções´, `Mania de Sofrer´, `O sutil desequilíbrio do estresse´ em parceria com o psiquiatra Dr. Sergio Klepacz e `O Grande Amor - um objetivo de vida´ em parceria com Lama Michel Rinpoche. Todos editados pela Editora Gaia.
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Transcomunicação Instrumental
artigo A liberdade de ser
artigo Você sabe quais os benefícios de um atendimento de radiônica?
artigo Do Oran Mor aos corações apaixonados pela Luz





horoscopo


As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa