Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

Seja objetivo na linguagem do amor e não enlouqueça o seu parceiro!

por Rosana Braga
Seja objetivo na linguagem do amor e não enlouqueça o seu parceiro!
Publicado dia 09/07/2004 11:29:19 em Almas Gêmeas

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Não há nada mais enlouquecedor do que se relacionar com alguém que não expõe o que quer. Alguém que estabelece uma comunicação por códigos, que pressiona você a criar uma legenda se quiser entendê-lo e desenvolver um diálogo na relação.
Você acha que não existem pessoas assim? Somente se forem realmente loucas? Não conte com isso! Até você e eu, provavelmente, já demos respostas que não queríamos dar, já dissemos “sim” quando queríamos dizer “não” e assim por diante.

No entanto, o problema é que algumas pessoas transformam essa “incoerência” numa dinâmica habitual, num jeito constante de funcionar, especialmente nas relações amorosas. Pensam - não sei baseadas em quê - que o outro tem obrigação de saber o que elas querem, de ler os pensamentos delas e agir para lhes agradarem.
Não sabe do que estou falando? Nunca conheceu ninguém assim? Vou contar uma percepção minha, mas não quero, absolutamente, criar algum tipo de clichê ou defender alguma espécie de generalização: vocês sabem que sou totalmente contra clichês e generalizações, machismo ou feminismo. Sou, sobretudo, defensora do divino que há em cada um!

Porém, minha percepção me mostra que são, geralmente (não todas!), as mulheres que se comportam assim. Adotam uma linguagem subjetiva, mascarada e difícil de ser entendida. Equivocadamente, passam a acreditar que seus parceiros têm que saber o que elas estão sentindo, pensando e desejando. E quando eles não conseguem - e muitos até tentam! - elas se sentem magoadas, rejeitadas e até no direito de reforçarem ainda mais este comportamento absurdo, que não esclarece nem acrescenta nada na relação.

Estou citando situações como quando, por algum motivo que o outro realmente não sabe qual é (porque não foi dito), a pessoa está com cara feia, chateada ou brava. Aí o parceiro pergunta: “o que você tem?” e o incomodado responde: “nada!” e se recusa a tocar no assunto até que um dia explode, acusando e criticando o outro indiscriminadamente, falando até daquele dia que ele esqueceu de colocar o leite na geladeira. Vocês acreditam que tem gente que faz isso?!? Tenho certeza que sim, pois já se comportaram desta forma ou já fizeram o mesmo com vocês!!!

Pessoas que respondem “não sei” quando realmente não sabem, são coerentes; mas pessoas que respondem “não sei” só porque acham que o outro deveria saber a sua resposta, são psicóticas, podem apostar! Dizer “sim” quando quer dizer “não” e vice-versa; sair quando tem vontade de ficar; empurrar o outro para longe quando está morrendo de vontade de abraçá-lo; dizer que está “tudo bem” só para o outro continuar insistindo, perguntando, querendo saber o que está acontecendo... é pura psicose!

Sugiro que comecemos a ser mais verdadeiros e objetivos na linguagem do amor. Que consigamos dizer exatamente o que estamos sentindo, utilizando as palavras a partir de seus reais significados. Sim é sim e não é não. Quero é quero e não quero é não quero! Podemos até não querer falar sobre determinado assunto no momento em que o outro pergunta, mas dizer que a gente não tem nada quando sustenta uma carranca ou um bico imperial é querer enlouquecê-lo... e não chegar a lugar algum. Diga a verdade: “estou chateado, mas não quero conversar agora. Quando eu estiver mais calmo, a gente fala sobre isso”! Pronto! Simples assim!!! Sem enigmas, sem códigos, sem exigir que o outro crie uma legenda para nos compreender.

Porque - de fato - parece que algumas pessoas acreditam que amar é criar legendas. Alucinam sobre a idéia de que não precisam demonstrar o que sentem, falarem o que desejam, discordar de algum assunto e exporem suas opiniões, enfim, que não precisam ser elas mesmas na relação porque o outro já deveria saber, deveria perceber.
Esqueça! Ninguém tem que saber nada sobre você até que você fale, se exponha, peça, reclame, esclareça, enfim, converse, exerça sua civilidade e sua capacidade de dialogar, comunicar-se. O amor não sobrevive sem comunicação, sem a intenção de facilitar o entendimento. No entanto, pior do que não facilitar é complicar, é transformar o amor em códigos de guerra, fazendo o outro se sentir em constante teste, pressão...
Esforce-se para traduzir - você mesmo - os seus pensamentos, sentimentos e desejos. E contribua significativamente para o sucesso do seu relacionamento.

Este artigo está no livro “AMOR sem regras para viver”. Clique aqui e adquira o seu exemplar autografado.


estamos online

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

starstarstarstarstar
O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Leia Também

Sea objetivo en el lenguaje del amor y no enloquezca a su pareja!




Sobre o autor
foto
Rosana Braga é Especialista em Relacionamento e Autoestima, Autora de 9 livros sobre o tema. Psicóloga e Coach. Busca através de seus artigos, ajudar pessoas a se sentirem verdadeiramente mais seguras e atraentes, além de mostrar que é possível viver relacionamentos maduros, saudáveis e prazerosos.
Acesse rosanabraga.com.br para mais conteúdos exclusivos!
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Mensagem Para A+Cor+Dar
artigo Desacelerar
artigo Será que a mãe ou o parceiro abusivo sabe o que está fazendo?
artigo A estrela e a canção: Presentes de Brahman





horoscopo


As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa