Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

De Lilith ao Lobisomem

por Graziella Marraccini
De Lilith ao Lobisomem
Publicado dia 05/11/2008 17:42:15 em Astrologia

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Desde a Antiguidade a lua fez surgir uma quantidade incrível de mitos fantásticos e fascinantes. Na astrologia antiga, a lua ocupava evidentemente um lugar de destaque porque era o único astro perto da Terra. Ela apresentava ainda mais um caráter misterioso: aparecia e desaparecia a cada dia em tamanho e forma diferente e isto estimulava a imaginação. Os antigos pensavam que a Lua fosse uma divindade que tinha uma vida independente daquela do Sol e que tinha, portanto, um poder próprio. Por ser associada à noite, domínio dos sonhos, dos terrores e também do amor, lhe eram atribuídos alguns poderes sobre os aspectos ocultos da vida.

Sua sexualidade nos parece instintivamente feminina, mas em alguns países, como na Alemanha, a Lua é masculina: Der Mond. De fato, a humanidade não conseguiu uma unanimidade sobre a sexualidade da Lua. Na Síria, a Lua era masculina, mas a deusa romana da Lua, Diana que correspondia à deusa grega Selene, era feminina.

Os Árabes pré-islâmicos, os hindus, os Maias tinham um Deus masculino para reger o poder da Lua. Os chineses e os indonésios a consideram feminina! Portanto, a Lua teria cromossomos XY ou XX! Seria ela, então, hermafrodita? Na Cabala, a esfera que corresponde à Lua é a esfera de nº 09, Yesod, que é representada por uma figura que pode ser considerada hermafrodita, já que sua representação indica simplesmente a função dos órgãos reprodutores no ser humano. Na civilização romana, para dizer a verdade, muitas eram as deusas que podiam se identificar com a Lua, a começar por Luna (do qual deriva o nome que indica o primeiro dia da semana – lunedi, lundi, lunes, Monday ou seja o ‘dia da Lua’). Diana, a deusa caçadora, também era uma deusa lunar, assim como a grega, Ártemis, e também o era Hécate, a deusa infernal...

Quantas representações, quantos arquétipos são ligados a esse nosso satélite! Um único traço comum a muitas divindades, em sua maioria femininas, noturnas e ao mesmo tempo sombrias e solteiras! A identificação com Hécate é reveladora, pois, segundo o escritor grego Hesíodo, ela reinava sobre o céu, a terra e os mares. Sua natureza oculta a tornava também responsável pelo sucesso das cerimônias mágicas! No entanto, a solteirice da Lua não é universal, pois para os egípcios a Lua e o Sol eram inseparáveis e eram representados pelo casal Ahura Mazda e Horus.

Nas antigas civilizações celtas, cujas cerimônias têm seguidores até hoje no mundo inteiro, o culto à Grande Deusa é um culto lunar. A Grande Deusa reina sobre as colheitas, a fertilidade do ventre da terra, assim com do ventre das mulheres. Por essa razão, em quase todas as civilizações existe uma unanimidade: a Lua é ligada à fertilidade. Em Ur, na Mesopotâmia, e em outras civilizações antigas, considerava-se que se não havia colheitas num determinado ano, o rei (o Sol) havia falhado em fertilizar a mulher (ou seja, a Lua) e, portanto, ele deveria ser sacrificado na Lua Nova para que seu sangue, derramado sobre a Terra a fertilizasse, já que seu sêmen não havia conseguido fazê-lo! É claro que hoje em dia a maioria desses mitos já não são mais tão seguidos, mas nosso subconsciente coletivo guarda essas imagens e as reconhece como verdadeiras. Os mitos antigos deixam até hoje suas marcas como arquétipos e não devem ser desprezados. Os antigos egípcios, tardiamente na época ptolomaica e, sob a influência semítica, inventaram o mito de Lilith. Lilith era uma ‘Lua Negra’ maléfica e teria sido a primeira mulher de Adão. Ele a teria repudiado em favor de Eva, porque Lilith não era fértil. Por essa razão Lilith passou a ser temida pelas mulheres por causar esterilidade e alguns a consideravam responsável pela loucura e até pela epilepsia. Nossas civilizações, especialmente aquelas que seguem calendários lunares (e não solares como o ocidental), regulam as suas cerimônias religiosas pelas fases lunares.

A astrologia ocidental incorporou também essas crenças e atribui à Lua algumas características que não devem ser desprezadas. Já publiquei vários artigos no meu site sobre a influência de nosso satélite e tenho certeza que vocês, leitores, devem ter tido uma experiência pessoal ao longo da vida: o ciclo lunar influencia o plantio e a colheita, o crescimento das plantas, as marés e a pesca, o ciclo menstrual e a fertilidade, o crescimento de unhas e cabelos, assim como aumenta a loucura nos hospícios e a mortandade nos hospitais. A lenda do Lobisomem que uiva nas noites de Lua cheia, não é uma lenda, pois algumas doenças mentais pioram nas noites de Lua Cheia! Homens se transformam em lobos? Não, mas é certo que os surtos pioram nas noites de Lua Cheia.

A astro-medicina, que estuda a influência dos astros sobre nosso corpo, indica que não devemos operar um órgão de nosso corpo no dia em que a Lua se encontra no signo correspondente a esse órgão. Ou seja, não devemos fazer uma operação em nossa cabeça se a Lua naquele dia está no signo de Áries! É claro que devemos manter também o bom senso e se alguém sofre um acidente e machuca a cabeça num dia em que a Lua está em Áries, certamente ele precisará ser medicado! Porém, a meu ver, essa pessoa provavelmente terá um aspecto difícil da Lua com Marte em sua progressão, justamente naquele dia e Marte rege a cabeça, a testa e o rosto! Ou seja, o astrólogo pode saber de antemão se uma determinada pessoa sofrerá um acidente naquele período e qual parte do corpo será afetada, no entanto, o médico precisará certamente medicar o paciente e nenhum astrólogo lhe dirá para não fazê-lo porque a Lua transita naquele dia no signo de Áries! Vamos e convenhamos, precisamos manter o bom senso! Prever é prevenir e a prevenção evita muitos males, mas não devemos ser tão insensatos de levar tudo o que a astrologia diz ao pé da letra.
A astrologia, como qualquer ciência, trabalha com possibilidades, estuda estatísticas, norteia-se em experiência. Os astrólogos muitas vezes divergem entre si, mas ao mesmo tempo, suas experiências pessoais se somam e se acrescentam contribuindo para a evolução dessa ciência milenar com muita sabedoria. Vejam a programação do evento da CNA (Central Nacional de Astrologia) que acontecerá na Livraria Cultura do Shopping Market Place, em São Paulo, no dia 29 de novembro e apareçam. Terei um enorme prazer em conhecer alguns dos meus leitores pessoalmente ao mesmo tempo em que vocês, amantes da Astrologia, terão ocasião de escutar alguns dos maiores astrólogos nacionais.

A Lua Cheia que acontece no dia 13 de novembro próximo, contrapondo o Sol em Escorpião e a Lua em Touro irá nos oferecer uma grande ocasião para fazermos nossas observações. O Gênio Cabalístico regente do dia 13 de novembro é Palahiah, de nº 20, cujo salmo de oração é de nº 119. Vamos orar para que ele possa nos ajudar a manter sempre em perfeita harmonia os valores de nossas vidas: os morais e os materiais!
Escrevam, enviem seus comentários, terei prazer em responder pessoalmente.

Uma boa semana a todos!

Consulte grátis
Mapa Astral   Tarot   horoscopo


starstarstarstarstar
O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp

Sobre o autor
graz
Graziella Marraccini é astróloga, taróloga, cabalista e estudiosa de ciências ocultas e dirige a Sirius Astrology. grabnn Atende em seu consultório em SP com hora marcada no horário comercial.
5 perguntas Frequentes, visite Canal do youtube e Facebook
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Sabedoria
artigo Quais as deusas que habitam dentro em mim?
artigo Felicidade em suas asas
artigo Coração Ardente II




horoscopo

auravide auravide

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa