Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade

Há Sempre uma Perda em cada Encontro

Publicado dia 05/10/2001 14:38:35 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Recebido de Ana Cristina Carneiro

Cada encontro está carregado de perda. Ou de perdas.
À vezes duas pessoas que se amam (casados, solteiros, amantes, namorados) se encontram e são felizes. Ao fim da felicidade, um deles chora. Ou fica triste. Ou baixa os olhos. Ou é invadido por uma inexplicável melancolia.
É a perda que está escondida no deslumbramento de cada encontro.

O encontro humano é tão raro, que quando surge, vem carregado de todas as experiências de desencontros que a pessoa já teve. E que a espécie já sofreu.
Quando você está perto de alguém e não consegue expressar tudo o que está claro e simples na sua cabeça, você está tendo um desencontro.
Aquela pessoa que lhe dá extremo cansaço de explicar coisas é alguém com quem você se desencontra.

Aquele que só emite, pouco lhe dando condições de intercalar os seus pontos de vista é outro com quem você se desencontra.

Aquele a quem você tanto admira, que lhe impede de falar, também é um agente de desencontro, por mais encontros que você tenha com a arte dele.

A pessoa que só pensa naquilo que vai falar e não naquilo que você está dizendo para ela é alguém com quem você se desencontra.

A pessoa que já vem conversar com você, com posições definidas e tomadas é alguém com quem você se desencontrará.

Alguém que o ama, sem nunca ter sofrido ao seu lado, é alguém desencontrado com você.

Cada desencontro é perda porque é a irrealização do que teria sido uma possibilidade.
É a experiência de tantos desencontros o que marca os raros encontros que a vida permite.
A própria vida é uma espécie de ante-sala do grande Encontro (com o Todo? ou o Nada?).

Por isso talvez seja uma provocação de desencontros preparatórios da penetração na essência do Ser.
Mas por isso ou por aquilo, cada encontro está carregado de perda.
A perda é mais adivinhada do que sentida.
E no ato de sentir-se feliz, intensamente feliz, associa-se a idéia do passageiro que é tudo, do amanhã cheio de interrogações da exceção que aquilo significa.

E uma tristeza muito particular se instala: a tristeza feliz.

A tristeza feliz não é a que deriva das grandes dores, frustrações ou amarguras. É a que se associa ao momento bom, como perda inerente a cada encontro, como sentimento de certeza de que tudo aquilo passará. É a consciência de não ter na hora de ter.

Tristeza feliz é a que surge depois dos encontros verdadeiros, tão raros.

Encontros verdadeiros são os que se dão de "self" (si mesmo) para "self" e não de inteligência para inteligência, de concordância para concordância, de interesse para interesse.

Os encontros verdadeiros prescindem de palavras. Prescindem, até.... do clássico "precisamos conversar". Eles realizam em cada pessoa a parte deles que se sublimou, ficou pura, melhor, louca, mas a parte que responde a carências muito antigas e a certezas anteriores aos fatos.
É mais fácil para quem tem um encontro verdadeiro acabar triste pela certeza da fluidez da felicidade vivida, do que sair cantando a alegria da felicidade vivida ou trocada.

Quem se alegra demais se distancia da felicidade.
Felicidade está mais próxima da paz que da alegria; do silêncio que da festa; do encontro que do debate.
A alegria é "dom Divino, filha do alto Eliseu" dizia Schiller, o poeta, no verso que abre a Nona Sinfonia de Beethoven; mas ouso dizer que ela é Divina na medida em que é um dom, uma graça, uma centelha doada aos homens para enfrentar a vida.

Eu diria que alegria não é felicidade e que a felicidade muitas vezes está mais perto da tristeza do que da alegria.

FELICIDADE está perto da tristeza, porque a certeza da perda sempre se instala a cada vez que estamos felizes.
Cada encontro está carregado de perda. Nesta vida. E até na outra, que se existe (e permitirá o encontro redentor) precisou da perda desta vida.

É esta certeza-da-perda o que provoca aquela lágrima ou aquela angústia que a gente não sabe porque às vezes se instala após os verdadeiros encontros.

Há sempre uma despedida em cada alegria.
Há sempre um "e depois" após cada felicidade.
Há sempre uma saudade na hora de cada encontro. Antecipada.


Artur da Távola

por WebMaster

Consulte grátis
Mapa Astral   Tarot   horoscopo


Obrigado por votar

O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp

Sobre o autor
WebMaster é o Apelido que identifica os artigos traduzidos dos Associados ao Clube STUM, bem como outros textos de conteúdo relevante.
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor







Energia do Dia
Justiça. O dia pede bom julgamento e honestidade. Dê o máximo de si em qualquer situação, tome a direção dos negócios e proceda de maneira segura e eficiente.
Faça sua numerologia

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa