auravide auravide

Unifesp estuda ervas indígenas


Recebido de Ana Cristina Rosado

Uma parceria pouco comum no meio acadêmico pode se revelar uma fórmula viável para o aproveitamento da biodiversidade brasileira.

Um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) está mapeando o conhecimento sobre plantas medicinais da nação indígena craô, do norte de Tocantins, com intenção de usá-la na produção de remédios fitoterápicos.

Segundo o coordenador do projeto, o médico Elisaldo Carlini, o acordo firmado entre cientistas e curandeiros pode permitir o acesso da indústria farmacêutica à cultura indígena de uma forma que seja justa para os índios.
"Os índios terão de receber dividendos dos lucros. Nós estamos mantendo o nome científico das plantas em segredo até obter as patentes", diz Carlini, que dirige o Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas (Cebrid), da Unifesp.

Durante o trabalho de campo, na reserva indígena de Kraolândia, foram recolhidas 400 plantas.

Correio Braziliense,
02-01-2001


estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

Gostou?   Sim   Não  
starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1


clube WebMaster é o Apelido que identifica os artigos traduzidos dos Associados ao Clube STUM, bem como outros textos de conteúdo relevante.
Visite o Site do Autor

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Autoconhecimento clicando aqui.


Veja também

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa