Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

A Ciência e o Espiritismo

por Wilson Francisco
A Ciência e o Espiritismo
Publicado dia 23/05/2005 15:15:32 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

No Livro dos Espíritos, capítulo VII da Introdução, Allan Kardec informa que “as ciências repousam sobre as propriedades da matéria que se pode experimentar e manipular à vontade; os fenômenos espíritas repousam sobre a ação de inteligências que têm a sua própria vontade e nos provam a cada instante que elas não estão à disposição dos nossos caprichos”. Por este motivo, a espiritualidade determinou e elaborou a ciência espírita, com objeto e metodologia próprios, além de definir que o resultado da ciência no Espiritismo será sempre a conseqüência moral, ou seja a motivação para que o homem - crendo - possa se tornar mais espiritualizado, mais ético e com uma atuação social muito mais eficaz.

Embora tenha objeto, metodologia e metas específicos, a Ciência Espírita não caminha paralela à Ciência convencional; elas se imiscuem, se tocam por vezes, uma apoiando a outra, apesar do ceticismo dos cientistas. Observemos, por exemplo, o seguinte: a dança das rãs, a queda da maçã e outros fatos pitorescos marcaram o surgimento de alguns princípios da Ciência, enquanto a dança das mesas e as pancadas na parede permitiram a organização da codificação espírita.

A maior força da ciência espírita, como está explícito no capítulo VI da conclusão, é que a fenomenologia espírita e, por conseguinte, os princípios da ciência espírita estão na Natureza, não foram criados ou inventados por Allan Kardec, nem pelos Espíritos. Desde prístinas eras o homem está envolvido com a existência dos Espíritos e com fatos espirituais. Na Bíblia (velho e novo testamento) encontramos uma série de situações que demonstram a existência e ação dos Espíritos na vida humana.

Surgindo na Era Moderna, após o longo período de cegueira da Idade Média, quando os médiuns eram queimados como bruxos, o Espiritismo trouxe uma grande colaboração para este novo tempo, esclarecendo para a sociedade atual este fenômeno, tido como sobrenatural. E mostrou para a ciência, através de grandes médiuns, como Mirabelli, Arigó e Chico Xavier, a verdade da interferência do mundo espiritual. E um pouco antes, elucidou os cientistas, com pesquisas e experimentações sérias através de Aksakof, Camille Flamarion, Leon Denis, Gabriel Delanne e tantos outros.

Na atualidade, a contenda se faz menos compulsiva, pois a ciência caminha a passos largos para descobrir a existência do Espírito, após provar, ela própria, que a Matéria não existe (desfeito o mito do átomo) e que tudo é ENERGIA, como atesta Elaine de Beauport, cientista, em suas pesquisas. Ela diz “que o cérebro humano é um sistema de energia”.

INVESTIGAÇÕES PSÍQUICAS NA EUROPA

A Faculdade de Psicologia da Universidade de Amsterdã – Holanda, abriu o Departamento de Estudos de Cognição Anômala. Objetivo: estudar e analisar clarividência, precognição e efeitos PK (ação da mente sobre a matéria). O coordenador desse setor é o Professor Dick Bierman.

EXPERIÊNCIAS AMERICANAS

Em 1968, o jornal da Sociedade para Pesquisa Psíquica publicou uma reportagem feita por Célia Green na Universidade de Southampton. Ela perguntou a centenas de estudantes se já tinham tido alguma experiência em que estivessem se sentindo "fora do corpo". Um em cada 5 estudantes (20%) respondeu positivamente. Um ano depois, a mesma pergunta foi feita a 380 estudantes da Universidade de Oxford. Desses, 33% responderam que sim. A maioria dos estudantes, entretanto, conseguia se lembrar de apenas uma experiência. A minoria (20%) lembrava-se de até 6 ou mais. Alguns responderam poder induzir o estado de "sair do corpo" voluntariamente ou, pelo menos, ter algum controle sobre o processo, sendo que a hora mais comum para esse tipo de "saída" sempre fora ou ao dormir ou ao acordar. Após a publicação dessa reportagem, muitos casos vieram a público. O mais famoso deles é o de Robert Monroe, publicado em 1971, em Nova Iorque, em forma de livro (Journeys out of the body).

UM CASO CIENTÍFICO

Até onde possuímos informações queremos crer que a primeira vez que o assunto "viagens fora do corpo" foi tratado ou abordado no meio científico aconteceu em 1927. Nesse ano, sir Auckland Gedds descreveu à Real Sociedade de Medicina de Londres um episódio acontecido com ele próprio. Resumo do episódio: certa noite Geddes sofreu um ataque, tendo como causa provável intoxicação alimentar. O mal foi tão agudo, e repentino, que nem teve tempo de telefonar pedindo socorro médico.
Prostrado em seu leito, não perdeu a lucidez, mas, aos poucos, percebeu que nele coexistiam duas formas de consciência. Uma ele denominou A e identificou como sendo a mente. A outra, que chamou B, pertencia ao corpo. Como sua condição física piorasse, a consciência B começou a se desintegrar, "parecendo estar fora do corpo".
"Gradualmente, descreve Geddes, percebi que podia ver não apenas meu corpo e a cama onde estava, mas a casa inteira, o jardim e todas as coisas em Londres e na Escócia. Vi, depois, que alguém entrava em minha casa, correndo ao telefone quando me viu deitado, chamando um médico. Quando este chegou, aplicando uma injeção, senti que voltava ao corpo à medida que o ritmo das batidas do coração aumentava".

Todos estes fenômenos já foram exaustivamente estudados e comprovados como verdadeiros pela Doutrina Espírita, por investigadores antigos como por experimentadores atuais. Embora o Espiritismo não seja uma ciência, dentro dos padrões convencionais, pode-se dizer que os fenômenos e os estudos realizados em algumas sociedades espíritas de pesquisas têm caráter científico. O objeto do Espiritismo é o Espírito, não o corpo. E o objetivo do Espiritismo é dar ao ser humano um padrão de dignidade mais elevado no convívio social, no cumprimento das leis e no estabelecimento de um nível de igualdade de direitos e deveres que respeite a diversidade social, dando a cada um os direitos mínimos de uma sobrevivência digna.

Isto posto, entendemos o Espiritismo como uma ciência social de alto valor, quando transcende a humanidade física para resgatar dos umbrais extra-físicos esta outra humanidade, a do mundo dos Espíritos, que permeia a existencialidade corpórea, dando-lhe a oportunidade de se conscientizar sobre a vida após a morte e sobre os distúrbios que a influência exercida na vida terrestre pode causar no comportamento das criaturas, quando esta influência for inconseqüente ou maléfica.

E para finalizar, deixamos a palavra de Ralph Waldo Emerson para reflexão: “Nada está morto; os homens se fingem de mortos e suportam falsos funerais, chorosos obituários, mas lá estão eles, a tudo assistindo pela janela, vivos e em boa saúde, sob nova e estranha forma”.





Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

starstarstarstarstar
O artigo recebeu 2 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp


Sobre o autor
wilson
Wilson Francisco é Terapeuta Holístico, escritor e médium espírita. Desenvolve o Projeto Mutação, um processo em que faz a leitura da alma da criatura e investigação do seu Universo, para facilitar projetos, sonhos e decisões, descobrindo bloqueios, deformidades e medos que são reprogramados energeticamente. Participe do Projeto Mutação confira seus artigos anteriores
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Transcomunicação Instrumental
artigo A liberdade de ser
artigo Você sabe quais os benefícios de um atendimento de radiônica?
artigo Do Oran Mor aos corações apaixonados pela Luz





horoscopo


As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa