auravide auravide

Abram alas para o homem transbordante!

por Adília Belotti
Abram alas para o homem transbordante!
Publicado dia 11/12/2008 16:27:57 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

As comunidades na web surgem de muitas maneiras. Faço parte de um fórum de apaixonados por orquídeas - só como ouvinte-leitora-espectadora, porque sou tão iniciante no assunto que morro de medo de abrir a boca - são dezenas de e-mails por dia, troca de informações, conselhos, segredos, avisos… até de falecimentos!

Compartilhar, esse é o mote da web. Dividir, sentir-se próximo, parte.

Mas tem algo novo ainda. Venho recebendo todos os dias e-mails de Fábio Oliveira, dono do blog do mesmo nome. São verdadeiros “toques de alma diários” com idéias, inspirações, belos artigos. Não é uma newsletter, não é um fórum, é pura generosidade…

E, como a raposa da historinha do Pequeno Príncipe - lembram dela? - a gente se apaixona e começa a esperar, as manhãs ficam diferentes, tem sabor especial, o que será que vai chegar no outlook hoje?
Pois é, hoje chegou no outlook, o “homem transbordante”.

Eu lhes ensino o homem transbordante. Na verdade o homem é um rio poluído. É preciso ser um mar para receber um rio poluído sem ficar impuro.

Eu lhes ensino o homem transbordante. Ele é o mar. Ele é um relâmpago, um frenesi. O homem é uma corda amarrada entre a besta e o homem transbordante – uma corda sobre o abismo. O que há de grande no homem é que ele é uma ponte e não um fim: o que pode ser amado no homem é que ele é uma abertura e um mergulho.

Eu amo aqueles que não precisam primeiro olhar atrás das estrelas para encontrar uma razão para mergulhar e se transformarem num sacrifício, mas que se sacrificam livremente pela terra…

Eu amo aquele que não quer ter muitas virtudes. Uma virtude é mais que duas…

Eu amo aquele que tem um espírito livre e um coração livre porque assim sua cabeça nada mais é que as entranhas do seu coração…

É chegado o tempo para o homem plantar a semente de sua esperança mais alta. O seu solo ainda é rico o bastante. Mas um dia o solo ficará pobre e domesticado e nenhuma árvore alta será capaz de crescer nele.

O tempo está chegando em que o homem não mais será capaz de lançar a flecha da sua nostalgia além de si mesmo e a corda do seu arco se esquecerá de como vibrar.

O tempo está chegando quando o homem não mais será capaz de dar à luz uma estrela. Nenhum pastor! Um grande rebanho. Todos desejam a mesma coisa. Quem quer que tenha sentimentos diferentes vai voluntariamente para o hospício de loucos.

Eu vim para seduzir muitos a sair do rebanho. Veio-me então uma iluminação: preciso de companheiros - não de companheiros mortos e cadáveres que carrego comigo por onde quer que eu vá.

Preciso de companheiros vivos que me seguem porque desejam seguir a si mesmos… Nunca mais falarei ao povo. Não sou boca para esses ouvidos. Falei pela última vez aos mortos…
Friedrich Nietzsche - Assim falou Zaratustra




estamos online

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

starstarstarstarstar
O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  



Sobre o autor
Adília Belotti é jornalista e mãe de quatro filhos e também é colunista do Somos Todos UM.
Sou apaixonada por livros, pelas idéias, pelas pessoas, não necessariamente nesta ordem...
Em 2006 lançou seu primeiro livro Toques da Alma.
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Qual é a sua ambição?
artigo Porque estamos novamente falando da Era de Aquário?
artigo O Universo num Corpo Humano
artigo A noite escura, de são joão da cruz


As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa