Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

Agora que voltei para casa - Capítulo 6

por Angela Li Volsi
Agora que voltei para casa - Capítulo 6
Publicado dia 18/06/2004 11:46:41 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Agora estou em Paris, num hotel muito modesto, embora se encontre num dos bairros mais nobres da cidade. É que a proprietária é a irmã de uma senhora húngara, minha colega de trabalho. O grupo de brasileiros que veio comigo está hospedado num hotel do Quartier Latin, perto da Alliance Française, onde iremos freqüentar o curso que nos foi oferecido.

É nosso primeiro sábado parisiense, lá fora está nevando. Eu não resisto à tentação desse reencontro com a neve, depois de tantos anos de clima tropical, e saio para andar, sozinha.
A rua é muito iluminada e movimentada. A uma certa altura, vejo um homem alto, negro, vestindo uma capa de chuva, que se aproxima sorrindo e me diz que simplesmente não conseguiria continuar andando sozinho, precisa falar com alguém. Apresenta-se como um pesquisador da Unesco e começa a me explicar o que está fazendo em Paris. Vem de um país da África e está pesquisando no campo da linguagem. Conta-me que foi ele a sistematizar a língua escrita de seu país, que antes era só falada. Observo que uma das mangas de sua capa de chuva pende vazia do lado do corpo. Explica-me que teve um acidente horrível e que seu braço teve de ser amputado.

Tudo o que ele diz parece jorrar de uma fonte esfuziante e multicolorida, a energia que emana dele ilumina tudo à sua volta, afasta qualquer temor, qualquer dúvida a seu respeito.
Num dado momento, pergunta-me diretamente se não quero lhe fazer companhia. Ao perceber meu espanto, diz que não preciso fazer nada que não tenha vontade de fazer, que só o fato de ter deixado que ele falasse comigo iluminou sua noite. Deixa-me seu cartão de visita, e eu me afasto, sem ter dito nada a meu respeito nem deixado meu endereço.

Volto para o meu hotel, e é aí que começa o confronto comigo mesma. Estou atordoada por tudo o que acabou de acontecer. Este encontro tocou no ponto nevrálgico que vem me atormentando de uns tempos para cá. Quem sou eu, o que estou fazendo aqui, o que estou buscando? Desde minha chegada sinto-me como uma impostora, alguém que teve a sorte de receber um presente valioso e não sabe o que fazer com ele. Finge estar muito ocupada entretendo-se com coisas fúteis e, quando não tem o que fazer, a única coisa que lhe ocorre é pegar um livro e ler o que os outros têm a dizer. Já estou numa idade em que deveria ter definido meus projetos de vida, deveria ter tido a coragem de viver uma experiência amorosa por completo, esquecendo as desculpas de sempre.

O encontro com este homem me coloca frente a frente com todas minhas questões existenciais. Porque não tive a coragem de aceitar seu convite? Só porque ele é negro e falta-lhe um braço? Passo a noite inteira revirando-me na cama sem conseguir pegar no sono nem chegar à conclusão nenhuma.
De manhã, como se uma ordem interna inquestionável me guiasse, visto-me e dirijo-me para o endereço que está no cartão que ficou o tempo todo diante de mim.
É uma cidade universitária de periferia, habitada principalmente por africanos. Quando chego ao seu quarto, A. está ainda na cama, me recebe surpreso, e quando, acanhada, confesso-lhe que aquela é minha primeira vez, olha-me incrédulo e diz: “Você não tem vergonha?”

O que acontece depois é muito rápido, é como uma cena de filme em que predominam as cores vermelha e negra.
Quando chega a hora de levantar para almoçar, ele veste seu “boubou” africano e me leva até um refeitório onde, sentado ao meu lado, começa a receber os cumprimentos de todos seus amigos, que vêm saudá-lo como num ritual. Eu não sei se sinto orgulho por ter tido a coragem de estar naquela situação, ou vergonha por estar sendo alvo de tanta curiosidade. É tudo muito irreal para que eu possa entender o que estou sentindo. É como se o filme continuasse, eu estou me vendo enquanto vivo aquelas cenas.

Depois do almoço, voltamos para o quarto e consigo que ele respeite minha necessidade de descansar. Conta-me todos os desafios que conseguiu superar para chegar na posição que ocupa, é inegável que possui uma garra e um talento fora do comum. Também menciona inúmeras façanhas amorosas, documentadas num álbum de fotografias que me mostra. A maioria das mulheres é branca, aliás, loira.
Saímos para andar, ele quer a todo custo que eu tire uma foto que fica com ele. Não estou gostando do rumo que a conversa está tomando. Explica-me que está tendo um problema que não entendo muito bem, e afinal pergunta-me se poderia emprestar-lhe uma quantia de dinheiro. Sinto-me como se tivesse caído numa armadilha, não vejo a hora de me desvencilhar. Prometo procurá-lo assim que puder e, rapidamente, sem deixar meu endereço, entro na primeira estação de metrô e volto para meu hotel.
Só se passou menos de um dia desde que encontrei este homem, mas minha vida está completamente de cabeça para baixo.

O dia seguinte, tenho a impressão de que todos estão reparando em mim. Não é só impressão, há realmente um sujeito, no restaurante universitário, que não pára de olhar em minha direção. Aproxima-se, puxa conversa, é um italiano. Tem um discurso político que me atrai e me cansa ao mesmo tempo. Mas também tem uma beleza e um charme irresistíveis, e acabo convidando-o para meu hotel. É como se o feitiço de ontem continuasse seu efeito sobre mim.
Desta vez sinto uma real atração por esse homem, que evidentemente não tem o menor interesse pela minha pessoa. Sua idéia fixa é exercitar comigo todas as teorias marxistas que estão na moda Não perde ocasião para demonstrar seu desprezo pelos burgueses que, segundo ele, eu represento. Todas suas atitudes, desde a maneira de se vestir e se comportar até o fôlego incansável para argumentar, são as de um militante que recebeu uma lavagem cerebral e quer repassá-la a todas as eventuais vítimas.

É tensão demais para mim. Não é essa a hora mais propícia para ser doutrinada. Vou à agência de viagens e refugio-me no calor familiar da volta à minha cidade natal, apesar dos parentes.


estamos online

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

starstarstarstarstar
O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Leia Também

Agora que voltei para casa - Capítulo 5

Agora que voltei para casa - Capítulo 7




Sobre o autor
clube Angela Li Volsi é colaboradora nesta seção porque sua história foi selecionada como um grande depoimento de um ser humano que descobriu os caminhos da medicina alternativa como forma de curar as feridas emocionais e físicas. Através de capítulos semanais você vai acompanhar a trajetória desta mulher que, como todos nós, está buscando...
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Transcomunicação Instrumental
artigo A liberdade de ser
artigo Você sabe quais os benefícios de um atendimento de radiônica?
artigo Do Oran Mor aos corações apaixonados pela Luz





horoscopo


As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa