Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

Agora que voltei para casa - Capítulo 7

por Angela Li Volsi
Agora que voltei para casa - Capítulo 7
Publicado dia 25/06/2004 11:44:13 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Na volta ao Brasil, o primeiro problema que preciso resolver é como explicar a M. o que me aconteceu. Ele nunca iria entender os verdadeiros motivos que me levaram a fazer o que fiz. Nem eu saberia por onde começar. Não existe entre nós um verdadeiro diálogo, é como se tudo fosse subentendido, precisasse ser adivinhado nas entrelinhas.

Marcamos um encontro. Eu preciso sustentar o papel que estou representando ultimamente para ele: sou uma mulher liberada, que trabalha, estuda, viaja e não precisa prestar contas a ninguém. Com ar atrevido, jogo algumas frases no meio da conversa, que pretendem sinalizar minha recente emancipação. Ele também precisa manter o papel de homem moderno, que nada consegue abalar, e não parece se chocar com aquilo que tento lhe revelar.

Leva-me para um lugar esquálido, uma garçonnière que deve ser o lugar onde mantém seus encontros amorosos. Eu estou tensa, estou detestando esse lugar e a maneira como ele me trata. É a primeira vez que nos encontramos a sós entre quatro paredes. Nada do que acontece tem a menor semelhança com as fantasias que acalentei durante tantos anos a nosso respeito. Não conhecia esse seu lado cínico e brutal.
Saímos, cada um com sua frustração, eu com o coração pesado e mais um sonho desfeito. É como se acabasse de assistir à missa de requiem para o nosso grande amor.

Ainda bem que agora minha vida deu um giro de 180 graus. Meu professor de prática de ensino de francês convidou-me a dar aulas no Colégio de Aplicação da Faculdade, em substituição de uma colega. Eu ainda estou trabalhando como secretária, e o convite pegou-me completamente de surpresa. Por incrível que pareça, sempre fui à faculdade pelo prazer de estudar, não estava pensando em me tornar uma professora. Ao mesmo tempo, a idéia de aceitar esse desafio me atrai terrivelmente. Para que eu não possa ter o tempo de me arrepender, aceito imediatamente a proposta.

Preciso anunciar a meu chefe minha decisão, que causa muita surpresa.
Tudo é muito rápido, agora estou ensinando francês para uma turma do colegial. São adolescentes vindo das melhores famílias da sociedade paulistana. O ensino que se ministra nesta escola decorre da aplicação dos métodos mais avançados, sob a orientação dos professores de metodologia da USP.

A diferença de idade entre mim e meus alunos não é muito grande, o que acaba criando entre nós uma empatia que transforma nossas aulas numa experiência deliciosa. Eu estou adorando esse novo desafio, embora muitas vezes precise correr à procura de meu professor de prática para receber instruções metodológicas.

Está acontecendo na escola alguma coisa que não entendo muito bem. Os alunos entraram em greve em protesto contra a demissão do diretor da escola, que foi substituído por uma professora indicada pela equipe dos professores de metodologia. Eu não entendo nada do que está acontecendo, porque nunca precisei me interessar por política, seja de governo, seja estudantil. Afinal, minha vida de secretária não exigia nada além de um desempenho profissional eficiente e de um certo jogo de cintura.
Só sei que preciso comparecer à escola, para assinar o ponto, embora não haja aula.
Os alunos tomaram posse da escola, estão em assembléia permanente, e agora exigem que os professores tomem partido para que fique claro de que lado está a maioria.
Eu continuo não entendendo muita coisa, por não conhecer os antecedentes desse movimento. Dentro de uma sala de aula, ouço fascinada os discursos de meus colegas, muitos dos quais falam em tom exaltado. Estou cercada pela nata do professorado paulistano, aqui estão os representantes das mais variadas disciplinas, e estou tendo uma aula de civismo e de política educacional. A uma certa altura, cada um de nós precisa levantar e declarar sua posição. Embora continue sem entender muito bem, instintivamente coloco-me do lado dos alunos.

No dia seguinte, meu professor de prática, que está do lado oposto, deixa bem claro que não aprova o que acabo de fazer, e a partir desse dia não me cumprimenta mais.
O período de substituição termina, mas eu fiquei mordida pelo vírus do ensino, não quero mais voltar a ser secretária. Inscrevo-me no curso de treinamento oferecido pelo Serviço de Ensino Vocacional, que precisa de professores para as unidades que acaba de criar.

Essa é uma experiência ainda mais fascinante do que a primeira. Nunca pensei que pudesse existir uma escola com uma proposta tão fantástica. São oferecidas aos alunos todas as disciplinas necessárias à formação mais completa possível, abrangendo inúmeras especialidades. Meninas e meninos são treinados para as mesmas tarefas, e tudo a partir de uma plataforma única, que integra todas as disciplinas. Isso significa que os professores precisam se reunir constantemente em intermináveis reuniões, mas eu não me importo de ficar tantas horas fechada numa sala. Estou tendo uma oportunidade única de assistir a debates que enriquecem minha visão de mundo e meu aprendizado a respeito do ser humano. Ao lado de professores responsáveis pelas disciplinas tradicionais, temos o privilégio de conviver com artistas dos mais brilhantes, que transmitem aos alunos os segredos de sua arte.

Terminado o período de treinamento, sou escolhida para dar aulas no Ginásio Vocacional de Americana.


estamos online

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

starstarstarstarstar
O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Leia Também

Agora que voltei para casa - Capítulo 6

Agora que voltei para casa - Capítulo 8




Sobre o autor
clube Angela Li Volsi é colaboradora nesta seção porque sua história foi selecionada como um grande depoimento de um ser humano que descobriu os caminhos da medicina alternativa como forma de curar as feridas emocionais e físicas. Através de capítulos semanais você vai acompanhar a trajetória desta mulher que, como todos nós, está buscando...
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Transcomunicação Instrumental
artigo A liberdade de ser
artigo Você sabe quais os benefícios de um atendimento de radiônica?
artigo Do Oran Mor aos corações apaixonados pela Luz





horoscopo


As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa