Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

Agora que voltei para casa - Capítulo 13

por Angela Li Volsi
Agora que voltei para casa - Capítulo 13
Publicado dia 06/08/2004 13:22:08 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Por ironia do destino, eu acabara de receber meu primeiro telefone, depois de longos anos de espera, e aquele seria o primeiro telefonema dele para mim.
Ainda preciso esperar o tempo útil para fazer o exame que comprove meu estado. É a espera mais angustiante de toda a minha vida. Se não tivesse cometido a imprudência de compartilhar uma suspeita que poderia não se confirmar, não precisaria estar sofrendo tanto por antecipação. É que estava tão feliz com a possibilidade, e tão segura dos sentimentos dele, que não me passou pela cabeça que ele poderia ter aquela reação assustadora.
Mas este silêncio aterrador é a prova mais eloqüente de suas verdadeiras intenções.
Quando o resultado do exame confirma minhas suspeitas, e é mais do que evidente que ele não vai me telefonar, é como se acordasse bruscamente de um sonho. Estou diante de um fato concreto da maior gravidade, e cabe só a eu decidir que rumo dar à minha vida.

A distância que sinto de meus familiares é grande demais, não tenho condições de recorrer a eles para me aconselharem. A decisão que vou tomar precisa ser rápida, o tempo corre contra mim.
A angústia é tanta, que acabo revelando minha situação a alguma amiga, mas aí também fica claro que ninguém pode me ajudar nesta hora.
Cada minuto que passa aproxima cada vez mais a espada de minha cabeça.
Ao cúmulo do desespero, engolindo meu orgulho, decido telefonar para comunicar a M. meu estado e dizer que, mesmo sem contar com seu apoio, resolvi arcar com as conseqüências de assumir sozinha esta criatura.
Tremendo como uma folha, disco o número tão familiar e a voz, tão familiar, que me responde diz com todas as letras: “Não, não é daqui”.

A dor que eu sinto é exatamente como se alguém enfiasse uma faca em minha barriga.
Falo algumas coisas sem nexo no telefone e começo a vomitar sem parar. Quando me acalmo, é para constatar que aquele sentimento de orgulho que eu sentia, por possuir um bem precioso que era só meu, se transformou num sentimento desconhecido, muito ruim, e impossível de suportar. Não me sinto no direito de envolver uma criatura inocente em mais um dos meus colossais equívocos. Tenho medo de já ter começado a envenenar esse embrião inocente. Depois de tantas dúvidas angustiantes, a verdade com que me deparo é que não tenho a menor estrutura para arcar com uma responsabilidade tão grande. Não suportaria pôr no mundo uma reprodução de mim mesma, já marcada de antemão pelo estigma da rejeição.
Como um autômato, e com uma lucidez espantosa, tomo todas as providências para acabar o mais depressa possível com esta agonia, é como se fosse amputar um membro gangrenado.
Agora que tudo está consumado é que tenho a nítida sensação de ter-me transformado num galho seco.

Exatamente nove meses depois do acontecido, M. bate à minha porta, pedindo para entrar. Seguindo o primeiro impulso, quase o faço rolar escada abaixo. Eu mesma fico assustada com minha reação irracional.

Na esperança de encontrar algum alívio, planejo uma viagem à Europa com uma amiga.
Todos os lugares familiares, em vez de me trazerem paz, perderam completamente seu charme, nada tem a menor graça.
É preciso encontrar um novo cenário para que minha alma receba um pouco de refrigério.
É em Assisi que a pedra de ódio que carrego dentro de mim consegue explodir como um abscesso que vem a furo. No convento de Santa Clara, tenho um encontro emocionante com uma irmã Clarissa, que fala comigo atrás de um biombo, coberta por um véu, e me promete orar por mim e pelo Brasil.
Desço sozinha até a cripta onde repousa o corpo embalsamado da santa, e diante daquela presença que me projeta em outra dimensão, deixo finalmente dissolver o bloco de pedra que me sufoca, num pranto irrefreável e libertador.

Compreendo finalmente que se não conseguir extirpar de mim este ódio que entranha todo meu ser, todos os sofrimentos de minha vida terão sido em vão.
O que acontece na presença da santa é o primeiro passo para minha desintoxicação.


estamos online

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

starstarstarstarstar
O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Leia Também

Agora que voltei para casa - Capítulo 12

Agora que voltei para casa - Capítulo 14




Sobre o autor
clube Angela Li Volsi é colaboradora nesta seção porque sua história foi selecionada como um grande depoimento de um ser humano que descobriu os caminhos da medicina alternativa como forma de curar as feridas emocionais e físicas. Através de capítulos semanais você vai acompanhar a trajetória desta mulher que, como todos nós, está buscando...
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Transcomunicação Instrumental
artigo A liberdade de ser
artigo Você sabe quais os benefícios de um atendimento de radiônica?
artigo Do Oran Mor aos corações apaixonados pela Luz





horoscopo


As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa