auravide auravide

Ajuste de contas

por Izabel Telles
Publicado dia 26/02/2009 15:38:36 em Espiritualidade

Final do mês se aproximando. Sentada à mesa começo a fazer as minhas contas. Faturas de fornecedores, água, luz, telefone, papeizinhos dos débitos automáticos, condomínio e tudo o mais que você conhece tão bem quanto eu.
Entre as teclas da calculadora e os números dos boletos salta da minha mente bem na minha frente uma cena do filme Metropolis (filme alemão de ficção científica, lançado ainda em 1927, dirigido por Fritz Lang).

O filme conta a história de um déspota que mantém reféns de suas vontades e dos seus protegidos, nas galerias subterrâneas de uma cidade (futurista na época), seres humanos que trabalham de sol a sol (que eles não vêem) para manter tudo funcionando na superfície. No meio da multidão aprisionada está Maria, uma mulher corajosa que denuncia a escravidão de muitos para o deleite de poucos.

O filme vai se desenrolando na minha mente enquanto penso com meu cérebro esquerdo nos números espalhados sobre minha mesa de trabalho.
Outra imagem invade meus sentimentos. Está agora captada pelos meus sentidos nas reportagens das TVs que falam da crise econômica que assola o mundo.
Imagens de famílias debruçadas sobre contas, na mesa da sala de jantar, tentando fazer o casamento entre números e notas; o que parece impossível.

Que eu saiba Deus não enviou aos seres humanos nenhuma conta ao criar suas maravilhas. Também nunca vi os rios cobrarem taxa de ocupação dos lírios brancos que nascem às suas margens. Não conheço nenhum fornecedor de chuvas. Nem vendedor do interruptor que faz a luz do sol acordar a noite. Você conhece?
Pois bem.

Aqui no NOSSO planeta Terra tudo tem preço. Viver custa cada dia mais caro.
Quando foi que entregamos nosso poder a um grupo que dita as regras do jogo? Quando foi que demitimos nossa Maria interna e nos calamos, nos tornando escravos de seres que não estão minimamente preparados para administrar com competência o planeta?

Sei que falar é fácil.
Tenho também consciência de que denunciar somente não basta.

Como declarou um executivo a um jornal na semana passada: "discurso não vai garantir o trabalho de ninguém".
É preciso agir. Materializar a força unificadora, criativa, inteligente, justa, que a nova era nos envia.

Usar, por exemplo, os dias parados em casa (muitas vezes consequência de demissões) para descobrir novas oportunidades e talentos, conversar com os filhos, sair para ver o pôr do sol, abrir gavetas trancadas há muito tempo, reciclar conhecimentos, meditar, enfim, aproveitar cada segundo deste interregnum para fazer algo mais produtivo e criativo do que somar, dividir ou multiplicar contas.

Realize V. também o exercício inédito -clicando aqui- que combina a neuroacústica com as imagens mentais positivas e deixe seu testemunho!

Clique aqui e confira os testemunhos deixados pelos usuários



estamos online

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

starstarstarstarstar
O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  



Sobre o autor
izabel
Izabel Telles é terapeuta holística e sensitiva formada pelo American Institute for Mental Imagery de Nova Iorque. Tem três livros publicados: “O outro lado da alma”, pela Axis Mundi, “Feche os olhos e veja” e “O livro das transformações” pela Editora Agora.
Visite meu blog.
Email:
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Você está pronto para o risco?
artigo Tempo
artigo Pressão emocional como forma de abuso
artigo Dicas para melhorar a Energia


As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa