auravide auravide

Assistência espiritual em um velório


Um amigo de longa data faleceu de enfarte fulminante, depois de dois dias de UTI, com aproximadamente 50 anos de idade. No velório, a mãe, a irmã, os amigos e parentes choravam desconsoladamente por não aceitar o fato ocorrido. Cumprimentei os conhecidos, procurei um lugar para sentar, em um canto mais isolado e entrei em trabalho de auxílio. Na verdade comecei antes de chegar no cemitério, fazendo exercícios para circular a energia e aproveitei o belo dia de sol para me carregar de prana*, pois sabia que teria muito o que doar.

Sentada, entrei em sintonia com o plano espiritual maior, saudando as equipes que trabalham nesta atividade e me coloquei a disposição para ajudá-los. Dentro de instantes, parecia que eu havia me projetado e me posicionado ao lado do cadáver. Percebi o meu amigo ali e o quanto seu padrão vibratório estava desequilibrado. Então, apliquei-lhe alguns passes e comecei a trabalhar o desligamento dos filamentos dos chacras que ligavam-no ainda com a sua mãe e vice-versa.

Dentro de poucos minutos, eu já podia sentir o quanto meu amigo estava perturbado e revoltado com sua separação do corpo físico. Eu podia ver e sentir seus últimos momentos, recebendo as descargas de choques elétricos no trabalho dos médicos e enfermeiros, tentando ressuscitá-lo. Passei a emanar meus pensamentos diretamente para ele. Chamei-o pelo nome, me identifiquei, o abracei e pedi que prestasse atenção no que eu tinha para lhe falar. Ele concordou. Falei sobre a continuidade da vida, sobre a eternidade da alma, sobre a importância e a necessidade dele entender e aceitar o que havia se passado. Sabia que seus últimos anos estavam sendo bem difíceis em termos sentimentais, profissionais e financeiros, e que tudo isso junto com o quadro depressivo em que ele se encontrava, contribuiu para este enfarte.
Falei um pouco disso com muito cuidado. Ele me perguntou o que aconteceria agora e respondi que deveria seguir com as pessoas que estavam lhe oferecendo ajuda (percebia a presença dos socorristas extrafísicos e de um parente, um homem de mais idade) e que sua mãe ficaria bem.

Praticamente no mesmo instante, a sua mãe, uma pessoa idosa, começou a chorar alto, a repetir o nome dele e a dizer uma série de frases em desespero. Voltei a mim de súbito e dirigi minha atenção para ela. Apliquei-lhe passes mentalmente por alguns instantes, até perceber que ela se acalmou. Senti-me enfraquecida. Sai da sala do velório e logo adiante avistei uma árvore. Fui direto em sua direção e discretamente comecei a abraçá-la, olhando para o sol, a fim de recarregar minha energia. Nisso chegaram os homens do cemitério pedindo para fechar o caixão. Me adiantei para junto da mãe dele, como não tinha visto nenhum padre, nem reverendo nem ninguém de carreira semelhante, me ofereci para fazer uma prece. A família aceitou. Aproveitei a oportunidade para pedir a todos que mentalizassem nosso amigo sorridente e brincalhão como ele sempre se apresentava. Enquanto isso, falei algo sobre a continuidade da vida após a morte e a importância da nossa prece para ajudá-lo a seguir em paz. Fecharam o caixão e novas crises de choro se seguiram. Daí é que fui perceber a presença de espíritos das sombras se afastando, bravos comigo, dizendo que ele teve o que merecia.
Continuei entoando mentalmente mantras e vibrações, mas agora direcionadas para eles. O ambiente ficou melhor. Quando abri os olhos praticamente todo mundo já havia saído em direção ao túmulo.

Senti orientação para ficar junto da mãe dele. Quando consegui alcançá-la, percebi o quanto ela estava fraca e pronta para cair a qualquer instante, devido ao choque emocional que estava passando. Ela aceitou a proposta de sentar-se em um banco que permitia dar vista a todo o campo verde do cemitério e ao mesmo tempo poderia acompanhar o trabalho que iria ser feito.
Posicionei minhas mãos na direção do peito e das costas dela, nas aberturas dos chacras cardíacos, de frente e de trás, e em silêncio entoei mantras ("Viveka Chuda Mani" ** e "Deus é paz, Deus é Amor, Deus é luz")

Ela foi se acalmando devagarinho e recebi intuição de conversar com ela, valorizando seu trabalho como mãe dedicada, que procurou dar bons conselhos, os quais poucos foram ouvidos e seguidos por ele. Imediatamente ela se virou para mim e começou a desabafar contando o quanto estavam sendo difíceis para ela essas últimas semanas, pois ele brigava com ela constantemente e também com a "própria sombra". Lembrei-me do que disseram os espíritos das sombras e entendi melhor o quadro que se passava. Conversamos mais um pouco no sentido de ajudá-la a ficar com a consciência tranqüila. Deu certo! Em um determinado momento ela comentou que o cadáver do marido estava enterrado no mesmo lugar. Aquele senhor que eu percebi do lado dele podia ser então seu pai.

O enterro já havia acontecido e várias pessoas tinham ido embora. Olhei no relógio de uma pessoa e lembrei que eu tinha que voltar correndo para o meu serviço, pois já estava ausente por mais de duas horas. Foi então que percebi um rapaz, muito amigo dele e bem conhecido meu, parado diante do túmulo, com o olhar longe. Fui até ele e o abracei. Ele me perguntou se nosso amigo estaria gostando deste lugar, pois a vista era bem bonita.
Chamei-o pelo nome e falei carinhosamente que o nosso amigo não estava lá, que lá debaixo da terra só estavam músculos, ossos e um turbilhão de células se desagregando. Disse-lhe que o nosso amigo estava agora em um lugar melhor, porque a "barra por aqui" estava muito pesada para ele. Na conversa, percebi uma mistura de sentimentos de arrependimento com solidão. Mentalizei um “banho de cores” nele enquanto o abraçava. A filha dele se aproximou e deixei os dois sozinhos. Recebi orientação de que meu trabalho ali havia se encerrado.

Fui até o lugar onde havia estacionado o carro, providencialmente junto de árvores frondosas. Encontrei um cantinho e passei então a fazer um bom banho de limpeza com as energias das árvores e do sol. Agradeci pela oportunidade de auxílio e aprendizado que me foi dada, e no caminho de volta para o serviço senti-me faminta e sedenta, e percebi que eram quase três horas da tarde e que eu ainda não havia almoçado. Neste ínterim, recebi instruções de relatar por escrito o que havia vivenciado. Aqui está!

- Por Íris Poffo -

- Nota de Wagner Borges:
Íris é nossa amiga e participante do grupo de estudos e assistência espiritual do IPPB, além de ser coordenadora de um grupo espírita e membro de vários grupos ecológicos.


estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

Gostou?   Sim   Não  
starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1


wb
Wagner Borges é pesquisador, conferencista e instrutor de cursos de Projeciologia e autor dos livros Viagem Espiritual 1, 2 e 3 entre outros.
Visite seu Site e confira a entrevista.
Visite o Site do Autor

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Espiritualidade clicando aqui.


Veja também

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa