Somos Todos UM Autoconhecimento
O Portal de

Autoconhecimento

e Espiritualidade

Autoconhecimento


Home > Espiritualidade
Como treinar a mente para morrer em paz

Como treinar a mente para morrer em paz

por Bel Cesar


De acordo com a tradição budista, existem três níveis de praticante espiritual: o menor é o indivíduo que pode morrer sem arrependimento; o meditador do nível médio deve poder morrer sem medo e o praticante de nível mais alto deve realmente morrer com alegria, dando as boas-vindas à morte, porque eles não estão mais morrendo de forma descontrolada.

Não sei se a geração atual escuta contos de Fadas, ma a minha escutou, e muito. Pelo menos nós, mulheres, crescemos com a promessa de que um dia encontraríamos um príncipe e viveríamos felizes para sempre. Mas quando passamos a assistir cerimônias de casamento tivemos que ajustar nossas expectativas ao ouvir o padre dizer: "Que sejam felizes até que a morte os separe". A ideia de uma felicidade infinita estava ameaçada pela morte, e com ela, aprendemos conceitos como o céu, inferno, a doença e a velhice.

Negar o sofrimento da vida nos impede de transformá-lo em sabedoria. Esta foi a lição vivenciada pelo príncipe Sidarta ao tornar-se um Buddha. Seu pai, ao ouvir a profecia de um sábio de que seu filho poderia se tornar um grande asceta, buscou protegê-lo de todo sofrimento mundano com a intenção de que ele permanecesse no palácio para governar seu reino e não ir para as montanhas meditar. No entanto, na medida em que Sidarta testemunhou o sofrimento do nascimento, da doença, da velhice e da morte, buscou a meditação até atingir a iluminação.

Em nosso cultura, onde o sofrimento é moeda de troca para a culpa de ser feliz, a morte tornou-se um tabu. Como não sabemos lidar com o sofrimento que ela causa, negamos sua existência o máximo possível. Mas, quando ela se torna inevitável, não sabemos como lidar com o seu processo. Devido ao nosso olhar ser limitado apenas a esta vida, a morte surge como uma experiência de aniquilação.

No budismo tibetano, compreende-se que uma pessoa só terá uma vida espiritual se viver em função de suas próximas vidas. Isto é, a determinação de atingir a iluminação leva o praticante a cuidar de sua continuidade vida após vida. Ao acompanhar como psicóloga pessoas que enfrentam a morte, testemunho que aqueles que tiveram de algum modo um sentimento de continuidade lidaram melhor com sua morte.

Familiarizarmo-nos com a sensação de uma continuidade positiva em vida nos ajuda a superar a ideia de aniquilação do ego diante da morte. Para compreender melhor como nossa mente avalia o futuro, podemos, diariamente, observar como lidamos com as oportunidades que surgem: sou capaz de me ver numa situação próspera ao me defrontar com algo novo e desconhecido?

Vivenciamos a morte na vida cotidiana nos momentos em que as coisas não estão funcionando como desejávamos ou prevíamos. Podemos aprender a lidar com nossas dificuldades cotidianas como uma prática de aceitação emocional de nossa morte futura. Assim como escreve Pema Chödrön em seu livro Quando tudo se desfaz: "Ter um relacionamento com a morte na vida diária significa ser capaz de esperar e de relaxar na insegurança, no pânico, no constrangimento, naquilo que não vai bem".

Algumas pessoas sabem lidar com os imprevistos de modo natural, sem alarmes. Mas a maioria de nós não está preparada para lidar com o caos: tememos as situações que estão fora de controle. Não estamos familiarizados com a ideia de contar apenas com nossa capacidade interna. No entanto, existem momentos na vida em que a única esperança de sair de uma situação caótica consiste em podermos realizar uma transformação interior. Como nos ensina Lama Gangchen Rinpoche: "Se você estiver numa situação negativa no momento de sua morte, deve recordar-se que a negatividade não traz nada. Por isso, volte a atenção para sua concentração interna e para sua autoconfiança".

Lama Michel Rinpoche nos alerta que o primeiro passo para termos uma vida espiritual, assim como para lidarmos positivamente com a morte, é o de criar uma identidade baseada em valores internos que vão além do eu e do meu. São os valores internos que cultivamos que levaremos em nosso contínuo mental sutil de vida em vida.

O que sempre é importante? Generosidade? a Paciência? Honestidade? Transparência? Fé?
A clareza de nossos valores nos leva a fazer escolhas certas em vida e a cultivar uma mente capaz de nos sustentar no momento de nossa morte. Se aprendermos a valorizar a paz, a suavidade e a amorosidade em vida, saberemos como nos sintonizar com estes estados nos momentos de maior vulnerabilidade física. É como certa vez Lama Gangchen me disse: "No momento da morte, nossa mente pode subir, mesmo quando nosso corpo pode estar caindo".


Participe do Lançamento do meu novo Livro em SP


Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   
Como treinar a mente para morrer em paz
Avaliação: 5 | Votos: 75


Consulte grátis
     
 
Compartilhe
   


Bel Cesar é psicóloga, pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano desde 1990. Dedica-se ao tratamento do estresse traumático com os métodos de S.E.® - Somatic Experiencing (Experiência Somática) e de EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares). Desde 1991, dedica-se ao acompanhamento daqueles que enfrentam a morte. É também autora dos livros `Viagem Interior ao Tibete´ e `Morrer não se improvisa´, `O livro das Emoções´, `Mania de Sofrer´, `O sutil desequilíbrio do estresse´ em parceria com o psiquiatra Dr. Sergio Klepacz e `O Grande Amor - um objetivo de vida´ em parceria com Lama Michel Rinpoche. Todos editados pela Editora Gaia.
Email: contato@vidadeclaraluz.com.br
Visite o Site do Autor
Publicado em: 22/08/2018 23:56:59

Deixe sua opinião sobre este artigo

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.
As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo do Site.


Energias para Hoje
quarta-feira, 19 de setembro de 2018


energia
I-Ching: 03 – CHUN – DIFICULDADE INICIAL
O início de todas as coisas é freqüentemente trabalhoso e difícil. Mas basta manter-se paciente e perseverar.


energia
Runas: Sowilo
Seja transparente. Dia excelente , força vital e sucesso.


19
Numerologia: Originalidade
Mudanças ha muito consideradas podem ser bem feitas hoje. Seja diferente e original. Este é o dia para o exercício da individualidade.
Experimente o novo e o ainda não tentado. Mantenha-se independente e decisivo e, sobretudo, tenha coragem de agir de acordo com os seus sonhos.




Horóscopo

Áries   Touro   Gêmeos   Câncer
 
Leão   Vírgem   Libra   Escorpião
 
Sagitário   Capricórnio   Aquário   Peixes




+ Lidos da Semana anterior
1. Quando você age, o Universo conspira e o medo desaparece!
2. A história de Buda
3. A vida não acontece se você não acredita que merece!
4. Uma mente repleta de espaço é feliz de verdade
5. Porque estou tão irritado ultimamente? Quando isso vai passar?
6. O acaso não existe
7. O medo de errar
8. Espiritualidade, Maturidade e Emoções



 
© Copyright 2000 - 2018 Somos Todos UM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - Política de Privacidade