Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

O Encontro - Quem Ajuda

por Wilson Francisco
O Encontro - Quem Ajuda
Publicado dia 12/03/2004 16:02:54 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

O processo de auxiliar o próximo se constitui num artesanato psíquico, quando é realizado com o coração. Pode se tornar uma viagem singular entre dois universos, entrelaçando duas ou mais almas e promovendo articulações que se perdem na noite dos tempos. Ivone Pereira, médium que psicografou vários livros e deixou duas obras primas que servem de bússola para médiuns iniciantes, ‘Devassando o Invisível’ e ‘Recordações da Mediunidade’, conta que ao realizar desdobramento espiritual, para tarefas de apoio, principalmente em casos de obsessão, contava sempre com a companhia amiga e protetora de vários espíritos, de aparência simples, mas dedicados, servis mesmo. Estes Espíritos, diz ela, foram na vida terrena pobres andarilhos que sua mãe recolhia e alimentava. Ela, Ivone, era ainda menina e sua mãe fazia com que ela a acompanhasse e a auxiliasse em dar comida aos pobres. Muito tempo depois, eles apareceram, se apresentaram e ficavam por ali, junto dela, prontos para servir e proteger.

Roberto Crema, da Unipaz diz que “ELE” (a criatura que está sendo ajudada) é um pedacinho de nós. E Freud, com sabedoria elucida que, “O outro é o espelho de você”, porque na verdade no ato de ajudar não se sabe com exatidão quem realmente é o ajudado.

Guillaume Apollinaire, em seu poema: “Ter Coragem”, nos orienta sobre como podemos realizar o apoio com sabedoria. Diz ele:

Cheguem até a borda, disse ele. Eles responderam: Temos medo
Cheguem até a borda, repetiu. Eles chegaram.
Ele os empurrou... e eles voaram.

É uma lição maravilhosa, esta. A águia realiza este evento, quando toma seu filhote pelo bico e vai até o mais alto penhasco. E lá, com carinho, solta seu filho querido para o primeiro vôo. Será que esta mãe não se aflige com esta missão? Por certo. Mas ela age sem temor, utiliza seu coração e coragem, com a certeza de que ele voará. E ele voa.
No entanto, o ato de ajudar demanda também qualidade e inteligência.

QUALIDADE DO AJUDAR

Henrique, um menino de seis anos, filho da Anita, amiga minha de Itapeva, enquanto esteve na Terra, realizava atitudes de rara inteligência e amor. Costumava recolher mendigos, trazendo-os para sua casa, para almoçar ou jantar. Um dia trouxe um menino... Todos sentaram à mesa, sem constrangimento. Era costume da família, amparar os pobres. Anita, matriarcal, fazia o prato de todos, escolhendo as partes do frango de acordo com o gosto de cada um. O peito para este. A asa para aquele outro e assim foi fazendo, até que chegou a vez do menino pobre. Ela pegou um pedaço qualquer da panela e colocou no seu prato. Henrique se levantou e recriminou à mãe por aquela atitude, dizendo: mamãe, você não perguntou que pedaço do frango ele gosta.

Sobre isso, a Maria minha esposa teve uma informação interessante que ela ouviu de Espíritos amigos. Eles recomendavam que ao realizar a doação de roupas, estas deveriam ser lavadas, costuradas e passadas. Assim, a criatura recebe o auxilio e também a energia do Bem que desejamos transmitir para ela.

Herminio Miranda, no seu livro ‘Carismas da Mediunidade’ informa sobre uma mulher que fazia enxovais de bebê e os dava para as mães pobres. Mas ela era diferente. Ao invés de fazer muitos e com peças usadas, ela preferia fazer um, com roupas novas, engomadas e perfumadas.
Um dia ela doou um enxoval destes para uma senhora, cujo marido era alcoólatra. Desempregado há tempo, o homem se deixou levar pela mágoa e acabou se rendendo ao vicio da bebida. Ao chegar em casa, sua mulher mostrou o enxoval. O impacto foi grande, pois sua filhinha fora presenteada por um enxoval novo. Afinal, dizia ele chorando, existe gente boa nesta Terra. E recobrando forças, saiu no dia seguinte com muita coragem e fé em Deus para procurar trabalho, sem nada beber. Tinha se regenerado.

COMO AJUDAR

Segundo Paulo de Tarso, ainda que eu fale a língua dos Anjos, se eu não TIVER CARIDADE, nada serei. Veja o destaque. Ter caridade é diferente de fazer caridade. Há uma diferença grande entre uma coisa e outra. Fazer caridade pode ser uma atitude social; uma ação que realizamos para nossa evolução espiritual; ou ainda uma tarefa prescrita para curar situação de aflição ou processos obsessivos. Mas ter caridade, significa estar e ser do Bem. Ter dentro de si o impulso de amar e apoiar a criatura, sem restrições.

O CAMINHO

Exercitar os olhos: para ver o doente e a dor;
exercitar o coração: para sentir;
exercitar as mãos: para saber tocar com carinho;
exercitar os ouvidos: para ouvir, aceitar, integrar e restaurar.

As idéias sobrevivem quando há pessoas cujas próprias vidas sejam a mensagem. (Erich Fromm)

Participe do PROJETO MUTAÇÃO
Telefone de contato: (11) 6976-1211
e-mail: [email protected]



estamos online

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

starstarstarstarstar
O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  



Sobre o autor
wilson
Wilson Francisco é Terapeuta Holístico, escritor e médium espírita. Desenvolve o Projeto Mutação, um processo em que faz a leitura da alma da criatura e investigação do seu Universo, para facilitar projetos, sonhos e decisões, descobrindo bloqueios, deformidades e medos que são reprogramados energeticamente. Participe do Projeto Mutação confira seus artigos anteriores
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Transcomunicação Instrumental
artigo A liberdade de ser
artigo Você sabe quais os benefícios de um atendimento de radiônica?
artigo Do Oran Mor aos corações apaixonados pela Luz





horoscopo


As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa