auravide auravide

O Xale


Lembrei-me de uma vez, quando comprei um tecido fininho, muito leve e transparente... de fundo preto com rajados em dourado e bege que pareciam da cor das penas de gavião...
Era um pedaço de tecido exposto em uma banca de retalhos, mas assim que o vi tive certeza de que gostava e o comprei... Não sabia o que fazer com ele... não era um tecido que estivesse na "moda", mas para mim era tão especial que não queria fazer somente qualquer coisa com ele...

Por um bom tempo o tecido ficou no meu armário porque ainda não sabia o que inventar com aquele pedaço de pano que tinha amado à primeira vista... e continuava gostando sempre que, arrumando minhas coisas o encontrava entre os outros tecidos. Para alguns encontrava utilidade, outros doava para alguém, mas aquele eu guardava, porque sabia que um dia iria fazer alguma coisa especial com ele.

Até que um dia, me preparando para um trabalho nas montanhas, peguei o tecido e a tesoura e fiz um xale lindo... Repiquei todos os lados e ficou como se fosse uma franja. Dobrei na diagonal, deixando uma parte maior que a outra, para que aparecessem duas camadas de franja... Fiz um broche com uma rosa de cetim, queimada nas pontas com fogo de uma vela e umas penas que guardava. Fiquei encantada com o resultado...
O que levou tanto tempo guardado em pouco tempo se transformou em um lindo xale...

O tecido desfiava onde cortei a franja e volta e meia perdia um pedaço... mas aquilo, em vez de deixá-lo feio, só fazia torná-lo cada vez mais bonito... porque dava uma leveza ainda maior... o vento movimentava aquela franja dando mesmo a idéia de asas de gavião...
O fato é que se já amava o tecido, amei ainda mais o que fiz com ele. E desde aquela vez que o levei para um trabalho nas montanhas as pessoas gostaram dele... e eu me sentia acolhida.

Claro que lá é normal as mulheres usarem xales.... saias compridas... e coisas que não tem que estar necessariamente "na moda", a moda lá é outra e cada um faz a sua de acordo com o que gosta, com o que se sente bem fazendo... Por isso... lá dá gosto de ver as mulheres com seus xales coloridos e enfeitados, bordados com contas e sementes... com broches criados pela imaginação de quem acessa o mundo das fadas ou das sonhadoras... negros quando o momento é de estar no profundo... nas cavernas... cada um trazendo seus mistérios.

Ali com meu xale e o broche com penas... pérolas e rosa, me sentia em casa... e ninguém olhava para ele com aquele julgamento que vem de fora.

Julgamento que vem de fora é aquele julgamento que a gente faz e que é baseado em medidas e regras que não vem de dentro. Por exemplo...
- Mesmo que você goste de uma coisa, você julga não poder usar aquilo porque não está na moda. Ou usa o que não gosta por querer estar na moda.
- Mesmo que te pareça absurdo o que algumas pessoas dizem e fazem, você acaba acreditando nelas e julgando-se inferior porque não está em concordância com aquilo.
- Mesmo que muitas declarações de líderes mundiais firam os direitos humanos, são aceitos porque são julgados de acordo com o poder econômico que eles detêm...

Enfim, existem mil maneiras de julgar o outro e a nós mesmos por esse tipo de avaliação que vem de fora e que não leva em conta nossa verdade mais profunda... e por isso nos afasta cada vez mais do caminho de volta para casa.

E, por incrível que pareça, as pessoas gostam muito mais quando somos fieis à nossa Alma e quando honramos nossa verdade. Aí não importa a roupa que estejamos usando nem a cor do nosso xale... tudo parece estar bonito e no lugar.

Quando estamos vestindo a verdade do outro, parece que estamos usando roupas que não nos cabem... nem na cor nem no estilo e por isso ninguém gosta... e muito menos a gente mesmo. Alguns até podem fingir que gostam caso existam outros interesses em jogo... mas quem deseja ter pessoas assim ao seu lado?

Continuando com a história do xale, um dia eu tive que ir a uma festa que não era nas montanhas... E fui bem da forma que gostava, com meu xale...
Claro que uma parte minha pensou que algumas pessoas poderiam estranhar aquele pedaço de pano meio desfiado sem arremates e completamente "fora da moda". Mas eu me sentia tão bem com ele que nem me importei com essa parte... e até me esqueci de como estava vestida... Lembro-me que rimos muito e era muito bom estar com pessoas queridas.
E quase no final da festa, uma mulher muito elegante me perguntou onde eu havia comprado aquele xale, que era muito bonito...

“A tomada do xale é um ensinamento Paiute pouco conhecido, que surgiu numa época em que alguns membros da Raça Vermelha não conseguiam mais viver no mundo dos brancos. Esses nativos Americanos que escolheram voltar para casa e abraçar os ensinamentos dos seus Anciões foram os primeiros a tomar o xale.
O xale simbolizava o retorno ao lar e aos braços da Mãe Terra e significava sentir-se envolvido pelo seu amor e sua proteção”
Jamie Sams


Sei que o caminho que estou percorrendo “de volta para Casa" ainda vai ser tecido com muitos fios... e ainda vou me cobrir com muitos xales, mas cada vez que me sinto acolhida pelo Amor da Grande Mãe me dá a certeza que quanto mais aprofundamos nossas raízes na Terra, mais nos abrimos para receber as bênçãos do Pai do Céu.



estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

Gostou?   Sim   Não  
starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1


rubia
Rubia A. Dantés é Designer, cria mandalas e ilustrações em conexão...
Trabalhos individuais e em grupo, com o Sagrado Feminino, o Dom e o Perdão...
Visite o Site do Autor

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Espiritualidade clicando aqui.


Veja também

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa