auravide auravide

Perdoar


Quando nos damos conta de que a nossa Vida tem uma estreita ligação com a Causa e o Efeito de nossas atitudes e pensamentos, começamos a entender que muitas coisas não são mais coincidências e nada que acontece conosco é por um acaso.
Tudo tem origem em nós e para nós retorna. Obviamente, algumas religiões condenam isso pela estreita necessidade de sobrevivência. Ninguém ensina o outro a só Ser, se quiser mantê-lo preso em suas pretensas verdades.
Isso posto, começamos a entender que o ato de perdoar tem como primeiro beneficiado a nós mesmos, veja...
PER, primeira sílaba de perdoar, pode parecer o início de perda, mas não é. Neste caso é PER no sentido de permitir e mesmo de parar, na acepção latina da palavra. Parar mesmo.

DOAR é se permitir entregar o que não nos serve mais. Portanto, o ato de perdão, além de nobre, é uma atitude de bloqueio de uma perda.
Jamais uma pessoa magoada conseguiu ferir a outra por nutrir este sentimento. Do contrário, se ficar muito tempo com esta postura de mágoa irá adoecer de maneira muito séria.

Uma amiga um dia me perguntou:
Quantas vezes devemos perdoar os nossos semelhantes? Questiono-me –completou-, será que perdoar demasiadamente não nos torna tolo?
Não respondi de imediato porque, embora parecendo um questionamento simples, não o é. Fiquei pensando nos dois textos que escrevi em 2005. O primeiro foi “Perdão” e o segundo “Perdão de alma”.
No primeiro texto, deixo claro que há uma estreita relação entre a nossa saúde e o ato de Perdoar. No segundo, saliento que ele, o Perdão, deve ser de alma e não falso. Perdoar de alma é esquecer o fato e JAMAIS relembrar. É nunca realizar o perdão social, aquele que sai da boca para fora.

É óbvio que as duas perguntas, em uma, demonstram que a pessoa não aceita e não entende que a vida é Causa e Efeito. Este entendimento vem em primeiro na cadeia de importância de nossas compreensões.
Na sequência, fica fácil entender que não somos tolos e sim sábios e que ninguém perde nada por ser sábio e astuto. Devemos perdoar os nossos semelhantes tantas vezes quanto o retorno de nossas atitudes imbecis do passado assim o exigir.

Quando alguém nos magoa é retorno, para sabermos entender que assim agimos para com alguém anteriormente. Nada do que colhemos é sem uma finalidade. Tudo faz parte de nossa necessidade de entendermos a vida como ela se apresenta. Ser magoado hoje é porque magoamos ontem. A fuga da mágoa, na maioria das vezes, é a comida. O magoado tem ausência de prazer.

Dei muita liberdade para as pessoas, sabem o que colhi?
Desrespeito.
Brinquei demais com as pessoas, sabem o que colhi?
Descrédito.
Fiquei muito bravo por ser desacreditado e desrespeitado. Reclamei com meu Mestre que achava injusto o que eu estava passando. Ele disse:
Olhe para o seu passado e irá entender que o que está recebendo hoje é o retorno de suas negligências... O mínimo que pode fazer é agradecer pelo mal ser pequeno. Perdoar a si mesmo e aos “professores” é um ato de grandeza.

Sei que nos veremos.
Beijo na alma.



estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

Gostou?   Sim   Não  
starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1


saul
Saul Brandalise Jr. é colaborador do Site, autor do livro: O Despertar da Consciência da editora Theus, onde mostra através das narrativas de suas experiências como extrair lições de vida e entusiasmo de cada obstáculo que se encontra ao longo de uma vida.
Visite o Site do Autor

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Espiritualidade clicando aqui.


Veja também

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa