auravide auravide

Podemos aceitar a morte e escolher viver

por Bel Cesar
Publicado dia 05/11/2008 17:43:16 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Hoje estive com uma amiga que está enfrentando um momento de grande decisão: começar ou não um novo tratamento para combater um câncer em estágio já avançado. Os médicos a estimulam a continuar, enquanto sua família não sabe o que lhe dizer, pois teme que este tratamento a faça sofrer demais.
Semana passada, ela já resolveu não receber a quimioterapia e agora ainda se questiona se é uma decisão correta parar o tratamento.

É incrível: quando estamos diante de uma situação como esta, parece que todo mundo tem algo a nos dizer, mas, na realidade, estamos sós para decidir. Afinal, seja ela qual for, a escolha é sempre nossa, só nossa.
Conselhos podem nos direcionar para um lado ou outro, mas, ao colocá-los em prática, seremos nós que teremos que passar pela experiência escolhida. Nestes momentos, só nos resta abraçar o paradoxo de unir o desejo de viver ao medo de enfrentar um tratamento que nos faça sofrer mais ainda.

Conversando, ela me disse: “Eu já estava aceitando que não tenho mais nada a fazer, mas agora esse tratamento me deixou novamente em dúvida”. Então, eu lhe disse: “O que você está me dizendo é que já está aceitando a morte, mas isso não quer dizer que esteja escolhendo morrer. Como seria continuar o tratamento sem deixar de continuar aceitando a morte?”
Assim, conversamos sobre o quanto nos faz mal separar a morte da vida... como se, ao aceitarmos morrer, estivéssemos desde já deixando de viver. Podemos aceitar a morte e escolher viver!
Em seguida, fizemos um relaxamento para sentir como seu corpo reagiria frente às suas escolhas. De olhos fechados, ela procurou sentir se alguma parte do seu corpo ficaria mais tensa diante da escolha de fazer ou não o tratamento. Mas, seu corpo permanecia igualmente relaxado, tanto para sim como para não. Assim, permanecemos em silêncio mais um pouco até que ela me disse: “Vou marcar o exame do coração para saber se tenho condições ou não de fazer o tratamento”. Então, nos abraçamos e concluímos: “Pois é, desta vez é mesmo o coração quem vai decidir!”.

O budismo nos estimula a aceitar as coisas como são. Pois, à medida que paramos de lutar contra a realidade iminente, algo natural e confiável ocorre em nosso interior. Quando estamos menos ligados nos resultados futuros e mais abertos para compreender o que está ocorrendo a cada momento em nós, nosso desafio torna-se menor e mais palpável: quando estamos mais próximos de nossas necessidades imediatas, podemos aplicar o esforço correto de acordo com nossas reais capacidades.




estamos online

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

starstarstarstarstar
O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  



Sobre o autor
bel
Bel Cesar é psicóloga, pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano desde 1990. Dedica-se ao tratamento do estresse traumático com os métodos de S.E.® - Somatic Experiencing (Experiência Somática) e de EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares). Desde 1991, dedica-se ao acompanhamento daqueles que enfrentam a morte. É também autora dos livros `Viagem Interior ao Tibete´ e `Morrer não se improvisa´, `O livro das Emoções´, `Mania de Sofrer´, `O sutil desequilíbrio do estresse´ em parceria com o psiquiatra Dr. Sergio Klepacz e `O Grande Amor - um objetivo de vida´ em parceria com Lama Michel Rinpoche. Todos editados pela Editora Gaia.
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Treinando a não-mente
artigo Horário
artigo Ativação dos sentidos interiores
artigo Amigos extrafísicos


As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa