auravide auravide

Quando falta algo para ser feliz

por Bel Cesar
Publicado dia 11/03/2009 15:48:51 em Espiritualidade

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Quem não conhece a sensação de que falta algo para ser feliz? Um sentimento de estar suspenso, à espera de poder se soltar e sentir um grande alívio. É como se nos faltasse uma longa expiração, capaz de nos relaxar a ponto de nos sentirmos profundamente enraizados, seguros em nosso mundo interior.

Falando assim, pode até parecer que o sentimento de completude seja semelhante ao processo da morte: afinal, se não fosse mais preciso nos esforçarmos para ir atrás de nada, poderíamos nos entregar e nos sentirmos completos, como uma missão cumprida com um final feliz. Escutei de um paciente que tentou se suicidar que esta era sua intenção – finalmente se entregar, mas que conforme começou a sofrer viu logo que as coisas não eram bem assim... pois a sua angústia continuava presente durante toda sua tentativa de morrer.

A morte nas telas do cinema muitas vezes é mostrada assim: após um longo suspiro, a pessoa morre como se entrasse suavemente num sono profundo, onde, finalmente, estivesse em paz.

Em nossa sociedade cristã, associamos a morte à paz eterna. Esta é uma visão que pode nos ajudar a aceitar nossa própria morte e a daqueles que amamos. Mas, este não é o ponto sobre o qual iremos nos apoiar nesta reflexão. Pois, para muitos, estar diante do processo de morte é uma vivência de entrega sofrida, onde soltar-se é uma experiência tão desconhecida quanto a de se sentir completo e satisfeito.

Gangchen Rinpoche certa vez nos falou sobre este sentimento de incompletude: “Frequentemente, sentimos falta de algo quase imperceptível, algo que não é mental, intelectual. Até mesmo nas situações privilegiadas, em que pensamos estar satisfeitos, logo surge esse sentimento sutil de que algo nos falta. Temos, então, a prova de que a vida material não é suficiente, e saímos em busca de algo mais espiritual. Esse algo que nos falta é tocar nosso próprio potencial de paz”.

A paz, segundo o Budismo, é uma manifestação natural da mente, por isso encontra-se sempre pronta e disponível. Os mestres budistas nos estimulam a compreender que aquilo que estamos procurando fora de nós se encontra em nosso interior. Neste sentido, procurar a paz fora de nós pode nos levar para mais longe dela. É como se nos desesperássemos para chegar a algum lugar, quando não há lugar nenhum para ir.

A paz não é algo que podemos compreender com um raciocínio lógico, isto é, por meio de conceitualizações. Por isso, não é possível idealizá-la, apenas reconhecê-la.

A boa notícia é que não precisamos mais esperar por algo que nos fará finalmente inteiros e felizes. Para tanto, podemos desde já reconhecer os estados de calma de nossa mente como nosso melhor patrimônio.

Lama Gangchen nos lembra: “Nosso problema é que não sabemos reconhecer a positividade. Primeiro, é preciso reconhecer a paz interna, para depois desenvolvê-la, senão a perderemos novamente”.

Este é o primeiro passo: reconhecer a presença de uma mente satisfeita. Podemos começar apenas identificando este estado mental no momento em que vamos dormir, quando aliviamos a sede ao tomar um copo d´água, quando refrescamos o corpo quente com um banho de água fresca, quando nos sentimos em sintonia com o olhar de uma outra pessoa, com a cena de um filme ou com nossa própria respiração.

Pode parecer simples demais, mas a lógica do Budismo é bem clara: o efeito dos estados mentais é semelhante àquele cultivado. Ou seja, só paz gera paz. Neste sentido, a insatisfação em si nunca pode se tornar satisfação, assim como a tristeza não se transforma naturalmente em felicidade.

Por isso, Lama Yeshe nos fala: “Não podemos esperar atingir nossa meta de felicidade universal e completa ficando sistematicamente mais tristes. Só com o cultivo, hoje, de pequenas experiências de calma e satisfação, é que seremos capazes de atingir nossa meta última de paz e tranqüilidade no futuro”.

Ao aprender a reconhecer nossa mente de paz e satisfação, estaremos treinando a confiança em nosso potencial de entrega e relaxamento. Quem sabe assim, estaremos também mais preparados para aceitar o processo da morte como uma experiência de grande relaxamento!



estamos online

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

starstarstarstarstar
O artigo recebeu 2 Votos

Gostou?   Sim   Não  



Sobre o autor
bel
Bel Cesar é psicóloga, pratica a psicoterapia sob a perspectiva do Budismo Tibetano desde 1990. Dedica-se ao tratamento do estresse traumático com os métodos de S.E.® - Somatic Experiencing (Experiência Somática) e de EMDR (Dessensibilização e Reprocessamento através de Movimentos Oculares). Desde 1991, dedica-se ao acompanhamento daqueles que enfrentam a morte. É também autora dos livros `Viagem Interior ao Tibete´ e `Morrer não se improvisa´, `O livro das Emoções´, `Mania de Sofrer´, `O sutil desequilíbrio do estresse´ em parceria com o psiquiatra Dr. Sergio Klepacz e `O Grande Amor - um objetivo de vida´ em parceria com Lama Michel Rinpoche. Todos editados pela Editora Gaia.
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Cuide da sua energia
artigo O Invisível, visível, 2
artigo Quando as Estrelas Descem Para Dançar no Coração do Homem
artigo O poder do desinteresse








horoscopo



As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa