auravide auravide

Bye Bye, Depressão


Assumir a própria impotência diante da vida gera, em muitos momentos, desanimo ou ansiedade para qualquer um, mas para quem sofre de depressão a vida foi, é e sempre será um fardo inútil a ser carregado (mesmo que por muito tempo tenha fingido para si mesma que era feliz).
Nada tem graça e nada é suficientemente estimulante e atrativo que a mobilize a sair deste estado total de apatia.

Depressão é estar muito, muito, muito triste. É uma tristeza tão grande que ultrapassa a própria tristeza, porque quando ficamos apenas tristes nos recolhemos e choramos, mas logo passa e isso pode ser algumas horas ou alguns dias. Porém, na depressão esses dias se transformam em semanas, que se transformam em meses, e, estes, em anos. E o que é pior é que a própria vida vai sendo levada junto com esta enxurrada de dor e tristeza que não tem mais fim.
É uma sensação de desilusão com a vida, a ponto de querer morrer.

A pessoa vai passando pela vida meio morta-viva e o sentimento de incapacidade de mudar esta situação, ou qualquer outra, vai aumentando progressivamente conforme passam os dias, os meses e os anos.

Pode ser desencadeada por vários fatores: perdas importantes (por exemplo: morte de alguém muito querido, divórcio, perda do emprego), o pós-parto; ou o fato de estar passando por alguma situação traumatizante (como por exemplo: roubo, seqüestro, absorver notícias trágicas pela TV) ou devido à doenças físicas (por exemplo: problemas do coração, câncer, diabetes, ou outras).

Tais situações normalmente nos colocam frente a frente com a consciência de nossa pequenez e da impotência diante da vida, e a partir deste instante, caso exista predisposição, a pessoa pode desencadear a doença.

Depressão é um distúrbio do humor, que tem característica predominante sobre o psiquismo, levando a pessoa acometida a sofrer um desequilíbrio nas relações interpessoais, ou seja, a pessoa começa a isolar-se, a olhar, sentir e perceber a vida sempre pelo ângulo derrotista e pessimista.

É uma doença crônica, que tem como principais manifestações o retraimento, falta generalizada de interesse, desanimo, choro constante, sensação de inutilidade perante a vida, perda total (ou quase) do desejo sexual (sua libido está recolhida) e que freqüentemente manifesta a idéia de suicídio.

A pessoa percebe o futuro com desanimo ou ansiedade. Portanto, passa pela vida arrastando-se com total e absoluta desmotivação. O alto nível de ansiedade é gerado ao sentir-se completamente pressionado a “ter que” agir ou resolver qualquer situação (tomar decisões) sem se sentir em condições para tanto. Este fato muitas vezes, pode estar sendo confundido com a irritabilidade.

A depressão tira a pessoa da vida, pois tira o prazer de viver. A palavra prazer não faz parte do seu vocabulário, pois não consegue perceber razão nenhuma em sua vida para que tal sensação esteja presente. Vai se afastando da vida e das situações que promovam as relações interpessoais. Não se acha com direito de reivindicar nada de ninguém, pois, da mesma maneira que sente a própria vida como um fardo, também se sente assim na vida das pessoas, como se ocupasse um lugar na vida delas que não fosse seu por direito. Acaba por ser muito dura consigo mesma.

Vai vivendo sua vida cheia de apreensões pessimistas, onde nunca se sente dando conta, numa visão até mesmo fatalista. Normalmente o depressivo “pinta” para si um quadro muito negro da vida, no máximo cinza (dependendo do grau de cronicidade).
O grande fardo que carrega, na verdade, é um só: a culpa. Culpa por existir! Como se não tivesse direito para tal. Por isso torna-se muita vezes cruel consigo mesmo, sendo extremamente rígido e intransigente, procurando “ocupar” o menor espaço possível no mundo e na vida das pessoas, privando-se de todo e qualquer prazer.
Nada de lazer, nada de receber amor ou expressão de afeto, nada de usufruir qualquer coisa, nada de felicidade. Embora muitas vezes perceba o contrário; são as pessoas que não se aproximam, são as pessoas que não são amorosas e por ai vai. Afinal, não sabe receber - seja lá o que for –como se não tivesse direito.

A tendência, então, é cada vez mais curtir o isolamento e a amargura, aumentando mais e mais a sensação de falta, pois é exatamente isto que vive - integralmente - na vida: a falta!
Coloca-se na autoprivação. Não consegue ver a abundância da vida, nem a própria capacidade de superação, colocando-se, portanto, na condição de abandono e privação.
Tudo isto é fruto daquele grande fardo: a Culpa. Sente culpa por existir, culpa por sentir necessidades físicas e emocionais.

Às vezes, as pessoas estão desanimadas e magoadas, sentindo que quando tentam algo para melhorar sua vida acontece o contrário, sentindo que não conseguem se relacionar harmoniosamente com as pessoas e muito menos amorosamente. Isto pode ser depressão. Pode estar em um grau mais ou menos intenso, mas, muito provavelmente, é depressão. Precisa passar por uma avaliação e caso seja realmente depressão é necessário tratamento profissional.A depressão sendo, então, orgânica, seu tratamento se faz através de medicamentos antidepressivos. Mas, a depressão também é de fundo emocional, então, o medicamento vai apenas aliviar os sintomas físicos e suavizar os sintomas emocionais, como a apatia diante da vida, mas não vai resolver a causa emocional. Mas, só a psicoterapia levaria um tempo exageradamente extenso para tirar a pessoa da depressão, gerando grande e desnecessário sofrimento ao paciente. Então, é fundamental, no caso da depressão, um tratamento casado: medicamento + psicoterapia.
Os remédios antidepressivos vão agir sobre as substâncias químicas do cérebro que estão alteradas, normalizando-as.
A psicoterapia vai trabalhar as “verdades” e crenças que colocaram a pessoa na depressão.

Existem várias alternativas para o tratamento da depressão atualmente, como os florais, a acupuntura, a meditação e as mentalizações (como as técnicas de neurolingüistica). Jung nos oferece a técnica de mentalização que ele chamou de imaginação criativa. São todos tratamentos que tiram a pessoa do estado de depressão com grande eficácia e dão a possibilidade da pessoa se relacionar com a vida num nível mais elevado, construtivo e de confiança, revendo sua auto-imagem e os significados que dá para a vida e as situações em que vive, resgatando a fé, a esperança e uma perspectiva positiva de futuro para si e para sua vida.
Então, dependendo do caso, a pessoa em depressão, pode se utilizar, juntamente com a psicoterapia, estes outros tratamentos e não, necessariamente, medicamento antidepressivo.

Todos os nosso sentimentos e problema de saúde emocional ou físico são como “sintomas” do nosso estado de espírito ou de alma.
Acredito que toda doença - física ou emocional - seja predominantemente psicossomática. Por que tem pessoas que desenvolvem uma doença e não outra? E por que tem pessoas que desenvolvem uma doença num nível até mesmo fatal enquanto outras pessoas que adoecem da mesma doença depois do “susto”, curam-se, às vezes, até rapidamente...

A genética já nos provou que trazemos - cada um de nós - em nossa ontogenia - pré-disposição para desenvolver uma ou outra doença; mas, acredito que temos também uma pré-disposição psicológica para desenvolver um ou outro estilo de vida. Então, dependendo da pré-disposição psicológica podemos desenvolver ou não uma doença. Caso a pré-disposição ontogenética seja muito forte, e dependendo da pré-disposição psicológica, a doença pode acontecer em maior ou menor grau. Acredito que o fator psicológico seja predominante na vida da pessoa, tanto para a saúde como para a doença, física ou emocional.

A depressão é uma doença reconhecidamente hereditária; portanto, se a pessoa tem principalmente pai, mãe ou irmão que têm ou que já tiveram depressão, é um forte candidato a desenvolver a doença.
Então, partindo desta idéia - da pré-disposição psicológica - entendemos que a pessoa que tem depressão, desenvolve a depressão “cultivando” crenças e um estilo de vida que a coloca nesta condição.
É claro que tudo acontece inconscientemente, porque ninguém, conscientemente, vai querer viver no sofrimento em que a depressão o coloca.

As nossas crenças são formadas por idéias. Para se “colocar” nesta condição - depressão - são “necessárias” idéias sobre si e sobre a vida muito negativas, duras, amargas, implacáveis e onde impera o desamor.
Para a cura da depressão, a psicoterapia vai trabalhar essas idéias negativas e autodestrutivas, resgatar a auto-estima, recuperando o direito à vida e a um lugar no mundo, por direito. Neste caso, e dependendo do caso, a utilização de tratamentos alternativos associados à psicoterapia acelera, significativamente, a cura.
Para sair da depressão é preciso fazer pequenas e muitas coisas, mas tem que ser de forma determinada. A pessoa precisa estar determinada a se auto-ajudar.

Viver e se desenvolver como pessoa e ser humano dá trabalho, mas não precisa ser com sofrimento e dor, muito pelo contrário; a vida pode ser leve e prazerosa, é preciso, apenas, olhar com outros olhos a paisagem que se nos descortina. Podemos pintar a nossa vida com cores escuras ou claras, nós escolhemos. Precisamos sempre apostar na Vida - a Vida é bela! É preciso aprender a se auto-elogiar; elogiar uma comida saborosa que se fez ou um trabalho bem sucedido - mesmo que seja uma coisa simples - foi você quem fez!

Não precisa esperar por ninguém: elogie-se!
Há como sair do estado de depressão. É preciso buscar os caminhos!




estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

Gostou?   Sim   Não  
starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1


maria
Maria Aparecida Diniz Bressani é psicóloga e psicoterapeuta Junguiana,
especializada em atendimento individual de jovens e adultos,
em seu consultório em São Paulo.



Veja também

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa