Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade

Conheça o mapa emocional das Vítimas e dos Abusadores Perversos

Conheça o mapa emocional das Vítimas e dos Abusadores Perversos Publicado dia 12/9/2019 1:28:13 AM em Psicologia

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

"Só tenho valor se eu agradar, as minhas emoções não importam, não posso ter sentimentos próprios".

Todas as vítimas possuem um medo subterrâneo de qualquer anúncio que possa significar uma possível rejeição, são portadoras da doença do "medo de cara feia".

Pessoas que nascem dentro de sistemas abusivos parentais, desde muito cedo são doutrinadas a cuidar dos conflitos emocionais de seus cuidadores, num pacto inconsciente em nome de se garantirem em alguma segurança afetiva.

Essa realidade não permite que crianças sejam crianças, sendo que os pais as castigam com toda sorte de humilhações, quando estas não cumprem com o papel a elas destinado. Como resultado e sem alternativas possíveis, muito antes do tempo, tais crianças vão se tornando pequenos adultos perdendo grande parte de suas espontaneidades.

Na medida em que as infâncias vão sendo roubadas, em primeiro momento, aprendem a ficar atônitas e atentas aos humores dos pais e, na sequência, das pessoas com que vão se relacionando. Medo, vergonha e inibição são notas fortes dentro deste esquema.

Ao longo da vida, as vitimas não têm coragem de falar a verdade do que sentem ou percebem por medo de serem rejeitadas e de não receberem o carinho almejado. Como esse medo é avassalador, muitas desenvolvem-se na arte da sedução, sendo especialistas em detectar os sentimentos e desejos alheios. Sempre no intuito de serem vistos com benevolência, fazem o impossível para servirem a todos. Guiados pelo subterrâneo pavor de se sentirem isolados e desamparados, respondem ao mundo com forte tendência a submissão.

A causa destes comportamentos vem da época na qual foram doutrinados e modelados a viverem em função das demandas parentais em meio a ameaças, de castigos como os pais ficarem por dias os ignorando, num tratamento de silêncio e de negligência que evidenciava o quanto que eles eram o problema. Estes pais jamais reconheceram um erro sequer de conduta por parte deles, jamais admitindo qualquer tipo culpa. Nessa macabra dinâmica abusiva, crianças se veem obrigadas a fazer toda sorte de demandas e nunca sabiam o que poderiam estar fazendo de errado e que frequentemente resultava em infinitas formas de retaliações. Como trauma de vida, o terror que se iniciou desde muito cedo, perpetua-se e o medo é como se o fim do mundo fosse acontecer novamente. A dinâmica emocional recorrente é a da falência dos sentidos emocionais e das forças, o período de recuperação e a ilusão de que se pudesse ficar em paz, porém, com o medo do retorno deste imenso mal- estar. A crença subliminar inconsciente, entre outras, é a de que "sou frágil, não posso suportar, não sou digno de ser amado, não sou uma pessoa boa e por isso cedo a tudo".

A diferença entre vítimas e abusadores perversos está na consciência que podem ter sobre as manipulações em geral e também sobre o que as movem, bem como a capacidade de se sentirem culpadas e também poderem fazer importantes reflexões a ponto de se libertarem deste ciclo de abusivo. O Narcisista Perverso, por sua vez, tem o mesmíssimo medo de abandono que as vítimas e também seduz o outro manipulando, só que de forma totalmente diferente. Ele, no princípio, também adula, faz tudo o que o outro quer além de elogiar e de parecer ser um igual, mas quando percebe que o vínculo foi instalado, quando ele percebe que já conquistou, para não perder o tal vínculo, ameaça a sua escolha afetiva de abandono, que é o que ele e a sua vítima mais temem. Um jogo de poder e sedução. Quem será que ganha para não perder o vínculo? Aquele que manipula se submetendo ou aquele que manipula para que o outro sinta que precisa dele? Ambas variáveis pertencem ao mesmo tema. São dois lados da mesma moeda. Dois reféns da mesmíssima dor emocional. Um, de tanto terror que deve ter passado e por não aguentar o medo do abandono, está totalmente dissociado destes primeiros e terríveis sentimentos; o outro também está adoecido, só que não perdeu a consciência da sua dor e tem todas as chances para se recuperar.

Relações desta ordem se iniciam com a assombração do efeito-sombra onde fatalmente em algum momento o abandono acontecerá. Um aprendizado excepcional para quem quiser desvendar e se libertar dessas redes ilusórias impedidoras de uma vida com mais qualidade.

Todos podem pegar essa onda do despertar e com ajuda terapêutica eficiente surfar em sua própria cura emocional.

Quanto mais despertos, melhor!

por Silvia Malamud


Obrigado por votar

O artigo recebeu 15 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

Consulte grátis

Mapa Astral   Tarot   Numerologia  


Sobre o autor
Silvia Malamud é colaboradora do Site desde 2000. Psicóloga Clínica, Terapias Breves, Terapeuta Certificada em EMDR pelo EMDR Institute/EUA e Terapeuta em Brainspotting - David Grand PhD/EUA.
Terapia de Abordagem direta a memórias do inconsciente.
Tel. (11) 99938.3142 - deixar recado.
Autora dos Livros: Sequestradores de almas - Guia de Sobrevivência e Projeto Secreto Universos

Email: malamud.silvia@gmail.com
Visite o Site do Autor

Veja também
Como fazer alguém gostar de mim?
Faça as pazes com Você



Continue lendo
Como fazer alguém gostar de mim?
Faça as pazes com Você
Quem leva quem? II
O vazio que a ausência provoca

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa