auravide auravide

Individualizando a visão de mundo adquirida


Estou vindo a vocês hoje para discutir uma questão absolutamente crucial envolvendo a diferença entre:
- ter sentimentos e/ou estar sensibilizado
- ter sensibilidade e/ou deixar-se sensibilizar pelos outros e pelas situações.
- compreender e/ou tornar-se cúmplice


Muitas vezes, em nossa vida de relação, nos vemos na situação de precisar compreender o OUTRO.
Contudo, podemos não nos aperceber que estamos, de fato, tentando submeter o OUTRO à nossa ótica filtrando-o (com ou sem razão) através dos nossos costumeiros pontos de vista. Fazendo isso não nos apercebemos (ou reprimimos) a consciência de que estamos nos baseando na persistente suposição (inconsciente / infantil) de que todos sejamos iguais e, portanto, funcionamos da mesma maneira.

Qual a diferença entre sentir e estar sensibilizado? O que faz com que cada um de nós possa oscilar entre condenar e absolver, entre encontrar uma explicação plausível e endereçar ao OUTRO uma reprimenda ou uma condenação? Por que a maioria dos pensamentos se traduz por um pensar por categorias de valor?
Se comungarmos um PRECONCEITO, nós todos, adeptos do mesmo grupo, vibraremos em uníssono diante dos mesmos fatos e apresentaremos juízos parecidos ou equivalentes.

Qual a sutil diferença que há entre ter sensibilidade e tornar-se cúmplice?
Quase nunca este estado de desidentificação é atingido e então, ao invés de usar nossa sensibilidade psíquica para atingir uma desidentificação de nós mesmos (para ensaiarmos uma legítima compreensão) procuramos SENTIR o OUTRO e então, em milissegundos, entramos em “cumplicidade” com ele, sem nos apercebermos disto.
Geralmente o resultado é que acabamos por encontrar as desculpas convenientes que nos permitirão evadir de nossa responsabilidade pessoal perante tudo e todos, para que possamos continuar ligados ao OUTRO, sem ameaçar a ele nem à relação, sem dizer um não, sem colocar um limite, sem oposição alguma...

O fato é que esta é uma diferença sutil, pequena e, no entanto, que atua e modifica enormemente os resultados de nossas ações sobre os outros:
O fato é que, quando usamos nossa SENSIBILIDADE, a noção do EU se dissolve, por um momento, ou é deixada de lado, por intermédio da desidentificação e do desapego, de modo a permitir o ato de sensibilidade e a "percepção ampla" da situação que engloba a nossa presença e a dos outros em uma situação real.
Isto se dá com um mínimo de interferência do EU, sem uma influência tão decisiva dos usuais filtros pessoais e sem os desvios (de percepção) criados por nossos desejos, interesses, intencionalidades...
Só nesta condição podemos compreender o OUTRO sob a perspectiva do OUTRO e não pela nossa particular perspectiva. Nesse sentido uma visão de perspectiva e de relatividade dentro do espaço/tempo nos dá condição de exercitar a nossa perspectiva, a do OUTRO e até de algumas outras, dentro do exercício das probabilidades.

Só deste modo, pode ALGUÉM ser capaz de compreender e perdoar a si mesmo ou aos OUTROS. Mesmo quando há conflito ou quando a divergência de opiniões mostrar-se insuperável, ainda assim, a situação resolve-se melhor se somos capazes de REAL DESPRENDIMENTO.
Este leveza no trato com as coisas da vida só é atingida quando fazemos uma limpeza em nossos valores e preconceitos. Ao faze-lo deixamos de comungar inconscientemente com a família e a sociedade e nascemos para a consciência da responsabilidade e sentido de nossa presença no mundo.
Sair da ilusão dói, mas não há outro caminho.
“Limpar a percepção" de todos os valores aprendidos ou herdados é uma tarefa e tanto para a MENTE CONSCIENTE (acostumada a tudo VER e a tudo JULGAR por padrões adquiridos do mundo e/ou enraizados em sua PARTICULAR experiência dele).
Sem esta limpeza não há maturidade nem sabedoria possíveis. Sem esta revisão não há autêntica transformação.


estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

Gostou?   Sim   Não  
starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1


luis
Luís Vasconcellos é Psicólogo e atende
em seu consultório em São Paulo.




Veja também

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa