Home > Psicologia

Intragressividade e depressão

por Luís Vasconcellos

Intragressividade e depressão

Temos que ter uma agressividade natural, que é o que, em nós mesmos, dá suporte instintivo para a originalidade, a ousadia, a disposição positiva diante dos desafios e assim por diante. Sem agressividade o EU não tem desejos e não luta para realizá-los...
Quem se encontra destituído (podado/proibido/surrupiado) de uma DOSE NATURAL de AGRESSIVIDADE, NECESSÁRIA a uma VIDA SAUDÁVEL e FELIZ, acaba negociando mal as inúmeras situações da vida prática e amorosa, especialmente aquelas em que a defesa do Eu e dos valores do EU é necessária ou mesmo imprescindível.

A agressividade reprimida é UMA das causas da depressão...
Ainda hoje respondi a e-mails cujo tema principal é a dificuldade que as pessoas têm para elaborar sentimentos negativos e impulsos agressivos.

A grosso modo podemos dizer que as pessoas se diferenciam entre as que são INTRAGRESSIVAS e as que são EXTRAGRESSIVAS, com possíveis graduações infinitas entre as modalidades ATIVA e PASSIVA.
No extremo da extragressividade temos os tipos violentos/revoltados que não hesitam em atacar e ferir...
No extremo oposto temos os inibidos/conformados e que sofrem quietos sem jamais agir agressivamente contra quem quer que seja, por melhor que seja o motivo e mesmo que isto seja justo...

Obs.: Para efeito desta reflexão em particular não vou comentar todos os caminhos da energia vital, que podem ser muitos, talvez infinitos, mas vou me ater APENAS ao modo específico como ela se apresenta no âmbito do funcionamento do EU INTRAGRESSIVO.
Faço votos de que NINGUÉM (!!!) entenda que só é possível a felicidade humana ATRAVÉS de uma perspectiva extragressiva... Tudo tem a sua hora e o equilíbrio/paz/alegria são atingidos pelo EU que se faça capaz de AMBAS as atitudes, dependendo da pessoa, da situação, da hora e do lugar...


Uma pessoa que tenha uma agressividade bem colocada, não fica na dependência do OUTRO autorizar ou concordar com suas ações e decisões.
Claro que é muito bom quando encontramos espaço, na relação, para exercer nossas individualidades e vontades pessoais. Contudo, não podemos fantasiar que estejamos vivendo este ideal na vida prática, pois ele tem que ser conquistado e dificilmente vem assim sem esforço e aprendizado individual...
Não podemos agir espontaneamente se a nossa primeira preocupação é a de agradar o OUTRO.
E, se alguém negocia mal os “confrontos de interesses” então o resultado é a frustração pessoal (a falta de individualidade!) e instala-se também o mau costume de fazer do OUTRO a “desculpa preferida” para explicar/justificar a frustração, tédio ou falta de ânimo individual.
Já que somos seres que possuem desejos e interesses pessoais, então, não pode nem deve ser transferida ao OUTRO a responsabilidade INDIVIDUAL de agir em busca do prazer e da realização pessoal.
O EU lNTRAGRESSIVO se esquece de que o OUTRO não tem obrigação de concordar nem de facilitar a sua realização pessoal. Se esta facilitação ocorre é ótimo, e podemos falar de AMOR/cooperação e, se não ocorre, podemos contar com o fato de que algum vínculo de PODER ou de dominação (de um pelo outro) esteja sendo a principal preocupação. Não é incomum que, com o tempo, os “tipos” se acomodem em uma relação de “jogo de poder” onde acaba estabelecida a regra de que um “tudo pode” e o outro “nada pode”.
Exatamente por acontecer esta “transferência de responsabilidade pessoal” o OUTRO aparece, aos olhos do EU INTRAGRESSIVO, como um obstáculo à realização dos desejos pessoais tornando-se, portanto, a sua “desculpa preferida” [ele(a) não me deixa ser feliz!] e este estado de coisas constitui um motivo freqüente de frustração, mágoa, brigas e discussões... E tem gente que jura amar a pessoa que, por outro lado, é a culpada e a responsável pela sua frustração individual!!!

Existe um ciclo de condicionamentos e de processos emocionais que aparece embasando a atitude - geralmente trágica - do EU INTRAGRESSIVO.
Geralmente, é a agressividade reprimida que transforma um EU em um “sofredor passivo” - um “engolidor de sapos”, como se diz - e esta atitude do EU dificulta a negociação dos inúmeros aspectos relevantes nos relacionamentos com os OUTROS, de todos os tipos, já que TUDO QUE OCORRE EM UMA RELAÇÃO INTERPESSOAL SIGNIFICA, POR PRINCÍPIO, UM CONFRONTO DE FORÇAS, MUITAS VEZES OPOSTAS, E É DESTE CONFRONTO - porém, não obrigatoriamente um conflito - QUE SURGE UMA NEGOCIAÇÃO/ACORDO ENTRE AS PARTES ENVOLVIDAS.

Sem uma agressividade natural ficamos submissos ao que “está posto” e ficamos incapazes de gerar mudanças ou transformações em nossas vidas. Sem um objetivo ou uma meta verdadeiramente nossa ficamos sem uma referência individual e, assim desorientados, acabamos sem uma ESTRATÉGIA PESSOAL diante dos desafios e dificuldades da vida.
De modo que, se tomarmos – em nosso código de valores internalizado, a agressividade como algo negativo e censurável, ALGO MUITO COMUM EM UMA SOCIEDADE DE MASSAS COMO A NOSSA - sofreremos um prejuízo considerável em nossas próprias vidas, já que parcelas vitais da vida serão afastadas de nossas considerações pessoais.

Um processo muito importante de se entender refere-se aos sentimentos negativos como raiva, mágoa, orgulho ferido e outros assemelhados que se instalam na medida em que a nossa agressividade tenha sido estimulada por pessoas ou circunstâncias imprevisíveis, frustrando-nos, de algum modo.
Tomemos como exemplo o fato de um EU ter se sentido desrespeitado pelo companheiro e entender que tinha razão - assim como o fato do EU em questão não ter defendido seus pontos de vista a contento e acabar sendo “vencido” na briga/discussão/negociação.
Ora, a energia vital que tenha sido mobilizada em direção à realização pessoal, esbarra e é contida pelo OUTRO e, por conta da repressão e censura da agressividade natural, permanece embutida e sem saída... Pois bem, esta energia irá se transformar em um primeiro momento no conhecido sentimento de mágoa (a raiva pelo que o OUTRO fez - como obstáculo ao meu prazer e crescimento - se transforma em mágoa contra ele). O Eu construtor da mágoa encontra então o culpado por isto: o OUTRO e passa a nutrir - silenciosamente, em um primeiro momento - raiva/mágoa dirigida ao OUTRO.
Mas, a energia de mágoa - se continuamos passivos e sem agir de acordo com os nossos mais válidos e justos impulsos agressivos - tem que ir para algum lugar, de preferência, claro, em direção àquele que a motivou/originou: o OUTRO. Então, surge o desejo de vingança e a necessidade da retaliação – palavra derivada do exercício da lei de Talião: “olho por olho dente por dente”.

Mas pode ser que a retaliação não ocorra no futuro próximo e então a mágoa – originalmente contra o OUTRO - começa a sofrer uma transformação e se apresenta assim pelos seguintes fatos:
- O EU não ter dito o que queria dizer.
- O EU não feito o que quis fazer naquela situação.
- O EU ter sido, como sempre, o bonzinho, aquele que não dá vexame, não briga, não grita nem esperneia... Infelizmente, este bonzinho também é o mesmo que “engole sapos”, um atrás do outro, como quem não se respeita e não se valoriza...
Enfim, um EU que não sabe negociar as situações de discussão, briga, disputa e competição...

Então, se é que já notaram, o EU ficou primeiro com raiva do OUTRO, depois magoado com o OUTRO e, finalmente, começou a magoar-se consigo mesmo, pois a energia que tinha a direção do OUTRO não teve como sair e agora ela SE TRANSFORMOU em uma mágoa e uma agressividade voltada contra o próprio EU.
Este estado de coisas acaba gerando um sentimento negativo de desvalia e de auto-recriminação. Neste contexto a auto-estima vai se rebaixar e o EU se sentirá vencido e derrotado...

Neste estágio o EU já se encontra “desistindo” de atingir o OUTRO com o que quer que seja, mesmo porque, decerto, o OUTRO já nem lembra mais o por quê do EU estar magoado com ele. Como se não bastasse isto, que já é, em si, bastante desagradável, o EU se lembra agora - neste estágio do processo e para seu próprio desespero - que o OUTRO vai repetir, a qualquer momento, a atitude ou comportamento que ORIGINOU A MÁGOA... E isto ocorrerá inapelavelmente pelo fato de que o EU não foi capaz de estabelecer um limite para o OUTRO, de fazê-lo entender claramente que o OUTRO não pode fazer isto, não deste jeito e agora, o OUTRO, sem dúvida poderá a qualquer momento magoar o EU de novo, que sentirá toda aquela mesma raiva novamente...
Isto deixa o EU “com um pé atrás” e o Administrador da Dor – que reside em cada um - vai cuidar diligentemente, dali por diante, para que isto não se repita e, ao menor sinal de que isto se repetirá o EU vai fugir da briga e tentar controlar a situação de outro modo, dando um jeitinho qualquer para evitar o confronto.
(sugere-se, para melhor compreensão deste processo a leitura de meus artigos a respeito do “Administrador da Dor”).
... Continuando... Este EU sem agressividade natural vai pensar: ....
“Aliás, a melhor maneira é concordar com tudo (brigar e discutir não leva mesmo a nada!!!). Taí! Pronto! Nem haverá briga e todos ficaremos em paz. É horrível fazer isto, pois demonstra o quanto o EU é covarde e sem respeito por si mesmo!
Minha culpa, minha culpa, minha máxima culpa...
Mas, é preferível isto a ter que brigar e discutir a toda hora e forçar o OUTRO ao que quer que seja... O EU não tem o direito de obrigar ninguém a fazer o que não quiser fazer, mesmo porque o EU odeia quando se vê forçado deste jeito e é o que mais acontece... O EU odeia quando o colocam nesta situação... É! o jeito é o EU se calar e agüentar tudo que vier pela frente...”

Assim se dá o ciclo - processo - pelo qual passa a energia agressiva reprimida. Este ciclo - com infinitas gradações - vai do impulso que:
- leva à ação = extragressivo e/ou
- não leva à ação = intragressivo - o que enseja a autoflagelação, a autocomiseração e a auto-indulgência (sentir pena de si mesmo!).

Este não é um processo imutável ou fixo e podemos mudar suas características sempre que despertamos a consciência individual e agirmos de acordo para mudá-la.
O mais importante de tudo é aprender a corrigir a posição de “inércia trágica” e tomar decisões, fazer escolhas e manter-se concentrado em um objetivo libertador, qual seja, o de sair do ciclo, modificando o seu desenrolar e as suas já sabidas conseqüências danosas.
Esta é uma das funções de uma terapia de apoio: restabelecer os equilíbrios naturais na pessoa e torná-la apta a fazer uso apropriado e sadio dos recursos que a natureza lhe deu.

Uma das “medidas úteis” que o EU pode tomar é a de aprender a NÃO ENCHER o “coração” de mágoa; ou seja, se tiver de dizer algo pra alguém, diga-o; se tiver de fazer alguma coisa em relação a um problema, faça-o; se não ficou satisfeito com o que falou ou com o que disse (ontem?) para alguém, volte lá e melhore a qualidade da sua expressão pessoal;
Ou seja, você precisa aprender a FAZER coisas que agradem a v. mesmo, ficando mais feliz com o que conseguir a partir disto: a partir do fato de ter tentado, ter agido, ter arriscado, ter se projetado na situação de modo individual e pessoal.
Se, nestas circunstâncias, algo não der certo v. terá - ao menos - o consolo de TER AGIDO... E PODERÁ DIZER: eu me movi na direção de ser feliz, agi para realizar/atingir o meu desejo, procurei ser eu mesmo... Deste modo, a “mágoa voltada contra si mesmo” não mais existirá: sairá de sua vida.
O segundo fator a ser modificado é aprender a negociar “contratos” com os outros, ou seja, dar a si mesmo o direito de ser feliz, experimentar pequenas e grandes vitórias, dar a si mesmo o direito de ficar satisfeito com o resultado das negociações com os outros e sair (das situações) contente com os resultados obtidos.
Todos sabemos que em uma “boa negociação” todas as partes encontram sua parcela de satisfação...
Portanto, nas relações humanas, em geral, ficamos mais felizes quando nos convencemos que (provavelmente!) ninguém pode saber, melhor do que nós mesmos, o que nos serve ou aquilo que nos fará felizes; do mesmo modo ninguém pode fazer por mim o que EU tiver de fazer por mim. Ninguém (provavelmente!) irá proporcionar o que o EU de fato deseja, a menos que o EU mostre claramente o que deseja e aja de acordo, para atingir a realização disto.
Neste sentido nós não temos que ser bonzinhos, certinhos e bem comportados e, sim, aprender a lutar o “bom combate.” Ou seja, temos que nutrir e despertar uma agressividade natural... Na medida certa, nem pouco nem demais...
Um EU autêntico costuma desenvolver qualidades naturais como a doçura e a delicadeza, a elegância e o equilíbrio, pois sua força só é usada, e bem dosada, quando necessária e na dose certa para que o EU, no mínimo, evite “engolir sapos” e saia das situações frustrado consigo mesmo...
Uma agressividade natural e bem colocada também cria (ou enseja) a possibilidade da compaixão e da misericórdia... Um EU que se encontre sempre magoado não conhece a experiência da compreensão nem a do perdão.

Um EU autêntico vive no AGORA, vive no momento presente, que é o momento e o tempo no qual alguma coisa tem que ser decidida, algum desfecho terá que ocorrer... É no AGORA que temos que tomar decisões e fazer escolhas individuais.


Consulte grátis
Mapa Astral   Tarot   Numerologia  
 
Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp



Luís Vasconcellos é Psicólogo e atende
em seu consultório em São Paulo.

Visite seu Site
Email: luisvasconcellos@hotmail.com
Visite o Site do Autor
Publicado em: 21/10/2005 11:41:40

Veja também
Você resolve o problema amoroso dos outros, mas não consegue resolver o seu?
O que está por trás de nossas expectativas? - Parte III
2019 - Angústia em Busca da Verdade
Reprograme seu cérebro
Deus está em todos os lugares e dentro do seu coração também
O que interessa é o hoje!


Deixe sua opinião sobre este artigo


© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.
As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo do Site.


Energias para Hoje
terça-feira, 23 de julho de 2019

energia
I-Ching: 34 – TA CHUANG – O PODER DO GRANDE
O momento é favorável para tomar atitudes, mas você deve saber usar corretamente o poder de que dispõe. A verdadeira força é a que nunca se afasta do caminho da justiça.


energia
Runas: Perdhro
Ganhos inesperados, revelações agradáveis.


23
Numerologia: Expansão
Bom dia para vendas, propaganda e promoção em qualquer área. Você pode fazer sua própria sorte hoje, permita-se a ousadia e busque vantagens para sua vida. Canalize sabiamente essa energia e atue de modo decisivo.




Horóscopo

Áries   Touro   Gêmeos   Câncer
 
Leão   Vírgem   Libra   Escorpião
 
Sagitário   Capricórnio   Aquário   Peixes





 
© Copyright 2000 - 2019 Somos Todos UM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa