Home > Psicologia
Para que serve a lógica?

Para que serve a lógica?

por Flávio Gikovate

Ainda me surpreendo quando penso mais seriamente sobre a condição humana e sobre a maneira como a maioria das pessoas a encara. Acreditam que o uso de palavras pode resolver alguma coisa, ao mesmo tempo em que ficam calmos e apaziguados quando são capazes de definir uma situação ou um anseio por uma palavra específica. Muitas são as pessoas capazes de ficar mais serenas porque sabem o nome da sua “doença”; elas estão sempre preocupadas em saber se determinada atitude é “normal” ou “anormal” e se ficam cientes de que é “normal”, já estão reasseguradas.

Assim também a maioria das pessoas sonha com um estado que se costuma chamar de liberdade, sem ao menos se preocupar em saber que estado é este e, principalmente, como se chega lá. Por simplicidade acreditam que o homem será livre quando uma dada sociedade se constituir e a ele atribuir tal condição de poder fazer tudo o que tiver “vontade”; não é fácil se perceber que este dia jamais chegará e que as coisas não são tão fáceis assim, tanto do ponto de vista social como do individual. E mais: tal crença que supervaloriza os poderes do “social” sem os explicar direito, pode estar a serviço de levar uma pessoa a abandonar a introspecção - percebida como “inútil” - condição muito atraente porque o se conhecer é doloroso.

Além de doloroso, o autoconhecimento é extremamente difícil, porque é um processo racional no qual temos que entender como funciona nossa própria razão. Numa metáfora ao gosto dos tempos atuais, é como se um computador tivesse que aprender a maneira de como foi construído, coisa que tem que correr em paralelo com sua utilização cotidiana. Muito pouco ainda sabemos sobre este processo fantástico - e, em muitos aspectos mágico - que consiste no funcionamento das células cerebrais capaz de gerar pensamentos.

É como se este sistema, extremamente sensível, fosse capaz de registrar sensações - que são guardadas, através do que se chama de memória, uma coisa por si só absolutamente assombrosa - captadas pelos órgãos dos sentidos (a partir deles são recebidas “informações” do meio exterior). Através do sistema nervoso periférico chegam “informações” do próprio organismo.

A situações, objetos e também sensações aprendemos - desde o segundo ano de vida - a associar palavras que a elas correspondem dentro de um sistema construído por criaturas que nos antecederam e que constituíram a linguagem como parte do processo de utilização de sua razão. Depois de termos guardados na memória um número razoável de situações, objetos e sensações - e seus respectivos nomes, ou seja, palavras que os representam - podemos nos aperceber com facilidade das condições em que elas se repetem. Assim, somos capazes de “reconhecer” objetos, situações etc. O passo seguinte consiste em podermos correlacionar objetos entre si, objetos ou situações com emoções, etc. Surgem as frases, aglomerados de palavras que refletem o estabelecimento deste avanço.

Junto com este primeiro avanço maior se cria o primeiro problema sério. É o seguinte: e se estabelecermos correlações que não correspondem aos fatos reais? Isto se dá, admitida a honestidade do sistema racional, por precipitação a partir de uma correlação casual e que não se confirmaria em um grande número de experiências (que, evidentemente, a criança ainda não tem).

E mais: como saber quais as correlações realmente certas e aquelas equivocadas? Aquilo que se chama de lógica foi um esforço no sentido de se sistematizar um conjunto de regras capaz de reduzir ao mínimo a margem de erro nas correlações. É evidente sua utilidade ao menos no modo de pensar dos adultos; no entanto, uma criança poderá se apegar a determinadas correlações apressadas, especialmente se estiverem envolvidas fortes emoções. Vale registrar desde já que o pensamento lógico também pode ser um impeditivo parcial para o próprio processo criativo; aquilo que se chama de intuição seria o estabelecimento de uma correlação entre duas coisas sem que se tenha absolutamente dados para isto.

Apesar de estar sujeita a erros graves essa é também a via usual das mais importantes descobertas; o esforço de décadas tem, por vezes, o objetivo de se encontrar os meios de provar aquilo que, por intuição, já se sabia desde o início.


Consulte grátis
Mapa Astral   Tarot   Numerologia  
 
Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp


Obrigado por votar
Gostou deste Artigo?   Sim   Não   
Avaliação: 4 | Votos: 4
Atualizado em 05/05/2006 11:29:36

Flávio Gikovate é um eterno amigo e colaborador do STUM.
Foi médico psicoterapeuta, pioneiro da terapia sexual no Brasil.
Conheça o Instituto de Psicoterapia de São Paulo.
Faleceu em 13 de outubro de 2016, aos 73 anos em SP.
Email: instituto@flaviogikovate.com.br
Visite o Site do Autor

Veja também
CRISPR: Evolução artificial
Não conheço o horário de meu nascimento...
Umbanda - A alegria dos filhos de fé
Adeus aos preconceitos!
Feliz é aquele que sabe o que quer...
Você já despertou?


Deixe sua opinião sobre este artigo


© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.
As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Stum não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo do Site.


Energias para Hoje
terça-feira, 19 de novembro de 2019

energia
I-Ching: 03 – CHUN – DIFICULDADE INICIAL
O início de todas as coisas é freqüentemente trabalhoso e difícil. Mas basta manter-se paciente e perseverar.


energia
Runas: Sowilo
Seja transparente. Dia excelente , força vital e sucesso.


19
Numerologia: Originalidade
Mudanças ha muito consideradas podem ser bem feitas hoje. Seja diferente e original. Este é o dia para o exercício da individualidade.
Experimente o novo e o ainda não tentado. Mantenha-se independente e decisivo e, sobretudo, tenha coragem de agir de acordo com os seus sonhos.




Horóscopo

Áries   Touro   Gêmeos   Câncer
 
Leão   Vírgem   Libra   Escorpião
 
Sagitário   Capricórnio   Aquário   Peixes





 
© Copyright 2000 - 2019 Somos Todos UM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa