auravide auravide

Sexo, Amor, Erotismo e Pornografia - Parte 6

por Flávio Gikovate
Publicado dia 19/06/2008 13:45:10 em Psicologia

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

ALGUMAS REFLEXÕES DE ORDEM MORAL

É evidente que se pode também pensar pela rota mais usual e ponderar que a pornografia pode estar estimulando nossos apetites sexuais para além do razoável. E mais, que junto com este eventual aumento do erotismo, estaria sendo libertada também energia agressiva, ou seja, que a pornografia estimularia também a delinqüência, a criminalidade de todo tipo e, principalmente, os crimes de natureza sexual, como é o caso do estupro.
Essa dúvida vem sendo desfeita por meio da análise e observação dos fatos. A verdade é que nunca se conseguiu provar que a pornografia tivesse algum tipo de responsabilidade no aumento ou na diminuição de qualquer crime. Mesmo assim, os argumentos dessa natureza têm sido usados por pessoas denominadas moralistas que consideram esse um bom motivo para ser contra as fantasias eróticas e sua expressão prática.

É difícil pensarmos sobre moral quando estamos refletindo sobre um único indivíduo. Essa questão é essencial quando existe algum tipo de prejuízo imposto indevidamente à outra pessoa. Se não houverem prejudicados, como no caso da pornografia, não poderemos falar em atos criminosos ou imorais. Poderíamos pensar sobre a moral de um modo mais restrito, ligado apenas à saúde física e mental. Por esse raciocínio, seria imoral tudo aquilo que pudesse ser prejudicial para a própria pessoa e moral aquilo que lhe fosse benéfico ou inofensivo. O uso de drogas, por exemplo, poderia ser considerado imoral por causar dano às pessoas que fazem uso delas. As drogas ainda envolvem a questão moral no sentido mais amplo, já comentado, pois existem traficantes que induzem jovens ao seu uso, provocando-lhes óbvios prejuízos.

Ainda do ponto de vista da saúde física e mental, nada se pode falar contra a pornografia, que apenas materializa fantasias eróticas que as pessoas teriam de qualquer modo. Elas ativam as práticas sexuais ou são o alimento para a masturbação e já vai longe o tempo em que os médicos tinham alguma dúvida a respeito de eventuais malefícios da masturbação. Hoje sabemos que ela tem até mesmo um efeito benéfico, relaxando tensões e facilitando a indução do sono, principalmente nos homens.
A verdade é que são muitas as pessoas que vêem no sexo uma importante forma de prazer e estão dispostas a ativá-la ao máximo. Para estas, o material erótico que a indústria produz é uma coisa boa, pois permite que o sexo se exerça mais no domínio da fantasia, o que pode ser vivido com mais segurança, inclusive sem os riscos de adquirir doenças sexualmente transmissíveis. Para aquelas pessoas que preferirem uma vida mais “recatada”, basta que se abstenha de procurar esse tipo de estímulo.
A verdade é que nunca se conseguiu provar que a pornografia tivesse algum tipo de responsabilidade no aumento ou na diminuição de qualquer crime.

Um outro ângulo da reflexão moral pode ser encaminhado na análise do que seriam as manifestações naturais da nossa sexualidade. Assim, o que é natural é moral e o que é antinatural é imoral. Aí, então, a questão se complica de vez. Sim, pois uma das práticas sexuais mais comuns é a da homossexualidade, o que seria antinatural e, portanto, imoral. A verdade é que não sabemos se a homossexualidade é, de fato, antinatural. Freud, por exemplo, achava que todos nós nascemos com predisposição para práticas homo e heterossexuais, de modo que, de seu ponto de vista, a homossexualidade não seria antinatural.

Acho melhor continuarmos a respeitar apenas o princípio mais geral da moral, segundo o qual há dano – por isso sendo conduta imoral – quando alguma pessoa se prejudica em virtude de atos de terceiros, ou é obrigada a fazer coisas contra sua vontade. Se o ato for inofensivo e de consentimento mútuo, tudo bem. Desse ponto de vista, até mesmo alguns exageros provenientes da associação do sexo com a agressividade, própria do comportamento denominado sadomasoquista, podem ser tolerados, pois são fantasias comuns a muitas pessoas e, na prática, só se dão por consentimento recíproco.

Seria imoral o material pornográfico mostrando o estupro, por exemplo, da mesma forma que é lamentável o uso de crianças em algumas revistas eróticas – crianças não têm condição de consentir ou não. Porém, felizmente, não é o que predomina. No material pornográfico existente, geralmente todo mundo está superfeliz, fazendo sexo por prazer, parecido com as brincadeiras sexuais infantis; tudo é alegre e descompromissado, o que nem sempre ocorre na vida real.


estamos online

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp

starstarstarstarstar
O artigo recebeu 1 Votos

Gostou?   Sim   Não  

Leia Também

Sexo, Amor, Erotismo e Pornografia - Parte 5




Sobre o autor
flavio
Flávio Gikovate é um eterno amigo e colaborador do STUM.
Foi médico psicoterapeuta, pioneiro da terapia sexual no Brasil.
Conheça o Instituto de Psicoterapia de São Paulo.
Faleceu em 13 de outubro de 2016, aos 73 anos em SP.
Email: [email protected]
Visite o Site do Autor

Veja também
artigo Treinando a não-mente
artigo Horário
artigo Ativação dos sentidos interiores
artigo Amigos extrafísicos


As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.

auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa