auravide auravide

Organ Donation and Corpse Cremation


By GUILHERMINA BATISTA CRUZ
English version by LILA DE ARAUJO RAYOL

I shall touch two very controversial issues as they usually imply "the religious view" that most people seem to have when dealing with ORGAN DONATION and CREMATION OF REMAINS, after one meets with physical death.

Having received many e-mails presenting questions about such concerns, it was felt that I should try to address such subjects from the point of view of Spiritism, the doctrine founded by Allan Kardec and his many adepts and followers. I am presenting below the answer given a lady who is an organ donor and wanted to know how would the deceased person feel or would be affected by the extirpation of the donated organ on the onset of death.

As we face death, we have to consider our cultural as well as our religious conditioning as to what sensations, if any, are still there to be experienced and the fear of having such sensations. Nevertheless, we should be aware that death is simply our passing away to another dimension, and that there will be no remembrances of such transition, unless we have already entered a higher evolutionary level and one in which we can even help our spiritual friends, those who form a first aid crew responsible for separating recently deceased people from their physical body.

Kardecism has brought light through the teachings of spiritual friends who have recommended that organ donation should be encouraged and supported by explanations, since such an act should be viewed as a manifestation of faith, and not simply that, but one that is clearly based upon reasoning. So, it indicates that the fear involving death is an unnecessary feeling.

As pointed out by Allan Kardec, "the uneasiness following death is not painful, depending on the deceased having done good while living, it is a quiet state, very much like the way we feel during a quiet awakening in the morning" (Allan Kradec, The Book of Spirits, Question 165).

As we mention "a person who has done good" it implies that while living the person was not greedy, as far as material possessions were concerned. At this point, we should add that it all depends on what level of spiritual evolution that person has reached so as to which sensations are to be experienced at death. And this has to do not only with organ donation and corpse cremation but it all depends on how that person conceived death, if an end to everything or the doorway to a new beginning, life starting all over again. Kardec, in his book BETWEEN HEAVENS AND HELL, considers that "Man does not fear death, but the transition that death implies."

Our spiritual friends have assured us that there are no negative reflexes for the deceased person whose organs have been donated, whether as a voluntary act by the person while still living or authorized by relatives after death. Organ donation mitigates the pain and suffering of our fellow men, being in agreement with the principle of reaping the fruits of one's labor, that is, organ donation is an act of love and the person who donates will receive great benefits after leaving the physical body to return to the spiritual realm.

We know of messages of the dead thanking their relatives for having authorized the donation of their organs and reporting how well organized the spiritual helping crews are, so that donations are easily processed with no negative effects, adding many benefits instead, such as well being and renewed spiritual balance. It is explained that such first aid spiritual crews are highly prepared and enlightened, helping the deceased so as to avoid suffering to the dead. It is recommended that relatives and friends who are part of the scene where such processes are occurring may offer great help by engaging in collective prayers and vibrations of love.

So, what the spiritist doctrine reveals is that when donating one of more organs at death, the deceased will meet with no bad effects, unless still too much attached to material life, which is the case for those who are yet to awake for the divine love in their hearts. This is something mostly unlikely to happen in organ donation, as it is felt that those who have become consciously inclined toward organ donation have already reached a considerable degree of spiritual development.

Even for those spirits who are yet to reach a high degree of spirituality, but have their organs donated by relatives, support will be given by the assisting spiritual teams. When such is the case, the only probable disturbance to be felt has to do with the way the deceased used to face death, and this varies in accordance to the evolutionary stage of each one. In some cases, the feeling will be that of "the balm of freedom", in others, instead, a difficult moment felt by the less enlightened ones. Suffering depends on imperfection, so, the spirit carries pain or bliss within him or herself, wherever such spirit may happen to be.

What has been said about organ donation applies to body cremation as well, since it all depends on the spiritual evolution of the deceased whether or not a difficult moment will be experienced as the body is cremated. That is, the deceased may have problems, or not have any at all. For this reason, Spiritism does recommend that a period of 72 hours after death should pass before cremation is carried. This three day period is necessary for the complete separation of the fluids between the physical and the spiritual structures and while undergoing such process the deceased is left in a sleeping condition. How that spirit will be awakening in the spiritual sphere is provided according to the spiritual awareness and development already attained. Such stage will determine whether any "good" or "bad sensation" will be experienced.

It should be noticed that even without any cremation, those spirits who are yet to develop a spiritual view of life and are found still very much involved with material life, may feel their body desintegration following death and consequent burial.

As one develops spiritualistic knowledge and becomes aware of the need for detachment from material things, it becomes clear that the physical body is but a tool used by the spirit to be able to manifest in this world where there are lessons to be learned, work to do and new realms of reality to conquer. Those who have yet to reach the necessary degree of enlightenment, and for this reason tend to feel their physical body desintegration more intensely at death, do also receive the support of those blessed spirits who form first aid crews to surround and help the recently deceased to go through the process of extinction of the dense fluids of material life, so as to find themselves as complete spiritual entities at the end of such process. As mentioned by Kardec, spirits are the maker of their own fate and are usually in a position to prolong suffering or mitigate it or even avoid it entirely, by doing good deeds.

While still alive we should try to change our ideas and concepts as to what happens to our physical bodies, becoming aware that physical extinction is just a transitory phase and one that receives the contribution of our spiritual friends, so much so that returning to our home, the spiritual realm where we truly belong, is just a natural phase in eternal life. Also it should be kept in mind that the spirit survives the physical body and both burial or cremation are processes that only have to do with the corpse. Whether one or the other process is to be applied to the remains, expressing the will of the person or the deceased's family decision, the spirit instead will proceed toward integration with the Universe.

As we become growingly aware of the true meaning of life, we also become capable of giving due value to the moments we are to live on Earth and understand the physical body as a working tool to reach spiritual knowledge and enlightenment, redeeming the past but knowing that when the moment comes to leave our carnal world, we continue our journey into another dimension.

So, we should be prepared through serene attitudes and actions to be able to leave the physical world smoothly when our time comes, allowing us to move quietly and easily while making the transition into the spiritual realm.

Doação de Órgãos e Cremação
por Guilhermina Batista Cruz

Irei abordar dois temas que são bastante polêmicos, principalmente no que se refere à "visão religiosa" que muita gente traz, que são a doação de órgãos e a cremação.

Tendo recebido vários e-mails com perguntas a respeito desses dois assuntos, resolvi discorrer um pouco sobre eles à luz dos ensinamentos espirituais.
Transcrevo abaixo a resposta dada a uma irmã que é doadora de órgãos e queria saber como isso afetaria o espírito desencarnado em relação ao sofrimento físico que poderia ocorrer quando da morte e retirada dos órgãos para doação.

Nós trazemos os condicionamentos da nossa cultura e de nosso passado religioso em relação à morte, no que diz respeito às sensações que podemos ter e ao que vamos sentir, e ficamos atemorizados por isso. Mas a morte é apenas a nossa passagem para uma outra dimensão e certamente não iremos guardar lembranças desta passagem a não ser que já estejamos num nível de evolução maior e possamos - inclusive - auxiliar os amigos espirituais que são responsáveis pelo nosso desligamento do corpo físico.

A doutrina espírita nos esclarece, através dos ensinamentos dos amigos espirituais, que a doação de órgãos deve ser incentivada, com esclarecimentos e conscientização, já que se constitui numa manifestação de fé, de fé raciocinada do medo da morte, que não mais existirá após nossa conscientização.

Segundo o que nos diz Allan Kardec, a "pertubação que se segue à morte nada tem de penosa para o homem de bem, ela é calma e em tudo semelhante à que acompanha um despertar tranqüilo". (Allan Kardec, L.E, questão 165).

Quando falamos de homem de bem, estamos nos referindo às suas atitudes e ao seu desprendimento em relação às coisas materiais. Então aqui, a gente já pode dizer que dependem da evolução espiritual as sensações que ele poderá ter após o seu desencarne, e isso não diz respeito somente à doação de órgãos e a cremação; vai depender de que forma ele encara a morte, se como um fim de tudo, ou um início ou recomeço de vida.
Allan Kardec, no livro Entre o Céu e o Inferno, nos diz também que "O homem não tem medo da morte, mas da transição".

Nos asseguram os amigos espirituais de que não existem reflexos negativos para o espírito desencarnado na doação de órgãos, mesmo em doações involuntárias (doações autorizadas pelos familiares).

Quem faz uma doação de órgãos está aliviando a dor e o sofrimento do próximo, portanto, está de acordo com a máxima que diz que colheremos aquilo que semearmos, ou seja, doar órgãos é um ato de amor ao próximo e aquele irmão que doa, muito se beneficiará quando abandonar a matéria em retorno ao plano espiritual.

Há mensagens de espíritos desencarnados que agradecem a iniciativa dos familiares e asseguram que as equipes espirituais socorristas são tão organizadas que as doações se processam tranquilamente, sem repercussões negativas e com muitos benefícios, como bem-estar e reequilíbrio espiritual, pois as equipes que acompanham as doações são de alta capacidade e luz espiritual, dando cobertura ao desencarnado para que nada sinta. Os familiares podem ajudar bastante nesses momentos, em que se efetuam as doações, através de preces e vibrações de amor.

Enfim, o que a doutrina espírita nos deixa claro é que, ao doarmos um órgão quando desencarnamos, não vamos ter repercussões do lado espiritual, a não ser em casos de extremo apego à matéria, como é o caso de espíritos que não manifestam ainda o amor divino em seus corações, o que é muito incomum em doações, pois aqueles que doam órgãos conscientemente em vida, já possuem uma abertura espiritual.

Mesmo no caso daqueles espíritos que não têm esclarecimentos e cujos órgãos são doados pelos familiares, se vierem a sentir alguma perturbação, serão amparados e aliviados pela equipe espiritual que os assiste.

Nesses casos, só sentirão a perturbação inerente ao desencarne em si, que varia de acordo com o estado evolutivo de cada um, podendo para alguns ser um "bálsamo de libertação" e consistir em momentos difíceis para os menos esclarecidos. O sofrimento depende da imperfeição e, em vista disso, o espírito traz consigo a dor ou a benção de não sentir nada, onde quer que se encontre.

Quanto à cremação, ocorre o mesmo que a doação de órgãos, em se tratando da evolução espiritual do desencarnado, ou seja, ele poderá vir a ter problemas ou não, por isso a doutrina espírita recomenda respeitar um período de 72 horas para se fazer a cremação. Mas, nesses casos, há todo um cuidado por parte dos assistentes espirituais e com certeza nenhum espírito esclarecido sentirá os efeitos em seu perispírito.

O espaço de 72 horas é apenas para que se proceda normalmente ao desligamento dos laços fuídicos que ligam o corpo físico ao corpo espiritual, e assim sendo, os espíritos ficarão adormecidos e só despertarão no mundo espiritual e aí então, dependendo de sua evolução, é que ele poderá "sentir alguma coisa".

Devemos enfatizar que mesmo que não houvesse nenhuma cremação os espíritos ainda muito distantes de Deus e apegados à matéria também poderiam sentir o efeito da decomposição de seus corpos através do sepultamento.

Pelo conhecimento e o desapego às coisas materiais, descobre-se que o corpo físico é passageiro, é máquina de que se serve o espírito para cumprir sua tarefa e progredir. Aqueles espíritos menos esclarecidos que desencarnam e sentem de forma mais intensa a desagregação do corpo também são ajudados pelos espíritos superiores até que o fluido material mais denso seja extinto e então eles se descobrirão inteiros. Ainda segundo Kardec, o espírito é sempre o árbitro da própria sorte, podendo prolongar os sofrimentos, ou suavizá-los e anulá-los pela prática do bem.

Devemos procurar acima de tudo, nos desapegarmos de idéias e conceitos sobre a extinção do nosso corpo físico, pois devemos estar cientes que teremos sempre o acompanhamento de nossos amigos espirituais no retorno ao nosso verdadeiro mundo. A idéia que devemos ter em mente é que o espírito sobrevive ao corpo, e tanto o sepultamento quanto a cremação são processos que lidam com o cadáver, expressando a vontade de cada um, pois eles apenas cuidam dos despojos da matéria, enquanto nosso espírito seguirá em direção à vida maior que pulsa no universo.

À medida que despertarmos e entendermos o verdadeiro sentido de nossa vida, estaremos aptos a dar o devido valor aos momentos que passamos na terra encarnados e poderemos entender que é através do corpo, (nosso instrumento de trabalho) que o nosso espírito se ilumina, resgatando o passado, mas, quando o perdemos, continuamos a nossa caminhada em outra dimensão.

Devemos, pois, nos prepararmos moralmente através de atitudes e ações mais serenas, para que quando soar a hora de retornarmos, possamos estar tranqüilos para mais facilmente se realizar a nossa transição para a vida espiritual.



estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

Gostou?   Sim   Não  
starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1


clube WebMaster é o Apelido que identifica os artigos traduzidos dos Associados ao Clube STUM, bem como outros textos de conteúdo relevante.
Visite o Site do Autor

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre STUM WORLD clicando aqui.


Veja também

As opiniões expressas no artigo são de responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa