auravide auravide

CONCLUSÃO PRECIPITADA

Facebook   E-mail   Whatsapp

Reflita sobre como costumamos agir

Um jovem abriu a porta e viu o amigo que há muito tempo não via. Estranhou que ele estivesse acompanhado de um cão. Cão forte, saltitante e com ar agressivo. Abriu a porta e cumprimentou o amigo efusivamente.

- Quanto Tempo!

- Quanto tempo - respondeu o outro.

O Cão aproveitou a saudação e entrou casa adentro. Logo ouviu-se, um barulho na cozinha que demonstrava que ele tinha virado alguma coisa.

O dono da casa "esticou as orelhas". O amigo visitante, porém não reagia.

- A última vez que nos vimos foi em...

O cão passou pela sala, entrou no quarto, e novo barulho, desta vez de coisa quebrada. Houve um sorriso amarelo do dono da casa, mas perfeita indiferença do visitante.

- Quem eu vi esses dias foi a ... você se lembra dela?

Nisso o cão saltou sobre um móvel, derrubou um abajur, logo trepou as patas sujas no sofá e deixou nele a marca digital do seu crime.

Os dois amigos, tensos, agora fingiram não perceber.

Por fim o visitante despediu-se e já ia saindo da casa, quando o dono perguntou:

- Não vai levar o seu Cão?

- Cão? Ah, Cão! Oh, agora estou entendendo. Não é meu não. Quando entrei, ele entrou comigo tão naturalmente que pensei que fosse seu!

Você percebeu que nesta história engraçada, podemos nos encontrar perfeitamente em determinadas situações, do dia a dia?

Nós devemos nos cuidar mais antes de tirarmos conclusões precipitadas, e pressupor algo que não temos completa certeza.

Zhannko Idhao Tsw


Recebido de Soraya Souza



Facebook   E-mail   Whatsapp




As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo de uso STUM.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa