auravide auravide

HIPOCRISIA

Facebook   E-mail   Whatsapp

Só se pode falar daquilo que se conhece bem. Ninguém consegue identificar, descrever ou apontar aquilo que não conhece. Uma questão de lógica, de coerência.

Tudo o que identificamos e apontamos nos outros, é justamente o que está bem identificado e reconhecido dentro de nós. Não adianta nos enganarmos. Aquilo que ainda ignoramos nos passa em branco e não pode nos incomodar, pois não sabemos do que se trata. Já tudo o que conhecemos nos amedronta, justamente pelo medo que temos de sermos desmacarados.

Aquilo que nos incomoda nos outros, é justamente o que se remexe dentro de nós tentando se esconder.

Aquilo que nos revolta no mundo, é justamente aquilo que se debate no nosso peito, fugindo da nossa própria consciência.

Aquilo que nos enoja no ser humano, é justamente o que nos constrange a mente e faz encolher a alma diante do espelho.

Aquilo que condenamos nos outros, é justamente o que temos de mais o vergonhoso em nossa própria memória.

Aquilo que nos faz ferver o sangue de indignação, é justamente o que de mais indigno trazemos dentro de nós.

Condenamos o ladrão que se apropria dos bens alheios, mas não reconhecemos o ladrão que há em nós quando roubamos a paz e a alegria de outras pessoas.

Condenamos a prostituta que vende o corpo para sobreviver, mas nem sequer olhamos para a prosmicuidade da nossa própria alma, vendendo-se a quem oferecer mais elogios, mais agrados, mais vantagens.

Condenamos o viciado que se aliena envenenando o próprio corpo, mas não vemos a alienação voluntária a que nos entregamos ao buscarmos a embriaguês do supérfluo.

Condenamos a violência descontrolada dos que matam indiscriminadamente, mas não enxergamos violência na indiferença com que olhamos as pessoas na rua.

Condenamos a corrupção pública, mas ignoramos propositalmente a forma como corrompemos nossos próprios filhos ao premiá-los pelas notas, pelos diplomas, pelos sucessos.

Condenamos a maledicência alheia, mas não nos furtamos a disparar nós mesmos o boato quando dele podemos tirar vantagem.

Apressamo-nos em desmascarar a hipocrisia que anda à nossa volta, mas guardamos a sete chaves o falso moralismo com que nos defendemos das acusações da vida.

Todos temos o dedo torto e cheio de verrugas, como os dedos feios que inventamos para as bruxas dos contos infantis, e é com esse dedo que apontamos o dedo de bruxa dos outros. É com esse dedo defeituoso que pretendemos apontar o caminho reto para os outros. É com esse dedo deformado
que queremos ressaltar o defeito nos dedos dos outros.

Mas um dia o corpo tomba e, com ele, cai também a máscara que insistimos em carregar pela vida afora. E quando isso acontecer, não será necessário que dedos alheios nos venham apontar as deformidades e os defeitos, pois, em oposição ao dedo que trazíamos sempre apontado para os outros, estarão três outros dedos nossos, completamente disformes e endurecidos, que sempre estiveram ali nos alertando, mas que nunca tivemos coragem de saber para onde apontavam.

(recebido espiritualmente por Maísa Intelisano - junho/2003)
mintelis@uol.com.br


Aproveite a reflexão e vibre numa energia renovada com esta mandala...

Facebook   E-mail   Whatsapp




As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo de uso STUM.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa