Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade

Moça Lua

Moça Lua
Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp


Nos tempos muito antigos, para os nossos índios, tanto o Sol como a Lua habitavam aqui na terra. Como nos conta a lenda, só existia o dia e a noite sendo que esta última era muito temida. A noite sempre encerrou muitos segredos e era tabu. Os pajés sempre alertavam toda a aldeia para não se meterem com os segredos da noite, pois ela era um ser vivo, antromorfo.

"Todos os homens bons dormem à noite, só os indivíduos maus andam por aí" é o que diz o mito.
As conseqüências de tal procedimento imperdoável não se faziam esperar: os animais que habitam a noite como o escorpião, a aranha, a grande formiga branca e a cobra, mordiam o malfeitor. E, quando ele chorava de dor, era atirado mato adentro, pelo pajé, que de admoestador passava a desempenhar o papel de executor de sentença. E o homem mau transformava-se em um bicho da noite, em um dos seres sinistros que perfazem seus horrores, como a coruja.

Mas vamos então à nossa lenda...

Muito antigamente só havia a noite e o dia. E a noite era tão escura que deixava os homens assustados e aconchegados em suas casas, ao pé do fogo. Em toda a tribo, só uma índia não tinha medo da noite. Ela saía na escuridão e voltava com os cabelos cobertos de vagalumes. Passeava na beira do rio, mas todos ficavam tranqüilos porque ela dizia que não havia perigo.

Esta índia era diferente de todas as outras, pois nascera com a pele muito branca e nada lhe metia medo, muito menos uma noite escura. Entretanto, havia uma outra índia de olhar escuro como a própria noite que não via o ato da outra com bom coração. A inveja foi crescendo dentro dela e um dia tentou caminhar noite a dentro, mas acabou cortando os pés nos gravetos e seixos da margem do rio.

Cheia de ódio e inveja, foi então falar com a cascavel:
-"Cascavel, preciso de teu auxílio".
-"Para o bem ou para o mal?", perguntou a rastejante.
-"Para o mal".
A cascavel bailou feliz, pois sua vida e seu veneno estavam a serviço dos maus trabalhos:
-"Que quer que eu faça?".
-"Que mordas o calcanhar da índia branca".
-"A que não tem medo da noite?".
-"Esta mesma".
-"Para matar?"
-"Que fique escura, verde, velha e muda".
A cascavel mais uma vez saltou de alegria e prometeu:
-"Hoje mesmo!"

À noite quando a índia branca foi fazer seu passeio, a cascavel se arrastou e ficou debaixo de uma pedra esperando. Quando a índia passou cantando, a cascavel deu o bote, mas se deu mal, pois a jovem tinha os pés calçados com duas conchas de madrepérolas. A cobra acabou quebrando os dentes e com eles perdeu seu veneno:
-"Índia infeliz, o que fizeste comigo!"
-"O que pretendias tu fazer comigo?"
-"Ia te fazer escura, verde, velha e muda"
-"Fui salva então, pelo sapato de conchas que o boto me deu".
-" E eu fiquei sem dentes e sem veneno".
-"Mas porque que querias me transformar?" indagou a índia branca.
-"Porque és linda e a índia escura não suporta tua presença..."
-"Foi ela que te mandou?"
-"Sim, pois ela sofre".
Então a indiazinha branca começou a chorar, jamais imaginou despertar tanto ódio à alguém. Suas lágrimas eram gotas de luz, tão leves que flutavam e permaneciam no céu. Todos os índios se espantaram com o acontecimento, pois agora a noite já não era tão escura.

Depois da índia chorar muito disse:
-"Não posso mais viver entre os que me odeiam". E passou por cima das águas do rio, até o outro lado. A cascavel meteu-se em um buraco de onde nunca mais saiu.

Chegando ao outro lado, procurou a coruja:
-"Mãe coruja, ajuda-me a chegar ao céu".
-"Minha filha, pede e eu farei".
Então a jovem foi colher cipó e flor de manacá. Trançou tudo e fez uma escada muito linda. Pediu então a coruja:
-"Voa bem alto e suspende esta escada para que eu possa subir".

A coruja obedeceu e chegou até a porta do céu com a maravilhosa escada e a índia branca subiu. Chegou até a céu, acomodou-se em uma nuvem e lá ficou para nunca mais voltar.
Os índios ao olhar para o céu viram aquela forma reclinada branca e brilhante, vagando entre as nuvens, rodeada de lágrimas de luz.

Disseram:
"A lua, a lua!"

A índia escura e invejosa olhou e ficou cega de ódio. Contam que foi morar na cova da cascavel, pois nunca mais foi vista.

Moça Lua, no entanto, continua até hoje a povoar a noite. E os homens sonham um dia, poder construir uma escada igual à dela, para poder ir ao seu encontro.

Lenda Gaúcha segundo Walmir Ayala.
www.cultodavida.online.pt/story/2004/7/8/125850/2622

Publicado em:




As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo de uso STUM.


Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa