Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade

Mulher e Trabalho

Mulher e Trabalho
Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp


Uma reflexão para Ontem

Uma Sereia emergiu no final do século passado e revirou a história: a Mulher Moderna. Irrompeu tão fortemente, cortou elásticos e emparelhou-se ao Masculino. Encurtou as saias, vestiu terninho, transformou a moda. E pisou feminina, leve e delicada.

Determinada e frenética essa Mulher!

Fez-se uma heroína dos desenhos animados, sem o estalar dos dedos. Assinou rupturas e, com seus talentos, tomou conta de tudo: família, trabalho, casa, talões de cheques, cartões de crédito... Ah! Fez Curso Superior, organizou festas, freqüentou academias, pra que mais?

A sua conta cresceu no banco: o majestoso prestígio, o status triunfal da Mulher.
O mundo estendeu tapetes à Mulher Moderna!

É... a sua conta cresceu: sobrecarregou-se de tarefas, a jornada de trabalho multiplicou, a "independência" aumentou... Que paradoxo! E a Mulher Maravilha não percebeu, ainda!

"Trabalha, trabalha, trabalha, t-r-a-b-a-l-h-a"! Raios! Mulher, não aprendeu a fazer contas?! Primeira hora da manhã... segundo período, terceiro turno... período noturno, horas-extras aos sábados, domingos e feriados... e nas férias... trabalho!

Filhos?! Melhor não vê-los...
Marido? Um estranho no ninho...
Ressalva: Filhos? Melhor não tê-los...
Marido? Alguém tem que ceder...

Nessa séria brincadeira de cérebro pensante e atuante, a mulher está inflada. Ocupou tanto espaço que... nem é bom falar! A sociedade, os lares, as escolas, as creches, tudo se modificou em função da brilhante Mulher. E cá dizendo: Brilhante mesmo! Mas homens e mulheres não são iguais perante a lei... Há as devidas proporções.

A família e o profundo relacionamento foram deslocados para a nova cultura. E tudo aquilo que se transforma provoca custos, vantagens e cálculos. Ah! As contas, Mulher! Faça as contas! Ninguém quer de volta o modelo excessivamente rígido de antes, a era agora é a pós-moderna.

Onde está essa mulher orgásmica que cantou o canto da Sereia? Em sua maioria, num belo e prazeroso legado de responsabilidades. Muitas outras, saboreando o néctar do espaço conquistado. Um grande número está só, com a educação dos filhos e o sustento da casa. Quantas delas, "desencaminhadas ou bem encaminhadas" na pressa do cotidiano... Mais outras, na solidão moral e material... E a maioria delas, despercebidas de que o futuro já passo...

Não sou socióloga, antropóloga, jornalista, historiadora... Sou Mulher! Fui profissional do trabalho. A reflexão é tão somente um flash para provocar sensibilidade, revisão do script da Mulher e, quem sabe, novos questionamentos neste Blog.

Será que a gaiola apenas mudou de tamanho e lugar?

"O desejo é conciliar as vantagens da solidariedade familiar e as da liberdade individual". Michelle Perrot

Maria Auxiliadora Cardoso de Lima
Publicado em:




As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo de uso STUM.


Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa