auravide auravide

Não Adentre a Noite Apenas com Ternura

Facebook   E-mail   Whatsapp

Não adentre a noite apenas com ternura.
A velhice queima e clama ao cair do dia.
Fúria, fúria contra a luz que já não fulgura.

Embora seja ao sábio, no fim, a treva que perdura,
Pelas palavras que não reluzem à centelha tardia,
Não adentre a boa noite apenas com ternura.

Ao bom, no ultimato, chorando com tristura
Suas fracas ações, na dança que as brilharia,
Fúria fúria contra a luz que já não fulgura.

Ao Livre, qual sustou o sol, do voo, com fartura,
E aprendeu, tarde, que assim seu caminho afligia,
Não adentre a boa noite apenas com ternura.

Ao sério, rente à morte, que vê com negrura.
A Cegueira pode, qual cometa, queimar em alegria.
Fúria, fúria contra a luz que já não fulgura.

E a ti, meu pai, rezo eu, que da triste altura,
A mim pragueis e benzeis, com sua lágrima bravia.
Não adentre a boa noite apenas com ternura.

Fúria, fúria contra a luz que já não fulgura.

Dylan Thomas
(1914-1953)



Facebook   E-mail   Whatsapp




As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo de uso STUM.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa