Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade

Ontem....

Ontem....
Compartilhe
Facebook   E-mail   Whatsapp


Ontem, meu pensamento era um veleiro que oscilava de um lado para outro com as ondas, e se movia ao sabor dos ventos de uma praia a outra.

E o veleiro de meu pensamento estava vazio de tudo. Só possuía sete vasos, cheios com tinta de sete cores diferentes, tal um arco-íris.

Um dia, enfadei-me de viajar pelos mares e decidi voltar com o veleiro vazio do meu pensamento para a terra onde nascera.

E comecei a pintar meu veleiro com cores amarelas como o pôr do sol, e verdes como o coração da primavera, e azuis como o teto do céu, e vermelhas como o horizonte em chama; e desenhei sobre as velas e o timão formas estranhas que atraem a vista encantam a imaginação. Entrei então no porto da minha terra, e o povo todo saiu ao meu encontro com aleluias e regozijos, e conduziram-me à cidade ao som dos tambores das trombetas.

Fizeram tudo isso porque o exterior do meu veleiro era colorido e atraente, mas ninguém entrou no interior do veleiro do meu pensamento. E ninguém perguntou o que havia trazido do além-mar no meu veleiro.

Então disse comigo mesmo: "Enganei a todos, e com sete vasos de cores, iludi seus olhos e sua imaginação".

Um ano depois, embarquei novamente no meu veleiro.

Visitei as ilhas do Oriente e lá recolhi a poeira do ouro, o marfim, o zircônio e as esmeraldas, e todas as demais pedras preciosas. E fui às ilhas do Norte e delas trouxe as sedas e os escudos mais aperfeiçoados, e todas as variedades de armas.

Enchi o navio de meu pensamento de todas as coisas valiosas da terra e de todas as curiosidades.

E voltei ao porto da minha terra, pensando:

"Agora, meu povo me glorificará com razão e me receberá com regozijo merecido".

Mas, quando atingi o porto, ninguém saiu ao meu encontro, e percorri as ruas da cidade, sem que ninguém me desse a menor atenção.
E falei nas praças públicas, enumerando os tesouros que havia trazido. Mas o povo olhava-me com desprezo ou zombava de mim e passava. Voltei ao porto, triste e perplexo. E quando vislumbrei meu navio, dei-me conta de uma coisa de que não me apercebera nas ocupações de minha viagem. Gritei, dizendo:

"As ondas do mar apagaram a pintura das paredes do meu navio.
E os desenhos das velas murcharam sob o efeito do calor do sol e dos ventos e da espuma do mar.
Reuni os tesouros do mundo num caixão flutuante e voltei a meu povo; e ele me renegou, pois seus olhos só vêem as aparências"...

Gibran Khalil Gibran
Publicado em:




As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo de uso STUM.


Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa