auravide auravide

PODAR

Facebook   E-mail   Whatsapp

Quando eu era criança, encontrei, um dia, um jardineiro, com uma tesoura enorme
na mão. Fiquei revoltado quando vi que ele, com a sua tesoura, começou a cortar os galhos mais tenros de todas as plantas.
Reclamei, agarrei-o pelo braço. Ele sorriu e pediu-me que, depois de um mês, eu voltasse a ver o resultado do que tinha feito...
E, de fato, um mês depois todas as plantas estavam ainda mais belas e cheias de vida... Foi assim que aprendi o segredo das podas...
Quando li, no Evangelho, que o Criador e Pai poda justamente os galhos que dão frutos, entendi, aceitei, porque eu já sabia o efeito da poda...
Por que todos nós temos a tentação de imaginar que os sofrimentos que nos chegam são castigos de Deus?!... Por que não pensar que Deus permite sofrimentos físicos e morais, como o agricultor que poda suas árvores, para que dêem mais fruto ainda?!...
Por mais que o sofrimento nos desnorteie; por mais que certos sofrimentos pareçam absurdos e revoltantes, agarremo-nos a estas duas certezas, como quem se agarra a dois cabos de aço: Deus existe e Deus é Pai.
De vez em quando, não vemos nada, não entendemos nada. Ficamos como árvores, carregadas de folhagem e que, depois da poda, se reduzem a galhos secos, que lembram braços esqueléticos que se erguem para o alto pedindo clemência a Deus.
Quando encontrarmos pessoas esmagadas assim pela morte repentina de pessoas queridíssimas, pelo abandono... quando encontrarmos criaturinhas, em cima de uma cama, cansadas de sofrer; ou pessoas curtindo ingratidões amargas ou injustiças revoltantes, o melhor, muitas vezes, é a gente nem se meter a dar explicações que não explicam, não convencem e deixam a criatura que está sofrendo mais esmagada ainda...
Em horas assim, nada como uma presença silenciosa, de quem faz sentir, sem palavras, como está acompanhando, como está sofrendo junto...
Em momentos assim, é mais fácil, baixinho, sem palavras, em pensamento, falar dos homens a Deus, do que nos metermos a falar de Deus aos homens.
Pai, não permitais que ninguém guarde a impressão de que não és Pai. Claro que nem sempre os filhos entendem o que os Pais, por vezes, são obrigados a fazer para o seu próprio bem... Mas quando as Criaturas já não aguentam mais, quando estiverem desesperadas, em risco de enlouquecer, Pai, tens um milhão de meios de provar que não estás distante, indiferente, surdo e mudo por detrás das nuvens, mas ao contrário, estás perto, pertinho, pertíssimo e nunca, em instante algum, deixas de ser Pai!

Dom Hélder Câmara

Facebook   E-mail   Whatsapp




As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo de uso STUM.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa