auravide auravide

SABEDORIA DE MESTRE

Facebook   E-mail   Whatsapp

Certo dia andava Confúcio pelas margens silenciosas do rio Amarelo, colhendo, aqui e ali, um crisântemo atordoado pelas libélulas, quando se aproximaram dois camponeses, em cuja humildade a experiência leu, desde logo, os sinais da perfídia.

- Este homem, - disse o primeiro - tem em dúvida a tua sabedoria. E como eu lhe afirmasse que tu jamais te enganarias, venho pedir-te, Mestre, que nos acompanhes até à aldeia próxima, onde o povo aguarda a tua santa palavra para a definitiva solução de uma contenda.

Colhendo, aqui e ali, um crisântemo, o sábio tomou, sem pressa o caminho do povoado. A barba, lisa e grossa, tombava-lhe pelo peito largo, orlando-lhe o rosto de bronze.

E foi assim, com a calma nos gestos e a serenidade no coração, que parou, com os dois guias, à sombra de uma cerejeira, em torno à qual os homens se amontoavam. Amarradas ao tronco da árvore, duas ovelhas olhavam a turba que as cercava, indagando, com os olhos inocentes, o motivo daquela curiosidade.

Entre o silêncio de todos, o homem sem fé explicou o motivo da disputa:

- Estas duas ovelhas, Mestre, são mãe e filha. São, porém, tão semelhantes em tudo, que ninguém poderá dizer qual a filha, qual a mãe. Eu assegurei, porém, que a tua sabedoria venceria a dificuldade, esclarecendo essa dúvida de todos nós.

Quieta, olhos pregados no solo, a multidão esperava ansiosa, a opinião do Mestre. Sem uma palavra, Confúcio afastou-se alguns passos, colheu na terra agreste um punhado de relva úmida, e atirou-a ao chão, entre as duas ovelhas. Uma baixou a cabeça, aspirou a erva, e empurrou-a, com o focinho para a outra. Esta baixou a boca, e principiou a comer.

Silencioso e bom, o filósofo acompanhava, com os olhos, o gesto manso dos animais. Ao fim de alguns minutos, estendeu o dedo, e indicou a ovelha que devorava o capim.

- Esta é a filha, - disse.

E alçando o dedo:

- Porque só as mães, chineses, se privam do alimento para matar a fome dos filhos!

E voltou para a campina, espantando as libélulas.

Revista Espírita Cristã do Terceiro Milênio
www.omensageiro.com.br/mensagens/

Aproveite e leia:O nascimento de uma flor...

Facebook   E-mail   Whatsapp




As opiniões expressas neste artigo são da responsabilidade do autor. O Site não se responsabiliza por quaisquer prestações de serviços de terceiros, conforme termo de uso STUM.


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa