auravide auravide

Preciso de Terapia Urgente!

por Roberto Gwydion

Publicado dia 1/7/2008 em Almas Gêmeas

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


Hoje em dia, com a vida que levamos, parece que o tempo está contra nós, passa muito rápido e parecemos não ter mais controle sobre ele como tínhamos antigamente.

A psicoterapia breve traz uma proposta de assegurar esta possibilidade, ou seja, a de poder se propor um tratamento terapêutico mais curto com relação ao tempo, mas nem por isso perdendo-se a profundidade da terapia.

Acontece que a psicoterapia breve segue uma nova metolodogia, que diferentemente da Psicanálise tradicional, onde passamos anos e anos no divã do psicanalista, na terapia breve, o trabalho é feito em mais ou menos 12 sessões.

Isso é possível? Sim, pois seguimos a temática ligada à queixa principal que o cliente nos trouxe já na primeira entrevista. Na terapia breve, focamos determinado problema e assim temos como estipular uma duração certa para a terapia.

Diferente da análise psicanalítica tradicional, apesar de a utilizarmos como referencial teórico para o trabalho terapêutico, na psicoterapia breve, de orientação psicanalítica, o objetivo é levar o cliente a desenvolver os recursos internos de que precisa para viver tais situações e conflitos interiores.

A diferença principal sobre as duas abordagens, ou seja, a Análise Psicanalítica e a Psicoterapia Breve de Orientação Psicanalítica, é que esta última se utiliza de recursos da Psicanálise, mas utiliza-se de técnicas próprias para que possamos intervir mais fortemente no processo do cliente.

A Psicoterapia Breve de Orientação Psicanalítica, foca um problema e leva o cliente a desenvolver seus próprios recursos psíquicos e, assim, reverter a situação em que se encontra. Por isso, devemos pensar na Psicoterapia Breve como uma técnica de intervenção terapêutica para situações de crise.

Crise é um estado em que, por vários motivos, sejam pessoais ou sociais, culturais ou ouros vários, entramos em conflito interior e vamos nos sentindo mal sem saber direito o porquê disso. Muitas vezes uma perda como a de uma mãe ou de alguém que tenha pra nós uma importância significativa, pode levar uma pessoa à depressão, um transtorno bipolar, uma fobia inesperada e outras patologias. Situações como divórcio, que é um dos mais fortes momentos da vida de uma pessoa. A perda de um emprego, de um animal, ou o roubo de seu carro podem ativar dentro de você algum conteúdo que esteja no inconsciente por isso a importância de um acompanhamento terapêutico de base.

As sessões são de 50 minutos semanais ou duas consultas por semana dependendo do caso, e a quantidade pode ser combinada com o terapeuta na primeira sessão, mas têm normalmente, por volta de 12 sessões, o que duraria no máximo 3 meses.
Roberto Gwydion é terapeuta e tarólogo - tarologoweb

Texto revisado por: Cris


Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 9

foto-autor
Sobre o Autor: Roberto Gwydion   
Terapeuta transpessoal e psicoterapeuta. Tem sua formação acadêmica em ciências sociais, psicossintese,Regressão de memória, Formação em terapia floral avançada e naturopatia holistica.
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Treinando a não-mente
artigo Horário
artigo Ativação dos sentidos interiores
artigo Amigos extrafísicos

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa