Autoconhecimento Autoajuda e Espiritualidade
 
auravide auravide

Solstício de Inverno, Eclipse e a Onda dos Retrógrados

por Fabrizio Ranzolin
Solstício de Inverno, Eclipse e a Onda dos Retrógrados

Publicado dia 5/8/2020 em Astrologia

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp



Agora em 20 de junho, às 18h43min, teremos o solstício de inverno, o dia mais curto e a noite mais longa aqui no hemisfério sul. Sol em Câncer, o mergulho na noite interior, a vivência do frio e do recolhimento, da fase de hibernação. A passionalidade vêm à tona quando o impulso do mundo interior domina a realidade.

Dia 21 de junho, às 3h51min, ocorre o primeiro eclipse solar do ano, também em câncer, uma lua nova muito poderosa gerando uma onda, que seguirá por um bom tempo em 2020, ainda que, de forma aguda, mais forte por toda esta lunação, até a próxima lua cheia.

A luz solar eclipsada pela lua, representa que a realidade dos sentimentos oblitera a luz, o que estiver na escuridão virá repentinamente à tona.

Reforçando a força desta onda, de tom cardeal da realidade, desde o dia 18, com Mercúrio retrógrado, totaliza-se 5 planetas retrógrados neste momento. Intensos, seus assuntos se destacam, pelo menos até 24 de junho, quando Vênus passa para movimento progressivo. Posteriormente, Mercúrio progressivo em 11 de julho. Embora que Netuno, retrógrado a partir do dia 23, mas no momento vamos liberar a visão “daquele que permite que a alma deixe o corpo”, enquanto esta pena ainda tenha tinta neste convéns molhado pela chuva fria..

Assim, teremos ao longo desta semana, e durante a próxima, movimentos importantes, originados nesta poderosa onda de possibilidades de formação de eventos. Preste muita atenção ao que ocorrer em sua vida em torno de 18 até 23 de junho. A onda formada agora no mistério insondável do curso negro e profundo da evolução incessante culminará até a próxima lua cheia.

Evite impulsividades, e observe suas reações de forma racional antes de agir. Volte-se para cuidar de seus sentimentos, os eclipses tendem a trazer movimentações internas e externas, seja de emoções e afetos, ou de mares e terras como os terremotos e tsunamis.

Antes de tudo, saque sua bússola, que aponta para o norte da paz, antes de gritar para abrir as velas já danificadas da nau. Consulte com muita calma o astrolábio do bom senso, pois esta onda poderosa moverá ventos traiçoeiros para os viajantes de pouca experiência, afundando embarcações.

Evite agir irracionalmente por impulso. Se ferver, essa lua ocorre em água, sente-se com calma admirando a vista, espere esfriar para saborear sem queimar. Se bater o desespero ao nada ver no horizonte além do oceano sem fim, feche os olhos, coloque a mão sobre o peito e pense em quem mais ama. Depois agradeça por poder respirar por mais uma vez e sentir se coração bater.

Não há como expressar plenamente essa explosão incrível do eco do bater do coração no breve vácuo da caixa toráxica. Na sua pausa, parece que ele vai parar. Essa pausa mágica e insondável é uma janela ao infinito. Não há razão deste eco cardíaco no peito sem o sentido do espaço entre os planetas, que navegam lindamente por eras e eras infindas, criando, mantendo e destruindo (cardeal, fixo, mutável), arrastando tudo aquilo que já pudemos ser, e tudo o que de forma inconcebível ainda seremos.

Se sentir-se pobre e vazio, lembre-se da força inquietante e maravilhosa que pulsa no espaço negro no centro daquelas pupilas do ser que você mais ama nesta Terra. Quando abraçamos são duas caixas toráxicas de pressão negativa, um breve vácuo que permite que o pulmão se expanda livre e o coração bata com força no peito gerando impulsos elétricos e som. Sabe o amor infinito de um bebê pelo bater único do coração de sua mãe? É a mesma força que mantém os planetas girando em harmonia neste espaço negro frio e infinito chamado de universo. Essa é a verdadeira riqueza, e o maior poder que podemos alcançar sem perder a consciência.

Essas ondas de realidade são como ondas no oceano. Após atravessarem centenas de milhares de quilômetros deslocando minúsculas e incontáveis zilhões de moléculas de água, quebram na praia tocando sonidos no bater dos infinitos grãos de areia de quartzo, que já estavam tilintando noite e dia antes de nascermos, e que assim permanecerão cantando após o último expirar. Toda nossa vida é apenas um breve tilintar de grãos de areia sobre a força das ondas.

Muitos agora apenas seguem odiando, sem ver e sentir esse fluxo da vida, estão vivos sem viver, afaste-se deles, pois agora aparentemente estarão fortes, mas não são. Há muito mais rolando do que se pode ver, e eles não podem ver o que não são.

Siga, escute e abrace tudo e apenas o que lhe traz os sentimentos mais puros de conexão com esta bela Terra. Mesmo que, por vezes, com dor e desalento, faz parte, e é importante compartilhar tudo, não fuja das sombras, converse com elas com afeto.

Faça algo por quem precisa ao cruzar o seu caminho, não importa a forma que o espírito aparente ter. Uma árvore, uma estrela do mar, um cão, um golfinho, um idoso, uma mulher, um homem, um negro, um branco. Todos sonhamos que vivemos em uma destas formas, e acordaremos somente no fechar abrir de olhos no fim. Dê algo de sua alma, de seu coração. Dê um sorriso de esperança, um ombro amigo, um tempo de atenção sincera, um momento de ouvir compassivamente sem opinar, sem julgar. E, se nada puder fazer, sinta a tristeza do outro, ore por quem puder, compartilhe de sua fé. Ter fé e sonhar é muito importante, dizia meu mestre antes de partir para as estrelas.

Agora é seguir em frente mesmo na escuridão, mesmo sem certezas, enxugar o rosto, e seguir, mantendo no coração aqueles que amamos, mesmo que não estejam mais conosco quando a jornada terminar. Não apenas por saudade, mas pela certeza absoluta, de que a realidade material é apenas o lembrete de nossa eternidade; como a pausa do batimento cardíaco, como o cálcio de nossos ossos que pertence ao fogo brilhante das estrelas. Como nosso coração, que bate pelo mesmo poder que mantém o Sol pulsando calor, que une sua vida a todas as pessoas que você já amou e vai amar, como o mesmo fio DNA celular que une a primeira inspiração do netinho ao último expirar do avô.

Bons ventos...

Texto Revisado

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 7

Sobre o Autor: Fabrizio Ranzolin   
Fabrizio Ranzolin é astrólogo, escritor e professor em cursos holísticos alternativos. Membro CNA Astrologia do Brasil. Ativista ambiental na preservação da natureza.
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Transcomunicação Instrumental
artigo A liberdade de ser
artigo Você sabe quais os benefícios de um atendimento de radiônica?
artigo Do Oran Mor aos corações apaixonados pela Luz

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.





horoscopo


auravide

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa