auravide auravide

A tragédia emocional e afetiva do ciúme

por Adriana Mantana

Publicado dia 11/11/2020 em Autoajuda

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


A criança interior ferida rege as emoções humanas. Normalmente em uma relação de casal ela impera e a parte adulta fica oculta na imensa maioria das vezes. É fácil perceber esta dinâmica observando qual é a sua postura na vida afetiva, e qual é a sua postura na vida profissional.

Em alguns casos, a criança ferida também pode se manifestar no ambiente de trabalho, mas, na vida afetiva ela é totalmente percebida, se existe a consciência de sua existência.

Quando estamos na postura de um adulto, analisamos com a lógica, ponderamos e temos equilíbrio emocional, pois sabemos qual é o caminho correto a seguir. Agora, quando estamos na postura infantil, as emoções ficam totalmente fora do controle, carência, medo, insegurança e ansiedade são as manifestações da criança ferida. E o senso de direção e o caminho certo a seguir fica obstruído, gerando consequentemente uma sensação de paralisação.

Em uma briga de casal, vemos a manifestação de duas crianças feridas, brigando para ver qual delas tem razão, através da birra, pirraça e da chantagem emocional.

Nos meus atendimentos, minhas clientes e meus clientes não percebem esta atitude, até iniciarem o tratamento, para a solução deste problema, através do amor e do entendimento.

Este comportamento foi aprendido na primeira infância, quando fazíamos birra, pirraça, adoecíamos e em alguns casos, chantagem emocional com os nossos pais. E tudo para receber amor, carinho e atenção.

O ciúme é um comportamento infantil. Ele é um sintoma de uma causa profunda, que repousa na infância, quando o amor, o carinho, aceitação e aprovação dos pais não foram sentidos ou percebidos.

Isto gerou um tumor emocional que traz a sensação de baixa autoestima, raiva, insegurança, ansiedade e pavor do abandono e/ou traição.

Note que todas estas emoções são manifestações emocionais da criança interior ferida, ela é capaz de gerar tragédias emocionais e afetivas, se não for vista, limpa e curada.

Funciona da mesma forma que uma criança física. Se uma criança cai e machuca o joelho, ele precisa ser limpo. Na sequência, colocamos um remédio para que ele possa ser curado.

Com esta ferida emocional interna, latejando emocionalmente 24 horas por dia, explosões, choro, conflito, brigas e todos os tipos de mazelas afetivas são observadas.

O fato de não vermos a ferida emocional, não anula a sua periculosidade. Inclusive é ainda mais perigosa do que a ferida física, de acordo com os meus estudos, pesquisas e atendimentos.

Pois com esta ferida pulsando o tempo todo, além da tragédia emocional e afetiva, isto pode gerar uma somatização grave no corpo, através de doenças incuráveis.

Todos os dias no noticiário vemos casos de crimes passionais, em que uma pessoa extingue a vida de outra, por conta de ciúme, por exemplo.

O ciúme não é uma prova de amor, embora a imensa maioria das pessoas tenha essa crença implantada em seu inconsciente  pessoal.

O amor é tranquilo, significativo e cheio de paz.

O respeito e a confiança fazem parte de uma vida de casal em que o amor é a base.

A paixão é o oposto disto.

É sabido que nas relações, principalmente no início, a novidade favorece os neurotransmissores associados ao “amor”. Com isto, algumas pessoas têm uma sensação de perda de apetite, “borboletas” no estômago. Estas sensações típicas geralmente acabam até o segundo ano do relacionamento, onde começam a serem substituídas pela construção do amor.

Se logo na primeira semana ou até mesmo anos depois, existe uma sensação interna de extrema inquietação, angústia, medo, insegurança e carência sobre o parceiro.

Como por exemplo: onde ele estava e com quem ele estava falando, temos um sinal vermelho de atenção.

Pois a criança interior ferida está chamando atenção para ser curada, como ela não pode chorar na sua frente, ela causa inúmeras sensações de desconforto, para ser tratada.

Se ela for ignorada, a situação interna piora ainda mais e consequentemente a relação afetiva também.

Ela (a criança interior ferida) grita, briga, xinga em alguns casos bate ou quebra objetos.

O ser humano não é uma coisa só, dentro de cada um de nós temos muitos aspectos da personalidade, complexos e sombras psicológicas.

E a criança maltratada é um destes aspectos.

A falta de habilidade ao lidar com ela, traz inúmeros desafios.

E não adianta mudar de parceiro, pensando que o problema está no outro, pois se isto acontecer, a probabilidade de voltar a ocorrer é altíssima, pois a causa não foi sanada.

Muitas vezes, o relacionamento pode ser resolvido se a criança interior for tratada. Isto pode ser feito na terapia de casal ou até mesmo na terapia individual.

Afinal, quando uma criança não quer mais brigar, as brigas acabam e um ponto de paz é estabelecido.

Vou deixar três caminhos caso queira reconhecer, limpar e curar a sua criança interior.

Gravei uma meditação no meu canal do YouTube sobre limpeza e centramento, caso queira ouvir CLIQUE AQUI aproveite e se inscreva no canal, vou adorar te ver por lá também.

Fiz um curso online com passos fundamentais. Cure a Sua Vida Afetiva. Caso queira adquirir CLIQUE AQUI

Agora se você já tentou várias abordagens (sem sucesso) e a sua situação está muito delicada, pode verificar a possibilidade de agendar uma sessão de terapia comigo, caso queira dar este passo CLIQUE AQUI

Cuide-se com amor!

Instagram CLIQUE AQUI

 Adriana Mantana

 

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1

foto-autor
Sobre o Autor: Adriana Mantana   
Bióloga, Terapeuta Integral, Consteladora, Renascedora, Terapeuta ThetaHealer®, Terapeuta de Barras de Access™, Floral de Bach, Radiestesista, Operadora de Mesa Quântica Radiônica, Cromoterapia, PNL, Mestre em Reiki Usui, Hooponopono, Cristaloterapeuta, Giver Deeksha, Terapeuta de Integração Quântica do Ser® e Ativista Quântica. CRTH 4103
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Pontes Imagináveis
artigo Auto avaliação
artigo Recado espiritual de um Amparador Budista
artigo O que significa viver no presente?

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa