auravide auravide

Da autorrejeição ao amor


Facebook   E-mail   Whatsapp

Muitos de nós temos dinâmicas internas que nos fazem sentir mal, e a maior parte desse mal-estar é causado por nós mesmos. Como por exemplo: a adoção de uma atitude de vítima, mas ao mesmo tempo ter inveja daqueles que se destacam, para depois nos castigarmos por nos sentir desse jeito. Não é de propósito que nos sentimos assim: é que tem alguma coisa presa no nosso sistema nervoso que é repetida automaticamente e, por acreditar nela, ela continua se reiterando. Mas a boa notícia é que é possível mudar!

Os seres humanos sentem-se vítimas de coisas ou pessoas. Por isso criamos dramas, ficamos fingindo, nos ressentimos, ou seja, ficamos no mesmo lugar sem crescer. Porém é possível mudar para ser mais felizes sem tentar mudar os outros, para começar a ir mais além do automático: ficar culpando os outros; e devagarinho nos conectando no interior para que a mudança seja possível.

Foi o sofrimento que me levou a transformar esses aspetos na minha vida. Quando eu encontrei a coragem de reconhecer tudo que eu julgava de mim mesma, eu também pude ver que não havia nada de errado com isso. Fiz amizade com meu ciúme, com a minha violência, a minha capacidade de fazer muitas coisas que estavam baseadas no medo, coisas que antes julgava severamente nos outros. Mas quando aceitei esses meus aspectos e abracei eles, tudo tornou-se amor. Sempre foi amor, mas eu o rejeitava por causa do medo. E fui assim capaz de aceitar esses aspectos nos outros também. Quando viramos amigos da nossa própria humanidade, podemos encontrar a beleza em tudo.

Os extremos da autorrejeição têm um papel importante no cenário mundial, levando à violência e matando por medo de perder alguma coisa. No entanto, se aprendermos a abraçar todos os nossos aspetos, nossa violência é dissolvida na frequência do amor. Diga SIM para o seu eu interior. Ame-se e dê-se um abraço no amor incondicional, que assim o mundo também se abraçará.

A tristeza da sociedade moderna é que levamos tudo a sério. Pensamos que temos que cumprir com todos os “deveres” por causa das nossas próprias expectativas. A crítica e o autocontrole têm virado um jeito de viver. Isso é cansativo e até chega a exaustar nossa capacidade para brincar e poder nos expressar livremente.

Precisamos aprender a fluir a partir de nossos corações: ser ridículos, dançar sem freios, parar para realmente viver a vida e as coisas boas dela, momentos alegres e gargalhadas.

Tente fazer isso. Talvez goste!

*Tire umas férias do ser, participe com Isha dos retiros especiais de uma semana no Centro Internacional para a Paz no Uruguai clicando aqui

Texto revisado

Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 13


estamos online   Facebook   E-mail   Whatsapp

foto-autor
Conteúdo desenvolvido por: Isha Judd   
Isha é mestra espiritual reconhecida internacionalmente como embaixadora da paz. Criou um Sistema para a expansão da consciência que permite a auto-cura do corpo, da mente e das emoções. Site oficial www.ishajudd.com
E-mail: [email protected] | Mais artigos.

Saiba mais sobre você!
Descubra sobre Autoajuda clicando aqui.

Veja também © Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade










Receba o SomosTodosUM
em primeira mão!
 
 
Ao se cadastrar, você receberá sempre em primeira mão, o mais variado conteúdo de Autoconhecimento, Astrologia, Numerologia, Horóscopo, e muito mais...


 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2022 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa