auravide auravide

12 DE OUTUBRO - CONSUMISMO INFANTIL



Olá Pessoal,

Segue, para nossas reflexões, uma matéria bem interessante sobre o que comemoramos em 12 de Outubro.

Abraços,

Zenaide

"12 DE OUTUBRO DE 2007 - 18h38
Psicóloga denuncia o 12 de outubro do consumismo precoce

Leia abaixo o artigo de Lais Fontenelle Pereira, 29, psicóloga do Projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana, que explora o impacto da publicidade consumista na formação da criança e o sentido mercadológico que o Dia das Crianças adquiriu no país. Segundo Fontenelle Pereira, a data - criada por lei em 1924 - só passou a ser comemorada em 1960, depois que a fábrica de brinquedos Estrela e a Johnson & Johnson criaram a Semana do Bebê Robusto. Para ela, o significado do dia 12 não passa de um convite ao consumismo precoce.

Que infância estamos construindo? O 12 de outubro é Dia das Crianças, mas a que preço? O que de fato celebramos nessa data: a criança ou o consumo?

Por Lais Fontenelle Pereira(*)

Não esqueça a minha Caloi. Compre Batom. Danoninho vale mais do que um bifinho... Não é de hoje que os apelos publicitários interferem na formação de nossos filhos. No Dia das Crianças nos sentimos compelidos a refletir. Que infância estamos construindo? As crianças sumiram das ruas, das praças e dos colos e se refugiaram nos shoppings ou nas telas.

"Filho, você comeu direito? Não esquece o casaco! Só mais uma história. Já sei andar de bicicleta sem rodinhas!" Onde estão essas palavras? Está cada vez mais difícil escutarmos o riso das crianças, assim como suas verdadeiras necessidades. Vivemos imersos em imagens e sons que nos atravessam sem nos pedir permissão. A palavra foi substituída pela imagem. A coleção, pela aquisição. A atenção, pelo presente. O medo do lobo mau, pelo medo da realidade. O abraço, pelo objeto. O desejo, pela necessidade, e a criança, pelo consumidor - antes mesmo de se tornar cidadã. O ter prevalece sobre o ser. Esse é o tempo do consumo e da descartabilidade.

No Brasil, 12 de outubro convencionou-se como o Dia das Crianças, mas a que preço? O que de fato celebramos nessa data: a criança ou o consumo? Parece-nos que esse hábito é vivido pela maioria das famílias como um simples dever ao consumo.

O 12 de outubro foi proposto pelo deputado federal Galdino do Valle Filho em 1920 e oficializado como Dia das Crianças pelo presidente Arthur Bernardes em 1924. Porém, o dia passou a ser comemorado só em 1960, depois que a fábrica de brinquedos Estrela e a Johnson & Johnson criaram a Semana do Bebê Robusto. Um convite ao consumismo precoce.

Se fôssemos comemorar realmente a criança, por que não fazer em 20 de novembro, data da aprovação da Declaração dos Direitos das Crianças?

No mês das crianças, a publicidade surge com força total. Quando vemos que o valor gasto no Brasil em publicidade dirigida ao público infantil foi de aproximadamente R$210 milhões (Ibope) e que o valor do investimento no Programa Federal de Desenvolvimento da Educação Infantil (FNDE) foi de aproximadamente R$28 milhões, ficamos pasmos.

A publicidade participa da formação de nossas crianças tanto quanto a escola. O que é mais importante: esses objetos que prometem a felicidade ou a educação?

As crianças são desde cedo incitadas a participarem da lógica de mercado. A forma como são olhadas e investidas pelos outros passa pela cultura do consumo. As expectativas em torno do nascimento, a escolha do nome e dos objetos e a reorganização da casa circunscrevem o lugar social no qual se constituirão a identidade e os valores do bebê.

As imagens publicitárias dirigem-se às crianças, o que é extremamente abusivo, pois até os 12 anos não têm capacidade crítica de entender o caráter persuasivo das mensagens. Até os quatro anos as crianças não conseguem diferenciar publicidade de programas. Conforme pesquisa norte-americana, bastam apenas 30 segundos para uma marca influenciá-las. Se pensarmos que a criança brasileira passa em média cinco horas por dia em frente à TV (Ibope, 2005), quanta influência da mídia ela sofre?

Esse problema se soma ao afastamento das brincadeiras. Quem precisa de dez sapatos, três bolsas ou saber usar batom? Os pais foram desautorizados do poder, ou melhor, do seu saber, e a mídia se ocupou do papel de transmitir os caminhos da infância. Porém, o mercado - mídia ou anunciantes - assumiu isso pensando no lucro imediato, e não nas crianças ou no futuro da nação.

A infância não pode ser aprisionada pela falsa felicidade que a sociedade de consumo nos vende. Criança precisa de olhar, de palavras e de escuta. Precisa ter infância para ser criança. E os pais sabem o que é melhor para os filhos.

Nesse Dia das Crianças, troquemos o shopping pelo parque. Façamos brinquedos, em vez de comprá-los prontos. Troquemos as guloseimas pelo bolo feito no calor da cozinha.

Paremos para refletir. Olhemos para a infância que nos circunda e rememoremos nossa experiência infantil.

Assim, talvez possamos subverter a ordem estabelecida do consumismo desenfreado e encontrarmos uma forma mais sincera de homenagearmos nossas crianças.

(*)Lais Fontenelle Pereira, 29, mestre em psicologia clínica pela PUC-RJ (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), é psicóloga do Projeto Criança e Consumo, do Instituto Alana.

Artigo originalmente publicado na sessão Tendências e Debates do jornal Folha de S.Paulo (12/10).


CLUBE DO LIVRO INFANTIL ÊXITO, divulgue essa idéia!
Por que incentivar a leitura infantil?
Literatura cria as emoções e o prazer. Ela é para oportunidades únicas de encontro do indivíduo consigo mesmo e com os outros, trabalhando com o imaginário, ser lida, fluída com gosto, mesmo que solitariamente.

Ler literatura é viver a arte, sentir emoções, fazer viagens, conhecer mundos, costumes, cores, paisagens. É questionar e encontrar as respostas, é sentir-se no meio de uma multidão, mesmo estando só, é não sentir solidão, é percorrer ruas antigas ou modernas, é voltar-se no tempo ou saltar vários anos adiante de si. É torcer pela personagem preferida, é sofrer e sorrir com ela, é desbravar matas e conviver com animais, numa aventura sem limites.

A literatura, como qualquer arte, vai além da informação. É também formativa e possui um valor perene.

Texto extraído do Manual de Instruções para as escolas 2001 - Programa de Bibliotecas das Escolas Estaduais do Estado de Goiás

Texto revisado por Cris
Publicado dia 19/11/2007

  estamos online

Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 5




Veja também
© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade











auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa