auravide auravide

Aceitar para Libertar



Um dia, de repente, por algum motivo, sentimos uma onda subindo pelo interior de nosso corpo... um sentimento agradável, ao mesmo tempo inquietante, como uma vontade de bater asas e ganhar o céu, literalmente.

Realmente é uma situação difícil de descrever, pois cada um associa a sensação a alguma imagem que lhe faz sentido. No entanto, mais cedo ou mais tarde temos uma experiência assim que nos faz sentir um gosto diferente na realidade de se estar vivo.

Às vezes queremos conceituar demais e acabamos rotulando a felicidade, dando a entender que é um estágio inatingível, sendo que é sutil, simples demais. Não há receita para alcançá-la, porém, se ficarmos atentos podemos senti-la com suas mãozinhas delicadas nos afagando por dentro.

O “feliz–para-sempre” que nossos egos insistem em nos fazer reconhecer, baseado em uma vida ideal - expressão paradoxal por si só - é um holofote de luz intensa que nos atrai e cega diante do que está mais próximo e receptivo. Começamos a ignorar preciosidades que temos nas mãos.

Para que a vida seja plena há que se ter uma abertura para todas as emoções e não querer escolher as que agradam mais ao ego, escravo do medo. Há, em todas as situações, um aprendizado e um potencial de libertação espiritual. É como a sabedoria da flor–de-lótus que abre-se linda e pura, porém inspirando gratidão ao lodo que lhe deu condições para brotar e desabrochar e a mantém viva na matéria.

A sensação de serenidade pode ser experimentada a partir de qualquer emoção após ser profundamente observada. Para isso, o que se sente - como a raiva, por exemplo - deve vir à tona, não sendo sufocado como manda o bom senso. Conscientemente, não se repetem padrões emocionais, não são descarregadas no próximo e, assim, não cria-se um aprisionamento ao invés da libertação. O sentimento vem como uma energia extra e deve ser canalizado de forma a dar-lhe vazão. Se direcioná-lo a outrem, ele apenas retorna e daí confirma-se sua má fama.

Se formos um pouco mais além, observaremos a transmutação de sentimentos: ódio-amor, raiva–perdão, destruição–renascimento... Afinal, se prestarmos atenção ao nosso corpo poderemos perceber que vários provocam sensações físicas muito parecidas. O que muda, muitas vezes, é o pensamento relacionado ao acontecimento que leva a pessoa a sentir algo. O corpo não julga, não dá nomes. Quem o faz é a mente, daí a necessidade de trabalharmos nossas crenças.

Esses processos, se bem aceitos, podem ser alavancas que nos levarão à leveza, ao contato com o ser superior, que mantém-se intacto e, ao contrário de tudo o que buscamos ou que nos aflige, eterno. Por isso, observemos nossos bloqueios e preconceitos em relação ao que estamos sujeitos a sentir. Vamos entrar em contato com nossa energia vital e acolhermo-nos em todos os níveis existenciais. Façamos as pazes com nossa natureza e sejamos humanos em totalidade!

Sugestão de leitura:
"Emoções, liberte-se da raiva, do ciúme, da inveja e do medo", OSHO, Ed. Cultrix.

Texto revisado por Cris
Publicado dia 5/10/2007

  estamos online

Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 8




Veja também
© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade











auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa