auravide auravide

As 3 Chaves - parte 2

por Denis Rojas

Publicado dia 30/1/2008 em Autoconhecimento

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp


A segunda chave parece nos dizer "ria mais de si mesmo, das bobeiras, dos erros passados". Sabe, de todas aquelas gafes que cometemos na vida... E assim saberemos que nascemos como possibilidades e, das duas uma, nas tantas escolhas ou atitudes que tivemos: algumas estavam certas e outras erradas para nós mesmos. Foi isso mesmo que dissemos, para nós mesmos! Porque pode ser que para os outros aquilo tudo seja bem diferente. Penso também que tudo aquilo que achamos errado em determinada situação era a coisa certa daquele momento, se estávamos doando o nosso melhor.

Pode parecer loucura o que iremos dizer, mas tudo bem, afinal de contas a vida é nossa, podemos escolher e acreditar em tudo aquilo que é saudável ou não em nosso viver. Ou talvez a declaração “Está tudo certo!” torne-se não uma loucura inútil, mas uma útil afirmação positiva. Portanto, olhe-se no espelho e esboce um sorriso nos lábios e nos olhos. O sorriso é o sinalizador da alegre temperatura do coração. A face e os olhos são espelho da ventura interna. Lemos os sinais para pararmos e repensarmos nossas escolhas quando reduzimos nossos sorrisos e ficamos carrancudos. Lembremos mais uma vez, que os olhos, quando despertam no coração o sorriso sincero, tornam-se as portas escancaradas da alma. E o rir de si mesmo torna-se a aventura de não existir portas, janelas e parede na casa de nossa verdade.

A terceira chave nos traz a confiança de que não estamos sozinhos e que sempre poderemos contar com mãos amigas, que existem pessoas prontas a amparar. Dizem alguns estudiosos que isso é característica cultural do brasileiro, ser prestativo, ajudar. Penso que é característica natural de todo ser humano e que mesmo aqueles que se dizem não prestativos, de alguma forma o são. Pois, possuímos uma necessidade de troca, de compartilhar, de ser útil, de prestarmos para alguma coisa. Ninguém quer ser um imprestável. Para um “eu” existir, deve-se existir o “outro”. Coisa interessante é que “eu” não me faço sozinho; que esse “eu” é uma multidão de trocas, experiências, interações, consciências. É por isso que se diz que somos espelhos uns dos outros. No âmbito espiritual sentimos esse apoio com muita intensidade, inclusive costumamos chamar esses seres amparadores de anjos, guias, mentores, nomes variados para designar uma troca benéfica e evolutiva entre os seres encarnados e os desencarnados. Estamos sempre amparados e o que é importante dizer é que a qualidade desse amparado é condizente com o objetivo almejado.

Existem objetivos pequenos, escusos e objetivos grandiosos, altruísticos. Vai daí, mais uma vez, utilizar seu poder de escolha e entrar em conexão com consciências superiores, irmãos mais velhos – evolutivamente falando. Pois, atraímos energias e presenças espirituais de acordo com as vibrações, pensamentos e sentimentos que emitimos e estão presentes em nosso ser. É por isso que se recomenda sintonizar-se com algo superior a nós mesmos, isto gera uma energia de alto-astral; lembranças de que o mesmo brilho está lá nas estrelas existem em nós também em nossos olhos e coração; que a vida pulsa em lugares inimagináveis; que cada presença é única em aprendizado e que este aprendizado pode auxiliar o outro a descobrir sua própria forma de aprender; que podemos nos sentir parte de uma vida maior, além das limitações de nossa pele. Então, querida, podemos sentir mãos invisíveis acariciar nossa face, enxugar as lágrimas e sentir um grande abraço.

Somos nós que fazemos de cada momento algo especial e a gratidão é o botão que liga a luz da auto-estima. Assim podemos ver as muitas chaves que o Grande Mistério nos presenteia a cada novo passo da caminhada evolutiva. Que seu coração possa estar reluzindo agora e que aconteça tudo de bom em sua vida.

Paz, Amor e Luz!

Por SAMUEL S. SILVA

Texto revisado por Cris

Compartilhe

Facebook   E-mail   Whatsapp
  estamos online

Gostou deste Artigo?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 1

foto-autor
Sobre o Autor: Denis Rojas   
Denis Rojas, iniciado no caminho vermelho por Joseph Rael, Beautiful Painted Arrow, nativo visionário norte-americano dos Pueblos Picuris e Ute. Chefe do tambor em cerimônias e danças sagradas chefiadas por Felicity Macdonald no Brasil, lidera várias cerimônias e vIvências como Saunas Sagradas, Rodas de Cura e Oficina de Confecção de Tambores.
E-mail: [email protected]
Visite o Site do autor e leia mais artigos.


Veja também
artigo Treinando a não-mente
artigo Horário
artigo Ativação dos sentidos interiores
artigo Amigos extrafísicos

© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.


auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2020 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa