auravide auravide

Corpo holográfico, vivência e experiência corporal



Sobre o corpo holográfico podemos dizer que pode ser um Espaço de Probabilidades e Possibilidades (EPP) de existência em dimensões do viver, um entendimento de que o corpo-no-mundo é parte de um todo e contém os EPP para realizar reconhecimento tanto da parte quanto do todo. Um conhecimento direto revelado pela vivência. No domínio holográfico cada organismo representa, de certo modo, o universo e cada porção do universo representa igualmente os organismos que ela contém, ou seja, a plena inclusão dos EPP.

Propõe-se desenvolver certo olhar para o corpo buscando compreender seu significado essencial, afastando-se das interpretações baseadas numa visão dualista, newtoniana, cartesiana. A meta é buscar aproximação com um estilo de pensamento mais complexo. Para essa tarefa é necessário compreendermos que o nosso corpo não é uma escultura isolada no espaço e no tempo e, sim, um processo e que este processo é orientado em busca de renovação, não importa quanto tempo passe ou a quanta desmobilização estejamos expostos.

É relevante comentar que Experiência Corporal não é somente a cultura conseguida graças à acumulação de conhecimento, mas também decorre das vivências e do discernimento adquirido da interpretação por intermédio da reflexão crítica e das elaborações sobre as experiências concretas vividas. Trata-se de algo que se apreende na prática e que pode nos levar à arte de viver melhor.

No movimento humano o jogo do corpo holográfico encontra sentido nas Vivências Corporais. Com isso queremos sinalizar para um contexto profundamente relacional, construindo diálogo entre Vivência e Experiência. O corpo se constitui corporificando e dando forma às possibilidades existenciais, valendo-se da sua condição de corpo-no-mundo.

Tal experiência de aproximação só pode acontecer num contexto de diálogo, de cooperatividade e numa metáfora de corpo holográfico, mesmo que em determinados momentos o corpo como substância possa estar mais em foco. Esta é a essência do diálogo: não fechar espaços, não obstruir comunicações, não favorecer processos de estase. É desse diálogo que conhecimento e cuidado de si se constituem como resposta contextualizada no real possível de perceber, nas diferentes manifestações da consciência, encontrando para cada contexto a resposta mais apropriada para a pergunta: "Como me sinto neste momento?".

Ao questionarmos se é possível ter uma relação pura com o conhecimento despojada de qualquer interesse, a resposta do ponto de vista holográfico implica superar toda experiência dada, buscando experimentar uma nova experiência. Isso exige uma forma de nos aproximarmos de nós mesmos, do outro e do mundo e das relações entre ambos, valendo-nos de diferentes formas a cada momento, cuja base é a aproximação pelo diálogo na condição de ser-corpo-de-ação-no-mundo.

Os cenários são muitos, as metáforas de corpo também; mas precisamos pensar em proporcionar espaços para refletirmos criticamente a falta de consideração para conosco mesmos, condição para desvelar a consideração para com o próximo e com o mundo. Buscar sensibilização para encontrar os sentidos possíveis para a vida, desconstruindo os problemas causados pela ilusão de separatividade e assumindo corajosamente uma atitude mais precária.

Na condição de corpo-no-mundo, de gente que se relaciona com gente, não podemos ficar apenas na descrição do jogo relacional. Deve-se evitar a unidimensionalidade e a unicausalidade. Competência lingüística e se-movimentar são elementos imprescindíveis para tais contextos. Temos urgência de constituir fundamentos para o cuidado de si como base do aprendizado para o cuidado do outro. Construir "novas" e sempre "renováveis" pontes de dialogicidade intersubjetiva, considerando o equilíbrio entre o ambiente interno e externo.

Três dimensões são fundamentais para essa tarefa: Vida, Vivência Corporal e Experiência. Todas ocorrem de forma simultânea. Aqui, elas devem ser consideradas dimensões capazes de estabelecer o diálogo subjetivo e intersubjetivo e nas diversas dimensões possíveis. Capazes de reciprocidade intercomunicativa local e não-local.

Vida fundada no contexto das funções biológicas. Vivências Corporais como possibilidades e probabilidades de elaborações de ordem multidimensional: físicas, emocionais, mentais, psíquicas e espirituais, tendo o corpo-no-mundo envolvido no aprendizado. Nesse contexto, o corpo transforma-se num holograma vivenciado num universo holográfico.

Nossos corpos constroem sensivelmente, incorporando as experiências provenientes de realidades multidimensionais, experimentam as Vivências Corporais e as infinitas configurações existenciais, construindo incontáveis metáforas para se viver e para manifestar a vida no processo de corporificação das diferentes formas de manifestação da consciência.

Pela Experiência Corporal adquirida, valendo-nos do reconhecimento das probabilidades e possibilidades multidimensionais, podemos constituir redes intersubjetivas para um aprender sobre nós mesmos, sobre o outro e sobre o mundo. Evitar os modos de individualismo, banalização e naturalização das coisas do mundo, reconhecer os mecanismos que ativam barbáries e envolver-se numa perspectiva de emancipação e autonomia, já que alcançá-las é impossível nas condições contemporâneas. Este é o estágio da integração corporal: um entendimento de que para além dos modismos existem conteúdos capazes de modificar crenças, valores e hábitos mentais em direção a mais humanismo, espiritualidade e fluidez nas relações. Saímos então em busca do mundo subatômico, onde ser e não-ser coexistem dinâmica e permanentemente.

No processo de integração o corpo-no-mundo toma uma proporção de totalidade no diálogo entre o interno e o externo, construindo possibilidades e probabilidades de uma vigilância perene ao cuidado de si, na forma de evitar a cristalização da vida pelo congelamento nos pensamentos, emoções e atos afirmados por registros de memórias existentes apenas no passado. A integração é a luta de manter o corpo-no-mundo vivendo e experimentando o aqui-agora caracterizado pela eterna possibilidade da escolha. Pela eterna procura do vir-a-ser, buscando conhecer-se cada vez mais.

Para escolher, é preciso conquistar autonomia, esclarecimento e emancipação. O livre-arbítrio só pode funcionar se cuidarmos dos nossos condicionamentos negativos. Evitar os condicionamentos é propor o autocuidado nas vivências do presente abrindo-se para as novas percepções, conquistar pelos próprios méritos a vitalidade, a liberdade interior, o desapego de emoções compulsivas, de maus hábitos, tabus, etc. Não está desvinculada dessa árdua tarefa a humildade de pedir ajuda a quem achar necessário. Essa lição nós aprendemos na observação da nossa respiração: "Não somos ilhas de auto-suficiência".

No processo de integração corporal, nossa meta é sairmos do piloto automático dos condicionamentos e acessarmos as forças criativas e construtivas do nosso corpo-no-mundo: nosso curador interno. Este é o perigo de viver: o de perder-se e encontrar-se infinitas vezes, até que todos os encontros e desencontros se tornem apenas um e, sendo um, possam contar infinitamente.

Texto revisado por Cris


Publicado dia 26/10/2007
  estamos online

Gostou?    Sim    Não   

starstarstarstarstar Avaliação: 5 | Votos: 43



foto-autor
Autor: Samuel Macêdo Guimarães   
Formação em Psicoterapia Corporal Neo-Reichiana, Psicoterapia Corporal para Crianças e Adolescentes, Psicoterapia Holográfica. Mestre em Educação Física, Consultor de Bem Estar.
E-mail: smgbahia@outlook.com | Mais artigos.

Veja também
© Copyright - Todos os direitos reservados. Proibida a reprodução dos textos aqui contidos sem a prévia autorização dos autores.




publicidade











auravide

 

Voltar ao Topo

Siga-nos


Somos Todos UM no Smartphone
Google Play


© Copyright 2000-2021 SomosTodosUM - O SEU SITE DE AUTOCONHECIMENTO. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade - Site Parceiro do UOL Universa